Total de visualizações de página

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Nova parceria visa colaboração inglesa para sustentabilidade na Copa 2014 Governo do Distrito Federal realiza primeira reunião pública com organizadores das Olimpíadas de Londres visando projetos com "selos verdes"

O parque aquático que será usado nas Olimpíadas de 2012 foi todo construído com projetos verdes
Tema do momento, a sustentabilidade foi o centro da discussão de ontem entre o Comitê Organizador Brasília 2014 e o diretor de Sustentabilidade e Regeneração Urbana dos Jogos Olímpicos de Londres/2012, Dan Epstein. O encontro foi o primeiro resultado da parceria entre o Governo do Distrito Federal (GDF) e a Embaixada da Inglaterra para a troca de experiências sobre a realização de grandes eventos com selo verde.

“Queremos que a Copa de 2014 seja considerada o ‘evento da sustentabilidade’. Esse pode ser também o primeiro passo para elaborarmos um acordo de cooperação técnica, que terá, provavelmente, o nome Londres e Brasília: cidades irmãs por uma Copa do Mundo Sustentável”, anunciou o governador Agnelo Queiroz, na abertura da reunião.


Segundo Vicente Castro Mello, coautor do projeto do Estádio Nacional de Brasília, a diminuição dos custos por meio dos projetos verdes chega a uma economia anual de mais de R$ 7 milhões.

Pelos modelos de Londres, a principal ênfase de Epstein foi a utilização das construções no futuro. “Vocês podem fazer um estádio maravilhoso, mas se não o usarem nunca mais, terá sido uma perda de tempo”, afirmou o inglês. “Vamos entregar nosso produto final um ano antes dos Jogos, com tempo para testar todas as obras. Mas o mais importante é que elas poderão ser usadas nos 100 anos seguintes”, destacou o diretor de sustentabilidade.

Possibilidade de redução
Uma das medidas para evitar o pouco uso das obras inglesas foi a construção de um estádio olímpico de 85 mil lugares, mas com uma estrutura superior e que poderá ser removida após os Jogos, reduzindo assim o espaço para 25 mil lugares. Para se ter uma ideia, o novo Mané Garrincha está sendo preparado para comportar 70 mil pessoas.

“Queremos aprender com os erros dos outros para fazer o melhor”, ressaltou o secretário executivo do Comitê Brasília 2014, Cláudio Monteiro. A sugestão de Dan Epstein foi que as discussões sejam logo colocadas em prática. “Vocês precisam decidir como vão lidar com o trânsito, os serviços públicos, a capacitação de novos profissionais. Transformem os objetivos em metas e pensem em como alcançá-las”, apontou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário