Total de visualizações de página

sábado, 16 de abril de 2011

Itaú compra 49% do Banco Carrefour

O Itaú Unibanco surpreendeu o mercado e comprou 49% do Banco Carrefour, por R$ 725 milhões. Até então, o favorito nas negociações era o Bradesco. Segundo o diretor corporativo e de controladoria do Itaú, Rogério Calderón, o maior interesse do banco com a aquisição é ampliar sua presença no financiamento ao consumo. "A compra também reafirma nosso compromisso com a baixa renda", disse.

O Itaú Unibanco vai pagar os R$ 725 milhões em dinheiro e à vista, segundo Calderón. O Carrefour mantém o controle do banco, com 51% do capital, mas a gestão será compartilhada. O Itaú terá executivos na diretoria e no conselho do banco, disse o executivo, sem dar mais detalhes. "O Carrefour tem todo o interesse em nossa participação na gestão. Somos um banco e podemos ajudar a rede a alavancar as vendas."

O principal produto do Banco Carrefour é o cartão de crédito, seguido por seguros. Calderón disse que o modelo de negócios será mantido, mas não descartou a inclusão de novos produtos e serviços financeiros para serem oferecidos nos 163 supermercados do Carrefour no País.

A compra da participação não altera as projeções do Itaú para sua carteira de crédito ao consumo de 2011, segundo o executivo. A operação depende ainda da aprovação do Banco Central.

Disputa. Esta é a segunda vez que o Itaú atropela o Bradesco em uma negociação que se torna pública desde a fusão com o Unibanco, que o tornou o maior banco privado do País. Em 2009, o Bradesco estava negociando uma associação com a Porto Seguro, mas foi o Itaú quem acabou fechando a operação. Na época, as negociações com o Bradesco não avançaram porque o banco queria ter poder de veto nas decisões, entrando em discordância com a Porto Seguro.

No caso do Carrefour, o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, chegou a afirmar, em março, em entrevista ao jornal inglês Financial Times, que a compra do banco da rede de supermercados "estava escrita nas estrelas". Na avaliação de Trabuco, segundo a reportagem do FT, os supermercados se transformaram em shoppings centers e é essencial para um banco estar presente nesses locais. Procurado pela Agência Estado, o Bradesco não comentou o assunto.

Para analistas, ao comprar 49% do Banco Carrefour e garantir exclusividade na distribuição de produtos financeiros nos 163 supermercados da rede, o Itaú amplia ainda mais sua liderança no mercado de cartões e no varejo. O Carrefour tem 7,7 milhões de cartões emitidos e uma carteira de crédito de R$ 2,2 bilhões. "No setor de varejo, especialmente no de supermercados, o Itaú ficou com as maiores redes", disse o analista de bancos Luis Miguel Santacreu, da Austin Ratings. O banco tem acordo com o Pão de Açúcar (que inclui a rede Extra) e Walmart (por meio do cartão HiperCard), além da Lojas Americanas. Além disso, tem acordos com Magazine Luiza e Ponto Frio.

De acordo com o analista Daniel Malheiros, da Spinelli, o Itaú avaliou o Banco Carrefour em patamares semelhantes aos da própria instituição. "O valor pago parece justo diante da concorrência em torno do ativo e dos potenciais ganhos de sinergia que o negócio pode trazer", disse.

O Banco Carrefour está capitalizado, mas tem inadimplência bem acima da média. Em dezembro, o indicador estava em 15%, considerando os atrasos superiores a 60 dias.

Em 2010, o Banco Carrefour lucrou R$ 155 milhões. Os ativos totais somaram R$ 2,8 bilhões. Para o Itaú, que tem ativos de R$ 755 bilhões, a aquisição pouco altera o número. "O Itaú comprou a capacidade do Banco Carrefour de gerar negócios futuros", destaca Santacreu.


Nenhum comentário:

Postar um comentário