Total de visualizações de página

domingo, 17 de abril de 2011

Adulteração da gasolina danifica carro e gera gastos para o motorista

Adulteração da gasolina danifica carro e gera gastos para o motorista

Almir desconfiava, mas nem pediu para fazer o teste da gasolina / Foto: Fabiana Paiva
Andréa Machado e Fabiana Paiva
Tamanho do textoA A A

Partidas com solavancos, consumo de combustível acima do normal, falhas no funcionamento do motor e menor rendimento e desempenho do veículo podem ser sinais de que o produto comprado foi adulterado. Um perigo para o automóvel, já que gasolina ou etanol batizados podem causar sérios danos ao veículo e diminuir a vida útil do motor.

Se isso acontecer, o motorista é duplamente prejudicado. Primeiro, porque pagou por um produto e foi enganado. Depois, porque as chances de o carro começar a dar problema aumentam consideravelmente. Caso o carro comece a demonstrar defeitos, o motorista deve ir logo ao mecânico fazer uma revisão. Dependendo da gravidade e do nível da adulteração, é necessário retirar o combustível, limpar o tanque e substituir os filtros.

Comunicar o fato

O consumidor que suspeitar da qualidade do combustível deve comunicar o fato à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Para isso, basta ligar para o 0800-9700267. Quanto mais informações o cliente tiver — CNPJ, razão social, endereço, distribuidora e a descrição do ocorrido —, melhor. Para isso, é bom ter a nota fiscal.

O aposentado Almir Batista, de 61 anos, desconfia de postos com preço muito baixo, mas, nunca fez o teste:

— Não confio na qualidade, mas o carro é flex. Nem costumo pedir o teste.