Total de visualizações de página

sábado, 14 de maio de 2011

CEOs, inovação e crescimento Líderes que focam somente em corte de custos não conseguem manter crescimento sustentável e perdem talentos

Líderes que focam somente em corte de custos não conseguem manter crescimento sustentável e perdem talentos

16/05/2011 05:05Mudar o tamanho da letra:A+A-

Compartilhar:
Eu fiquei surpreso com a repercussão do mais novo relatório publicado pelo Conference Board entre os integrantes da comunidade de inovadores. O Conference Board é uma entidade independente e sem fins de lucro fundada em 1916 nos Estados Unidos com o objetivo de proporcionar às organizações o conhecimento prático de que necessitam para melhorar seu desempenho e melhor servir a sociedade. No estudo chamado “The CEO Challenge” (O Desafio do CEO), o Conference Board revela o que os CEOs estão pensando e como eles estabelecem suas prioridades.

Na pesquisa realizada, os CEOs receberam 10 prioridades para que eles as ordenassem (da mais importante até a menos importante). Crescimento, sem surpresas, foi classificado como a prioridade número 1, basicamente por todos os participantes. Após o item crescimento, houve uma divergência significativa na opinião dos CEOs em função do tipo de indústria.

Nas indústrias fortemente regulamentadas os líderes classificaram regulamentos governamentais como o segundo item mais importante, enquanto que empresas de manufatura e serviços (com exceção das empresas de serviços financeiros) classificaram a inovação como a segunda prioridade mais importante.

As empresas de serviços financeiros em sua maioria classificaram a inovação como uma das suas últimas prioridades. Provavelmente essa classificação é resultado do aumento da fiscalização federal, depois do colapso das hipotecas (sub-prime), o crônico problema do cartão de crédito com altas taxas de juros e outras questões da indústria financeira que estão atraindo a atenção de Washington.

Uma citação que chamou a minha atenção no estudo do Conference Board foi a seguinte: "Os CEOs tendem a equilibrar a redução de custos, o desenvolvimento de talentos e a inovação em produtos / serviços como sua principal estratégia para impulsionar o crescimento, mas num momento de crise, a redução de custos pode abafar os outros dois fatores”. Essa referência me faz pensar que todos os CEOs têm reduzido ao máximo a sua estrutura de custos e agora eles tem que se mover para a inovação e o desenvolvimento de talentos para crescer. Basta ver a recente guerra por talento entre as empresas de alta tecnologia.

No site do Conference Board que descreve o relatório, as principais prioridades estão listadas em ordem de classificação, com o crescimento em primeiro lugar, e considerado quase duas vezes tão importante quanto as três prioridades seguintes: o talento, a redução de custos e a inovação. Curiosamente, as últimas três prioridades têm quase exatamente o mesmo peso. Se a gente não levar em conta o setor de serviços financeiros, a inovação é claramente a segunda prioridade mais importante para os CEOs.

Mas o que é o mais interessante sobre essas prioridades é que algumas são resultados e outras são insumos. O crescimento das empresas é um resultado alcançado quando bons profissionais (talento), criam produtos atraentes (inovação) que os clientes querem comprar. O crescimento das empresas é impulsionado por novos produtos, novos serviços e novos modelos de negócio – os quais são impulsionados pela inovação. É difícil ter um crescimento orgânico, sem inovação. Por isso a inovação é um ingrediente-chave para o crescimento do negócio.

Mas também é difícil para uma empresa crescer sem bons talentos, e bons talentos são atraídos por empresas em crescimento que tem produtos inovadores, visões interessantes, e que oferecem oportunidade de crescimento para o indivíduo. Todos esses fatores ocorrem quando a inovação está presente, e muitas vezes falta quando a inovação está ausente da agenda de uma empresa. Profissionais talentosos são muito procurados e eles tendem a migrar para as organizações que têm as idéias mais convincentes e as oportunidades para converter ideias em novos produtos e serviços. A inovação é um ingrediente-chave para atrair e reter bons talentos.

Das quatro prioridades anunciadas, apenas a redução de custos está sozinha. A redução de custos não dirige o crescimento do negócio, e muitas vezes inibe a inovação. Talento não é atraído para as empresas que consistentemente se concentram na redução de custos e o processo de redução de custos não induz ao crescimento de novos talentos ou à geração de muitas idéias criativas.

A redução de custos é uma maneira conveniente para sustentar os lucros, sem crescimento, mas apenas no curto prazo. Pode-se argumentar, de fato, que a redução de custos é a antítese do crescimento do negócio, e o simples fato de ele aparecer com tanto destaque nas prioridades dos CEOs é um reflexo da conjuntura econômica que enfrentam, em vez de um objectivo de longo prazo.

Moral da história: coloque a inovação como uma prioridade e isso vai impulsionar o crescimento do seu negócio. Coloque a inovação como uma prioridade e você vai atrair e reter os melhores talentos. Inovação é a plataforma que irá criar os resultados que os CEOs desejam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário