Total de visualizações de página

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Experimentar ou experienciar

Nunca comi, mas não gosto. Esta frase é muito ouvida pelos pais quando tentam fazer com que os filhos provem uma comida diferente. E forçá-los a comer é tempo perdido,
Corbis Image
pois provarão já decididos de que não irão gostar.
Este comportamento muitas vezes faz com que as crianças percam a oportunidade de conhecer algo muito bom. Ma será que as crianças são pouco inteligentes para perderem oportunidades? Pouco inteligentes elas, certamente, não o são. A questão que está subjacente a esta postura é o medo de sair da zona de conforto, é o medo do novo.
Como podemos ver, esta postura praticamente já nasce conosco. Até aí não há problema algum. O problema aparece quando nos comportamos assim o resto de nossas vidas. O medo do novo, a insegurança de sairmos de nossa zona de conforto são ingredientes que, com o passar do tempo, nos levarão à fossilização, ao descompasso com o mundo e, por fim, à estagnação. Novamente, isto não é um grande problema quando esta postura afeta apenas a nossa pessoa. O problema de fato aparece quando um comportamento como este afeta outras pessoas, por exemplo, aquelas da empresa onde trabalhamos. Neste caso, o fato de não gostarmos daquilo que sequer provamos poderá levar a empresa a fechar as suas portas. Claro, num mundo em constante mudança, ficar parado, fossilizado, certamente não é uma conduta inteligente.
Para se manter uma empresa viva e na liderança do seu setor, quem nela trabalha deve estar constantemente descobrindo o que há de novo no mundo que a cerca assim como o mundo mais além do de sua comunidade. Isto, apesar de ser altamente positivo, por si só não é o suficiente. É preciso ter a coragem de pôr em prática novas idéias, sejam elas suas ou de outros. Isto poderá fazer toda a diferença. Mas é necessário tomar cuidado com um detalhe bastante sutil. Não basta experimentar, é preciso experienciar. E qual é a diferença?
Embora não pareça, ela é muito grande. Enquanto que experimentar é apenas fazer um teste, provar uma amostra, experienciar é viver uma nova realidade. E para viver uma nova realidade é indispensável que ela seja criada. Seria a diferença entre fazer uma viagem como turista a um país e morar e trabalhar nele por algum tempo.
Por vezes, tomamos conhecimento de algo novo, seja uma ferramenta, metodologia ou tecnologia que esteja sendo empregada com sucesso por uma outra empresa ou mesmo um novo conceito apresentado em um livro ou seminário. É muito comum, nestes casos, negarmos o fato, pois esta novidade poderá vir a nos tirar da nossa zona de conforto. Contudo, se recebemos uma ordem para implantar esta novidade, mesmo contra nossa vontade, fazemos um pequeno teste, ou melhor, experimentamos. Neste instante, aquela nossa birra de criança costuma vir à tona e, então, fazemos de tudo para mostrar que esta nova idéia não funciona. E agindo assim, conseguimos o nosso intento. Aí dizemos com prazer – Eu sabia que não daria certo.
Assim sendo, para evitar que uma grande oportunidade seja perdida, o caminho que nos resta é experienciar a nova idéia. Para tanto, devemos buscar um aliado que esteja disposto a implementar este projeto. Alguém mais aberto e que queira que ele tenha sucesso. Na medida em que a implementação for ocorrendo, deve ser dada ênfase aos aspectos positivos desta experiência de maneira que as barreiras contra ela, paulatinamente, sejam dissipadas, o que permitirá uma análise isenta dos verdadeiros resultados de sua implementação. Claro que, se os resultados forem bons, a implementação deve ser ampliada. Caso isto não venha a ocorrer, a experiência deve ser abortada, pois agora temos certeza de que a novidade não nos interessa.
É fato que experimentar é muito mais rápido e fácil do que experienciar, porém os resultados são muito diferentes. A questão que se coloca é: não adianta contrariar as nossas birras que estão arraigadas em nossa mente, mas sim criar as condições para que o ato de experimentar seja substituído pelo de experienciar. Então veremos que os resultados serão muito mais interessantes. Quem duvida, é só experienciar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário