Total de visualizações de página

sábado, 16 de abril de 2011

EDENRED VIDEO INDIA MUMBAI PRESS CON..mov

ExpendiaSmart, la piattaforma multiapplicativa per il controllo delle sp...

Expendiasmart: la suluzione per un futuro più semplice!

Smart Solutions Edenred

Edenred Ticket Video Italy, il party dei desideri

Prima Convention nazionale Edenred

Accor Services devient Edenred

NYSE Euronext welcomes EDENRED - Listing on NYSE Euronext - Paris 2 Ju...

Fórmula Truck 2011 2ª Etapa Rio de Janeiro-RJ - Equipe Ticket Car.mpg

Midia News | Economia | Lobão diz que Petrobras deve criar estoque para etanol

Midia News | Economia | Lobão diz que Petrobras deve criar estoque para etanol

Alternative Fuel

The problem of environmental protection is one of the primary concerns of the contemporary society because the pollution of the environment threatens to the future generations of all people and the survival of the mankind at large.

The search of alternative sources of energy and alternative fuel is one of the priorities in thedevelopment of preventive measures targeting at the protection of the environment from the further pollution and ongoing deterioration of the environmental situation. At the same time, it is necessary to analyze positive effects of the wide implementation of alternative fuelsand assess the extent to which they may be effective.

First of all, it should be said that the introduction ofalternative fuels and thedevelopment of alternative sources of energy is vitally important for the survival of humans. In actuality, the modern world is highly dependent on fossil fuels, such as oil and gas. The modern industry and transport cannot function normally without the use of fossil fuels since there are no alternatives that can totally substitute them at the moment. At the same time, fossil fuels are the major source of the pollution of the environment because the use of fossil fuels leads to the emission of CO2 and other gases and dangerous elements that pollute air and environment at large. Consequently, the more people use fossil fuels the more they pollute their environment. Hence, the only logical solution of the problem of the protection of the environment is the minimization of the use of fossil fuels and the total ban of the use of these fuels. But this measure will need the use of alternative fuels and sources of energy.

However, there is another reason determining the necessity to develop new,alternative fuels and sources of energy. To put it more precisely, fossil fuels are scarce resources. Therefore, there is a limited quantity of fossil fuels on the planet and their substitution by alternative fuels is simply inevitable. In such a situation, the major problem is the search of effective alternative fuels that could be widely used in the world. Basically, the major alternative to the fossil fuels polluting the environment is considered to be electricity, which may be generated using alternative fuelsand sources of energy. In this respect, it is possible to name a variety of alternative sources of energy, but many of them have certain limitations in the practical implementation.

For instance, it is possible to name the solar energy as an alternative source of energy which could transform the solar power and generate electricity. However, the major problem is the lack of the sufficient amount of solar energy in some regions (Deudney and Flavin, 112). For instance, in Northern regions, the amount of solar energy is consistently lower compared to Equatorial regions. Consequently, the use ofsolar energy in Northern regions will be limited. Also, it is possible to use the wind power as a source of energy. Basically, the wind power may be used to generate electricity similarly to the solar power, but it also has its own limitations because it is dependent on the environmental situation, i.e. on the wind.

However, it is necessary to underline that both alternative sources of energy named above can generate the electricity that may be used in industry as well as intransport and satisfy practically all needs of people, naturally, on the condition that the sufficient amount of electricity is generated. In this respect, it is worth mentioning the fact that many car manufacturers have launched programs of the development and production of hybrid cars, which use alternatives, such as hydrogen, but the most widely spread source of energy for hybrid cars is electricity.

Potentially, the wide use of the alternative sources of energy and fuels will reduce the amount of emissions of dangerous gases and the pollution of the environment substantially. In addition, it is possible environmentally friendly technologies which can minimize the impact of humans on their environment. For instance, it is possible to use ground heat for heating buildings, instead of conventional heating systems. On the one hand, this will reduce the consumption of fossil fuels, while on the other hand, the ground heat does not require the use of any natural resources, but it exchanges the heat between a building and ground, minimizing interference of humans in nature.

Thus, it is possible to find various alternative sources of energy and alternative fuels which are environmentally friendly. However, they can hardly totally substitute fossil fuels in the modern world.

You might be interested in

Arábia Saudita reduz produção de petróleo

A Arábia Saudita - maior produtor mundial de petróleo - cortou a produção em 500 mil barris por dia, revertendo o aumento anterior, ocorrido em resposta à crise na Líbia, informaram fontes familiarizadas com o assunto. No fim de fevereiro, o país aumentou a produção para aliviar as preocupações do mercado.

A medida foi uma resposta à paralisação das exportações de petróleo da Líbia devido à turbulência política no país. A redução, confirmada hoje por uma autoridade saudita, leva a produção do país para cerca de 8,5 milhões de barris por dia.

A Arábia Saudita observou um interesse limitado dos compradores pelo petróleo adicional, em parte devido aos preços elevados e à reduzida demanda japonesa após o terremoto que atingiu o país, no dia 11 de março. As informações são da Dow Jones.

Ontem, o FMI (Fundo Monetário Internacional) destacou o risco que o atual ritmo de alta dos preços do petróleo e de outras matérias-primas pode representar para a recuperação da economia global.

Conflitos no Oriente Médio e norte da África - especialmente na Líbia - ajudaram a impulsionar o valor do petróleo para os maiores níveis em dois anos e meio. Para o FMI, essa situação representa uma nova ameaça, devido à possibilidade de choques de preços de matérias-primas.

A fonte disse esperar que haja progresso no G20 (grupo formado por representantes de países ricos e dops principais emergentes) sobre as "diretrizes indicativas" para países específicos lidarem com desequilíbrios econômicos globais.


Petróleo sobe a US$ 109,66 puxado por dados dos EUA

NOVA YORK - Os preços dos contratos futuros do petróleo fecharam em alta, após indicadores divulgados nos EUA sugerirem que os consumidores estão mais otimistas em relação à economia e que a produção industrial no país ganhou força.

O preço do contrato do petróleo para maio negociado na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) subiu US$ 1,55, ou 1,43%, para US$ 109,66 por barril, mas caiu 2,74% na semana. Na plataforma ICE, o contrato do petróleo tipo Brent para junho avançou US$ 1,45, ou 1,18%, para US$ 123,45 por barril, mas recuou 2,52% na semana.

A Universidade de Michigan divulgou que seu índice preliminar de sentimento do consumidor dos EUA subiu para 69,6 em abril, de 67,5 em março, resultado que superou as estimativas de analistas, de alta para 68,0. Além disso, o banco central americano informou que produção industrial cresceu 0,8% em março na comparação com fevereiro, acompanhada por um aumento no uso da capacidade para 77,4%, de 76,9%.

Os dados ajudaram a afastar os receios de que os preços elevados dos combustíveis estariam prejudicando a recuperação da economia. "É uma combinação dos dados que recebemos com cobertura de posições vendidas", disse o corretor Rich Ilczyszyn, da Lind Waldock. Ele acrescentou que os eventos nos países árabes deixaram os investidores com receio de manter suas posições durante o final de semana.

Analistas acreditam que os confrontos na Líbia e as tensões na Nigéria estão garantindo suporte para os preços do petróleo e que operadores retiraram dinheiro do mercado por causa da eleição presidencial na Nigéria, que deve ocorrer no sábado em meio a um surto de violência no país. As informações são da Dow Jones.

GPS Vehicle Tracker in Fleet Management57

GPS Vehicle Tracker in Fleet Management

57
rate this pageTweet this

By lifewit

For businesses and organizations running a fleet, effective management of drivers and vehicles out on the road can be time consuming and almost a futile task. This can make vehicle operations and maintenance command a huge part of their budget.

With rising fuel prices and maintenance costs, vehicle utilization is of great concern. It is therefore becoming increasingly necessary for any business or organization with vehicles deployed out in the field to invest in GPS fleet management solution.

GPS Vehicle Tracker Use

The primary objective of a fleet management solution is to increase efficiency and to control overall cost of operating and maintaining vehicles and to accomplish these, technology is the way to go. GPS vehicle tracking is the ultimate fleet management solution that allows you to easily take control of your fleet and drivers by giving you a much deeper insight in their operations.

By just a click of a mouse you can view your entire fleet from one screen and watch your vehicles move turn by turn and be able to see their status e.g traveled routes, start/stop locations and times, current location, speed, direction of travel plus a host of other actionable reports.

These vehicle operation reports deliver a full profile of the vehicle use pattern of each driver giving you a great tool to measure performance. This can be very useful in helping set standards as well as make better, faster decisions that will increase your bottom line.

GPS Vehicle Tracker Advantages


Would you risk a lot for a little? That is exactly what you could be doing if you do not put GPS vehicle tracking system in place. Not buying a vehicle tracking system in the belief that you are saving money is false, in fact, by not being able to monitor your vehicles, you risk everything.

Without it, too much is left to chance because you cannot measure what you don't monitor. You will therefore not be able to clearly quantify the strengths and weaknesses of your fleet and could end up spending a lot of money in running costs that may arise from the unknown.

The monitoring functions of a GPS vehicle tracking system are among the most important elements of making return on investment of vehicles an achievable goal and is an invaluable tool that should be seen as a complimentary item in your business plan.

It is best for three basic purposes,

  1. Saving on operations and maintenance costs
  2. Increase in efficiency and productivity
  3. Security and protection

You therefore need to invest in GPS vehicle tracking system not only to make your financial goals achievable but to also protect your assets. Don't wait for a crisis to know what is best for your fleet, there is just no substitute to it and the sooner you implement it the better.

Localiza faz evento para investidores em Londres e NYC

Localiza faz evento para investidores em Londres e NYC

Gasolina custa 67%a mais

Variação ocorre apesar de sair das refinarias da Petrobras 25% mais barato do que de uma refinaria americana

Rio/Fortaleza O litro da gasolina custa, em média, US$ 1,73 em São Paulo, valor aproximadamente 70% maior do que o cobrado em Nova York e 105% maior do que na Rússia, um dos países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Os dados são da Airinc, consultoria americana especializada em preços a nível global. Levando o preço para Fortaleza a conta seria de US$ 1,65, com a proporção caindo para quase 67% do preço cobrado naquela cidade norte-americana.

Apesar de sair das refinarias da Petrobras 25% mais barato do que de uma refinaria americana, o produto chega ao consumidor muito mais caro do que em qualquer posto de revenda de lá. A carga tributária no País representa 57% do valor do litro do combustível, perdendo apenas para os países europeus, onde a política de desestímulo ao uso de carros puxa para 70% o tributo sobre a gasolina.

A pesquisa considera a cotação do dólar em R$ 1,67. Sendo assim, o preço médio do litro do combustível na capital paulista foi de R$ 2,89 (R$ 2,76 na Capital cearense). No ranking das Américas, o Brasil possui o maior preço entre seus vizinhos, todos com tributação menor. Na Venezuela, os fortes subsídios fazem com que o litro da gasolina custe US$ 0,01, o mais barato do mundo. Neste ranking mundial, países com reservas gigantes, como Arábia Saudita e Líbia, estão entre os que têm preços mais baixos, respectivamente com US$ 0,11 e US$ 0,14. Os maiores preços estão na Turquia, com o litro da gasolina custando US$ 2,54.

Saiba como aproveitar o combustível no seu veículo

A gasolina em Fortaleza chega a R$ 2,89. O etanol, mais barato, R$ 1,99. A tendência é que o preço da gasolina suba ainda R$ 0,08, no início da próxima semana, conforme O POVO adiantou em matéria no dia 13 de abril.


Em tempos de preços maiores, com estimativa de alta, o consumidor pode protestar, mas pode também utilizar melhor o veículo, a fim de render melhor o combustível.O POVO dá as dicas.


Importante manter a aceleração regular e não acelerar até o limite máximo para frear. Deixar o veículo seguir em “ponto morto” desligado, aumenta o risco de acidentes e não economiza um suspiro de combustível.


O conta-giros do carro não é só enfeite. O macete é trocar de marcha só quando atingir a rotação máxima de 2 mil giros, no máximo, ou 1,5 mil, no mínimo. Isso melhora a faixa de consumo e reduz a quantidade de poluentes emitidos.


Semanalmente, é necessário calibrar os pneus, mas sempre com a pressão (libras) recomendada pelo fabricante. Essas orientações estão no manual do proprietário. Mas uma coisa é certa: pneus mais largos e sistema de alimentação alterado, como descargas e filtros mais “esportivos”, têm um custo maior, sim! É combustível jogado fora.


Acima de tudo, é necessário conhecer o carro que anda, saber seus limites e suas respostas. Não se perde nada em fazer calcular quantos litros seu automóvel está consumindo por quilômetro. Quando essa média estiver muito fora do padrão, melhor procurar uma oficina especializada.


O uso do ar-condicionado no Ceará é indispensável. Dá mais conforto. Dá mais gasto também. Aumenta cerca de 20% o consumo.


Mais gasto

Atenção! Tanque sempre cheio transporta mais peso e tem maior consumo, consequentemente. O ideal é andar com meio tanque, e deixar baixar até no mínimo do volume de combustível. Mas é necessário observar se isso acontece no seu carro.

Transporte de peso morto, como mochilas e malas da última viagem aumentam consideravelmente o consumo, principalmente em uso urbano; é quando o veículo gasta muita energia (combustível) para romper a inércia. (colaborou Alcides Freire)

Por quê


ENTENDA A NOTÍCIA


O consumidor pode reclamar, denunciar presso abusivo, deixar de abastecer em algum posto, andar de ônibus por uns tempos, fazer campanha na internet. Mas, para os preços caírem, o setor produtivo e o governo têm que agir, e rápido.

Como gerir as empresas em tempos de internet? O “manda quem pode, obedece quem tem juízo” pode estar com os dias contados

Imagine que um funcionário de sua empresa tenha uma ideia interessante para propor. A quem você acha que ele a levaria? Ao chefe? Este –com raras exceções– provavelmente responderia: “Volte ao trabalho”? Com a web, no entanto, as organizações têm novas maneiras de explorar esse tipo de inovação e inteligência de cada um de seus membros. Essa é uma das lições de Gary Hamel, que está criando o primeiro laboratório independente de management do mundo na Califórnia, o MLab.

Em entrevista exclusiva a HSM Management, Hamel afirma, por exemplo, que a web, por ser adaptável, impressionantemente inspiradora e capaz de envolver as pessoas, constitui um showroom das qualidades necessárias dentro das organizações de negócios. No caso acima, se a pessoa deixar sua sugestão online, a avaliação da ideia não dependerá do chefe ou de questões políticas e operacionais; os próprios pares poderão ver a sugestão e perceber como é simples. É um novo horizonte de gestão que se desenha.

As práticas de gestão da era industrial não são as mesmas necessárias para o século 21. Que princípios e práticas de gestão são exigidos hoje?
Para entender isso, podemos observar a web. A gestão era a tecnologia social mais importante do século 20; aprendemos a unir as pessoas, produzir em escala e de modo perfeitamente replicável, com eficiência crescente, disciplina e foco. Tudo isso ainda é importante.

Agora, porém, vivemos em um mundo em que as empresas precisam ter capacidade de adaptação bem maior, ser inovadoras na nova economia criativa, e os princípios e processos centrais que herdamos da era industrial não são suficientes. A web é adaptável, impressionantemente inspiradora e capaz de envolver as pessoas. De muitas maneiras, ela ilustra e demonstra as qualidades necessárias dentro das organizações.

Quais seriam essas qualidades?
A arquitetura da gestão tradicional parte do centro para a extremidade: a autoridade está no centro e, conforme se desce na hierarquia, restam os que fazem, não os que pensam. A arquitetura da web é bem diferente: é construída de uma extremidade à outra. Talvez a melhor analogia a que eu possa recorrer sejam os velhos sistemas de telefonia: toda a inteligência era determinada pela central telefônica. Se você queria agregar novas funções, tinha de reprogramar a central. Em muitos casos, se você quer mudar a empresa, precisa reprogramar a área central, a maneira como os chefes pensam, o que é bastante difícil.

O que é estimulante quando se observa a internet é descobrir um modo de unir as pessoas, aproveitar sua inteligência e sua criatividade, para fazer coisas incrivelmente complexas. Isso com base em fatores como transparência, flexibilidade, abertura, colaboração, meritocracia e assim por diante. Acredito que há mais do que uma oportunidade de desenvolvermos organizações baseadas nesses novos princípios, que sejam bem mais capazes do que as dos últimos cem anos.

O que muda no trabalho diário das pessoas?
O trabalho real de criar valor continua o mesmo em qualquer empresa, seja atendendo um cliente, limpando o quarto de um hotel ou desenvolvendo um software. Nesse sentido, muitas funções não mudarão. O que realmente passará por transformações é a maneira como se realiza a gestão, como se estabelecem as prioridades, como se faz a coordenação. Um hotel, por exemplo, é um ambiente com muitas oportunidades de inovação, mas elas nunca se concretizam porque as pessoas que fazem o trabalho rotineiro não são vistas como inovadoras. Pense nos produtos que os hotéis deixam no boxe ou ao lado da pia. Os rótulos são tão pequenos que dificultam a leitura.

Imagine que alguém pense consigo mesmo: “Por que não colocamos um grande X para xampu e um C para condicionador?”. A quem levaria a ideia? Ao chefe? Ele responderia: “Volte para o trabalho”. Com a web, temos maneiras de explorar esse tipo de inovação e inteligência de cada funcionário. Se a pessoa deixar sua sugestão online, a avaliação da ideia não dependerá do chefe; os próprios pares poderão ver a sugestão e perceber como é simples. A web não vai mudar tudo no modo como trabalhamos, mas dará a cada funcionário da organização, independentemente de sua posição, a oportunidade de contribuir e influenciar de uma forma que não era possível antes.

Então, o gestor de uma unidade de negócios pode começar a dizer aos funcionários: “Sobre isso, vocês decidem”. Mesmo assim, deve ter seu planejamento de 12 meses, metas individuais, sistema de bônus...
Essa é uma ótima observação. Vamos colocar assim: pense em “o quê” e “como”. “O quê” não muda muito. O gestor vai continuar a ter planejamento, metas e algum método de mensuração e controle. “Como”, entretanto, pode mudar bastante. Como líder, continuarei precisando de meu planejamento de 12 meses, mas a questão é como desenvolvê-lo. Historicamente, o planejamento, a estratégia e os padrões são criados por poucas pessoas, geralmente no topo da organização. Hoje o que alguns líderes estão fazendo, como na IBM, é convidar profissionais de fora para ajudá-los na definição da estratégia. Acredito, portanto, que as mudanças afetem menos “o quê” do que “como”, ou seja, fazer essas coisas de modo a envolver mais as pessoas e ser mais transparente.

Deixe-me dar pequenos exemplos do que podemos começar a mudar. O Google é desenvolvido com base em um ranking de links de site, dos mais acessados para os menos. No site da Amazon, há um grupo de top reviewers (resenhadores principais). Como você se torna um deles? Fazendo muitas resenhas que outras pessoas considerem úteis. Isso acontece de baixo para cima, não é o presidente da empresa que indica você para participar desse grupo.

Aproveitando essa ideia radical, como construir um sistema na organização em que todos os que ocupam posição de liderança sejam pessoas que os outros desejem genuinamente seguir? O desafio é ser revolucionário e evolucionário, mudar automaticamente a maneira como as pessoas conquistam o poder e o usam. Este é o desafio quando observamos como temos de mudar: sermos revolucionários em nosso pensamento e evolucionários na execução.

E o processo de contratação?
Há algum novo modo de procurar pessoas adaptadas a esse novo estilo de gestão? O processo de contratação é um campo muito interessante, no qual se encontra muita inovação. Quando um candidato passa pelos testes iniciais, o melhor a fazer é colocá-lo para trabalhar com a equipe por um ou dois meses e pedir que seus membros decidam, por maioria absoluta de votos, manter ou não a pessoa. Idealmente, todo mundo em uma organização deveria poder dizer “Eu contratei você” ou “Você me contratou”, com um senso de responsabilidade recíproca.

O processo de recrutamento tradicional não fornece uma visão realmente boa sobre quão colaborativo é um indivíduo e quanto valor vai agregar. Se eu estivesse entrevistando alguém hoje, provavelmente minha primeira questão seria: “O que você fez ao longo de sua vida? No que sente que teve maior impacto, mesmo sem ter autoridade formal?”. Não quero que ele diga o que fez em seu último emprego como vice-presidente ou diretor de uma divisão da empresa, e sim que identifique uma época em que não teve autoridade hierárquica e alcançou algo extraordinário. O que me importa é: “Quando você foi capaz de mudar as coisas por meio da motivação, inspirando as pessoas e criando um ambiente de trabalho melhor?”.

Você e parceiros criaram a iniciativa –e o site– Management Innovation eXchange (MIX) com o objetivo de reinventar a gestão. A que vem esse manifesto?
Essencialmente, acreditamos que a gestão –as ferramentas que utilizamos para mobilizar e coordenar os recursos humanos – é uma das mais importantes tecnologias sociais que os seres humanos já inventaram. Muitas pessoas enxergam a gestão como algo chato. Contudo, trata-se de uma importante ferramenta social, que eu chamo de tecnologia das conquistas humanas. O que podemos fazer como espécie, os problemas que somos capazes de resolver, a diferença que conseguimos fazer, tudo isso é limitado pelas ferramentas de que dispomos para unir as pessoas.

Portanto, nossa visão é a de que a gestão precisa ser reinventada em função dos desafios que enfrentamos atualmente. Já está ocorrendo uma extraordinária inovação da gestão em todo o mundo, em empresas nas quais muitas vezes não se esperaria que acontecesse. No entanto, historicamente, a maneira como documentamos e disseminamos essa inovação tem sido muito desordenada e, com o MIX, criamos uma plataforma para reunir tudo isso, a primeira plataforma aberta de inovação em gestão. No site www.managementexchange.com postamos desafios fundamentais, os “management moonshots”, e pedimos que pessoas de todo o mundo compartilhem as coisas que fizeram ou que estão em andamento ou simplesmente as ideias que têm.

Reinventar a gestão é importante demais para que fique só por conta dos especialistas, como “gurus” e presidentes de empresas. Tem de ser feito por pessoas ao redor do mundo nos dois, três ou quatro níveis inferiores da hierarquia que estão tentando algo novo e que compartilhem isso. Portanto, estamos usando os poderosos princípios do desenvolvimento de softwares de plataforma aberta para reinventar a maneira como lideramos, gerimos, organizamos e planejamos essas tecnologias sociais importantes.

E a base para criar o MLab na Califórnia é similar... Nessa transformação, quais as barreiras mais significativas?
A maior barreira para fazer essa transformação fundamental são os vastos interesses do velho modelo. Quem ocupa uma posição sênior na organização e acumulou poder valendo-se da autoridade burocrática pode se sentir desconfortável com uma gestão diferente, sobretudo em um cenário em que aumentar a autoridade dependerá não do cargo, mas da habilidade de inspirar e colaborar. Acredito, porém, em formas de coaching e de encorajar as pessoas a liderar de maneiras novas. Mas vai ser difícil.

Vários líderes já compreendem que os desafios que enfrentam ultrapassam sua capacidade individual, tanto intelectual como de liderança. Os desafios são extremamente complexos e o mundo está mudando muito rápido. A ideia de distribuir as tarefas da gestão para maior número de ombros, para mais pessoas, possui certo apelo, porque enfrentar esse desafio sozinho é demais para um só suportar.

A gestão a que o sr. se refere inclui a liderança?
Penso que, muitas vezes, a distinção entre liderança e gestão é usada para justificar privilégios. Não faço mais essa distinção entre líder e gestor. O que quero é um modelo em que as pessoas assumam posiçõesde liderança porque outras desejam segui-las – assim como acontece na web.

A que “management moonshots” o sr. daria prioridade?
No topo da lista deve estar a confiança. O engajamento dos funcionários é bem baixo na maioria dos países e isso ocorre porque eles não confiam em seus líderes. O segundo ponto seria como desenvolver organizações que pareçam comunidades e não burocracias. Por milhares de anos, vivemos com base na comunidade (a família ampliada, a vila), mas perdemos isso quando passamos a assumir papéis especializados. É hora de nos reconectarmos.

Inovação

Inovação em alto e bom som

O que faz da Solar Ear uma das dez empresas mais criativas do Brasil

Por Bruno Galo

Recentemente, o empreendedor canadense Howard Weinstein, que vive em São Paulo, recebeu a informação de que sua empresa, a Solar Ear, foi escolhida pela badalada revista americana Fast Company como uma das dez organizações mais inovadoras do Brasil. A notícia deixou o empresário orgulhoso, especialmente pelo fato de que sua pequena companhia – tem apenas 30 funcionários – figurou no ranking junto com corporações do porte de Natura, Embraer e Petrobras. O que a colocou nesse seleto grupo foi o sucesso de seu aparelho digital de combate à surdez, que inovou no mercado ao usar baterias recarregáveis por energia solar ou luz elétrica.

Outro ponto que o diferencia é o preço, muito menor que o da concorrência, permitindo assim o acesso por consumidores de baixo poder aquisitivo. O kit Solar Ear é vendido por R$ 300, valor bem inferior ao de outras marcas, que custam a partir de R$ 2 mil. Comercializado em mais de 30 países, o aparelho ainda não está disponível no País porque aguarda liberação por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “Estamos há mais de um ano esperando a aprovação”, diz Weinstein.
17.jpg
Howard Weinstein: aparelho contra a surdez que usa energia solar para recarregar bateria é vendido em 30 países
A relação do canadense com o Brasil começou há sete anos, quando ele veio ao País dar uma palestra. Recém-separado na ocasião, Weinstein conheceu uma fonoaudióloga brasileira e se mudou para cá. A Solar Ear, definida por ele como uma “empresa sem fins lucrativos e voltada para questões humanitárias”, nasceu em 2009. O projeto foi fruto de uma parceria entre a ONG Instituto Cefac, voltada a ações na área de saúde e educação, e a fundação filantrópica americana Lemelson.
Para criar o aparelhinho, a Solar Ear recebeu ajuda de engenheiros e pesquisadores do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), da Universidade de São Paulo. O detalhe é que a tecnologia desenvolvida não foi patenteada. “Se alguém quiser copiar nosso modelo, será muito bem-vindo”, afirma Weinstein. Isso porque, diz o empresário, seu objetivo é levar sua invenção para o maior número possível de pessoas no mundo inteiro.

Itaú compra 49% do Banco Carrefour

O Itaú Unibanco surpreendeu o mercado e comprou 49% do Banco Carrefour, por R$ 725 milhões. Até então, o favorito nas negociações era o Bradesco. Segundo o diretor corporativo e de controladoria do Itaú, Rogério Calderón, o maior interesse do banco com a aquisição é ampliar sua presença no financiamento ao consumo. "A compra também reafirma nosso compromisso com a baixa renda", disse.

O Itaú Unibanco vai pagar os R$ 725 milhões em dinheiro e à vista, segundo Calderón. O Carrefour mantém o controle do banco, com 51% do capital, mas a gestão será compartilhada. O Itaú terá executivos na diretoria e no conselho do banco, disse o executivo, sem dar mais detalhes. "O Carrefour tem todo o interesse em nossa participação na gestão. Somos um banco e podemos ajudar a rede a alavancar as vendas."

O principal produto do Banco Carrefour é o cartão de crédito, seguido por seguros. Calderón disse que o modelo de negócios será mantido, mas não descartou a inclusão de novos produtos e serviços financeiros para serem oferecidos nos 163 supermercados do Carrefour no País.

A compra da participação não altera as projeções do Itaú para sua carteira de crédito ao consumo de 2011, segundo o executivo. A operação depende ainda da aprovação do Banco Central.

Disputa. Esta é a segunda vez que o Itaú atropela o Bradesco em uma negociação que se torna pública desde a fusão com o Unibanco, que o tornou o maior banco privado do País. Em 2009, o Bradesco estava negociando uma associação com a Porto Seguro, mas foi o Itaú quem acabou fechando a operação. Na época, as negociações com o Bradesco não avançaram porque o banco queria ter poder de veto nas decisões, entrando em discordância com a Porto Seguro.

No caso do Carrefour, o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, chegou a afirmar, em março, em entrevista ao jornal inglês Financial Times, que a compra do banco da rede de supermercados "estava escrita nas estrelas". Na avaliação de Trabuco, segundo a reportagem do FT, os supermercados se transformaram em shoppings centers e é essencial para um banco estar presente nesses locais. Procurado pela Agência Estado, o Bradesco não comentou o assunto.

Para analistas, ao comprar 49% do Banco Carrefour e garantir exclusividade na distribuição de produtos financeiros nos 163 supermercados da rede, o Itaú amplia ainda mais sua liderança no mercado de cartões e no varejo. O Carrefour tem 7,7 milhões de cartões emitidos e uma carteira de crédito de R$ 2,2 bilhões. "No setor de varejo, especialmente no de supermercados, o Itaú ficou com as maiores redes", disse o analista de bancos Luis Miguel Santacreu, da Austin Ratings. O banco tem acordo com o Pão de Açúcar (que inclui a rede Extra) e Walmart (por meio do cartão HiperCard), além da Lojas Americanas. Além disso, tem acordos com Magazine Luiza e Ponto Frio.

De acordo com o analista Daniel Malheiros, da Spinelli, o Itaú avaliou o Banco Carrefour em patamares semelhantes aos da própria instituição. "O valor pago parece justo diante da concorrência em torno do ativo e dos potenciais ganhos de sinergia que o negócio pode trazer", disse.

O Banco Carrefour está capitalizado, mas tem inadimplência bem acima da média. Em dezembro, o indicador estava em 15%, considerando os atrasos superiores a 60 dias.

Em 2010, o Banco Carrefour lucrou R$ 155 milhões. Os ativos totais somaram R$ 2,8 bilhões. Para o Itaú, que tem ativos de R$ 755 bilhões, a aquisição pouco altera o número. "O Itaú comprou a capacidade do Banco Carrefour de gerar negócios futuros", destaca Santacreu.