Total de visualizações de página

sábado, 30 de abril de 2011

Alagoas troca experiências sobre gestão de frotas e políticas de combustíveis

A Secretaria de Estado da Administração e dos Recursos Humanos do Rio Grande do Norte enviou a Alagoas dois servidores públicos com o objetivo de obter informações e trocar experiências sobre as ações positivas de gestão de frotas e políticas de combustíveis praticadas em Alagoas.

Durante visita à Agência de Modernização da Gestão de Processos (Amgesp), o diretor-presidente Francisco Beltrão concordou com a manutenção do diálogo através da formação de um grupo de trabalho composto por estados do Nordeste, que realizará reuniões periódicas com o apoio do Conselho Nacional de Secretários de Estado da Administração (Consad), responsável pela interlocução entre os vários estados da Federação.

Além de Alagoas, os servidores públicos do Rio Grande do Norte já visitaram os estados da Paraíba, Pernambuco e Sergipe.

Economia Redecard habilita 23 mil com celular para atingir classe C

Folha Online

A processadora de transações com "dinheiro de plástico" Redecard já habilitou 23 mil vendedores ou prestadores de serviços a usar celulares em "maquininhas de cartão de crédito", como estratégia para atingir a classe C. O público-alvo são profissionais autônomos, como taxistas ou profissionais liberais de saúde.

"O número é incipiente em relação ao nosso parque de 1 milhão de maquininhas, mas mostra o nosso compromisso em expandir essa operação", disse o diretor-executivo de Finanças Marcelo Kopel, em teleconferência com jornalistas, para comentar o balanço do primeiro trimestre.

A empresa anunciou ontem à noite que teve um lucro de R$ 281,3 milhões no primeiro trimestre deste ano, o que representa um decréscimo de 20,2% sobre os ganhos apurados em idêntico período de 2010.

Kopel preferiu não revelar a meta para essa operação neste ano. Em termos de expectativas, o executivo somente admitiu a companhia acompanha as projeções do mercado, que preveem um crescimento entre 20% e 22% no volume de negócios com cartões de crédito e de débito.

No primeiro trimestre, o volume financeiro movimentado por cartões de crédito aumentou 28,7%, enquanto o giro financeiro com os "plásticos" de débito subiu 32,2%. Ambos os números são comparações com os primeiros três meses de 2010.

Em março, a Redecard contabilizava uma base de 1,14 milhão de equipamentos POS, ante 1,01 milhão em março do ano passado.

26ª BANDEIRA

A Redecard não descartou hoje tornar a marca Elo, dos bancos Bradesco e Banco do Brasil, na sua 26ª "bandeira". "A gente já manifestou em interesse em capturar [transações] com essa bandeira", disse hoje Kopel, sem fornecer maiores detalhes sobre eventuais negociações.

Com essa nova bandeira, Bradesco e BB visam atingir a classe C e têm por meta uma participação de mercado de 15% no setor de cartões de crédito, débito e vales, num prazo de cinco anos.

Inicialmente, mais de um milhão de estabelecimentos credenciados na Cielo --credenciadora em que os bancos têm participação-- já poderão aceitar os plásticos da nova bandeira.

F-Truck - Roberval Andrade leva caminhão à pista na etapa brasileira da Indy

A programação da Itaipava São Paulo Indy 300 by Nestlé, quarta etapa da temporada da Fórmula Indy, terá espaço para a Fórmula Truck neste domingo (1º) no circuito de rua do Anhembi. Momentos antes da corrida, que tem sua largada marcada para as 13h20, seis caminhões de competição percorrerão a pista, um de cada marca presente no grid. Será, também, uma forma de divulgação da etapa paulista da Truck, marcada para 3 de julho no autódromo de Interlagos.

Entre os seis caminhões que vão à pista para voltas de exibição estará o Scania número 1 de Roberval Andrade. O piloto paulista da Ticket Car Corinthians Motorsport, atual campeão brasileiro e sul-americano da Truck, é o recordista de vitórias na etapa paulista – venceu em Interlagos em 2004, 2006, 2009 e 2010. Seu caminhão exibe as logomarcas de Ticket Car, Frum, Knorr-Bremse, Supricel, ZF, Guerra, Mann, Firad, Nino, Superpar, KS Pistões, Truckvan e Niju.

Fonte: Site Oficial do Corinthians

ANTT regulamenta cobrança de fretes

De acordo com a resolução, publicada no Diário Oficial da União (DOU) no dia 27 de abri, a ANTT habilitará as empresas administradoras e aprovará os respectivos meios de pagamento eletrônico

29 de abril de 2011 – As empresas que quiserem atuar como administradoras de meios de pagamento eletrônico de frete rodoviário de carga terão 180 dias para se adequar à resolução nº 3.658 da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) que regulamenta o artigo 5ºA da Lei 11.442/2007.

De acordo com a resolução, publicada no Diário Oficial da União (DOU) no dia 27 de abri, a ANTT habilitará as empresas administradoras e aprovará os respectivos meios de pagamento eletrônico.

Com isso a agência quer garantir ao Transportador Autônomo de Carga (TAC) o pagamento do frete por meio de crédito em conta de depósitos, mantida em instituição bancária, ou por outro meio de pagamento a ser regulamentado pela própria ANTT.

O objetivo dessa regulamentação é proibir o pagamento de fretes com a chamada carta-frete o que é ilegal e empurra para a informalidade os transportadores autônomos.

Estes não conseguem comprovar renda, o que os impede, por exemplo, de se beneficiar com linhas de financiamentos para aquisição de caminhões novos.

Além disso, o atual sistema de pagamentos transforma os caminhoneiros em vítimas de vendas casadas e os submetem a pagamentos de deságios para descontarem os valores das cartas-frete nos estabelecimentos conveniados com o contratante do transporte.

A resolução também permite a formalização do trabalho do transportador autônomo, sua profissionalização, inclusão bancária, social e previdenciária, além de prover os meios necessários à renovação da frota de veículos, algo que já está sendo pensado dentro do Governo.

Santander fracassa em promessa de se tornar o ‘melhor do Brasil’

São Paulo – Dois anos e meio depois de o presidente do Banco Santander AS, Emilio Botín, prometer tornar a instituição o “melhor banco do Brasil”, investidores dizem que ainda estão vendo perda de espaço para concorrentes locais como o Banco Bradesco SA.

Desde que o grupo espanhol vendeu ações da unidade brasileira em outubro de 2009, o papel desabou 23 por cento na BM&FBovespa, em comparação com um ganho de 8,3 por cento para as ações do Bradesco e de 4,3 por cento para as do Itaú Unibanco Holding SA.

O Santander, que divulga o balanço do primeiro trimestre amanhã, conta com o Brasil como seu maior propulsor de lucros pelo segundo ano seguido, após o colapso do mercado imobiliário na Espanha ter prejudicado os ganhos na matriz. Enquanto o Brasil dá sustentação ao Santander — cujo lucro anual caiu apenas 10 por cento em relação ao pico durante os três anos da crise financeira –, os resultados têm sido decepcionantes para os investidores da unidade brasileira, disse Yves Kuhn, da Swisscanto Asset Management.

“Há uma certa desilusão com as promessas não cumpridas que ficaram muito difíceis de levar adiante quando eles não conseguiram se equiparar a outras instituições no País”, disse Kuhn, que tem ações do Banco Santander Brasil SA na carteira de US$ 1 bilhão que administra na Swisscanto em Zurique. “Olhando para os grandes bancos do Brasil, o lanterninha é o Santander, e tenho certeza que isso causa aborrecimentos em Madri.”

Fusões no Brasil

O Santander deve divulgar lucro líquido de 2,22 bilhões de euros para o primeiro trimestre, praticamente igual ao de um ano antes, segundo a estimativa média de cinco analistas sondados pela Bloomberg. O lucro gerado no Brasil provavelmente cresceu 37 por cento para 816 milhões de euros, enquanto o lucro com a operação de varejo na Espanha caiu 48 por cento para 314 milhões de euros, pelas projeções de Daragh Quinn, analista da Nomura International em Madri.

Um porta-voz do Santander em Madri, que pediu para não ser identificado devido à política interna, se recusou a fazer comentários sobre o desempenho das operações no Brasil.

A aquisição da unidade brasileira do ABN Amro Holding NV por 11 bilhões de euros em 2007 alçou o Santander ao ranking dos três maiores bancos privados no Brasil, com R$ 376 bilhões em ativos, 54.000 funcionários e 2.395 agências em dezembro, segundo dados do Banco Central.

A transação impulsionou a consolidação entre a concorrência. A aquisição do Unibanco pelo Itaú por US$ 12,5 bilhões em 2008, que formou o maior banco do País, foi em parte causada pelo Santander, que havia se tornado “um novo tipo de player” após a aquisição do ABN Amro, disse o presidente do Itaú, Roberto Egydio Setúbal, em entrevista coletiva em novembro de 2008.

Crescimento mais lento

Com a abertura de capital do Santander Brasil, o maior banco da Espanha se beneficiou da demanda por ativos brasileiros, levantando cerca de US$ 11 bilhões com a oferta em outubro de 2009 e uma venda de títulos conversíveis para a Qatar Holding LLC um ano depois.

Em janeiro, o Santander Brasil valia quase 39 bilhões de euros, o mesmo que o maior banco alemão, o Deutsche Bank AG, sediado em Frankfurt. Agora, o valor de mercado está ao redor de 29,7 bilhões de euros. O Santander informou que também pretende vender ações das unidades do Reino Unido, Argentina e México porque, nas palavras de Botin, isso permite que as unidades tenham acesso a capital do mercado rapidamente, ao mesmo tempo em que abre “espaço estratégico” para o grupo.

O problema do Santander é que seu “bom negócio” no Brasil ainda não está crescendo tão rápido quanto concorrentes locais, disse Clecius Peixoto, sócio da Vinci Partners em São Paulo.

Fabio Barbosa, ex-presidente da unidade brasileira do Santander, disse em 2008 que a instituição se tornaria o maior banco do Brasil em geração de valor para os acionistas, enquanto prometia crescer mais do que o mercado em faturamento.

A concessão de crédito pelo Santander no Brasil cresceu 16 por cento no ano passado, comparado a mais de 20 por cento para o Bradesco e o Itaú, e 17 por cento para o Banco do Brasil SA.

(Portal Exame)

Share this:Share
Facebook

Bradesco condenado por assédio moral

Victor Carvalho
29/04/2011


 
Conforme pedido em ação civil pública ajuizada em 2008 pelo procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT) e professor da Universidade Federal da Bahia (UFBa), Manoel Jorge e Silva Neto, o Banco Bradesco S/A foi condenado por assédio moral. A empresa deve pagar o valor de R$ 100 mil em danos morais coletivos, além de cumprir várias obrigações que visam inibir a prática de assédio. Caso descumpra quaisquer das obrigações, deverá pagar uma multa diária de R$ 5 mil.

O  Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5) negou, por unanimidade, o recurso do Banco, afirmando que “o art. 765 da CLT confere amplos poderes instrutórios ao julgador e, justamente por isso, o n. Juiz de primeiro grau, ao fazer remissão a reclamações propostas contra o réu, nas quais ficou provada a existência de assédio moral, nada mais fez do que apurar a verdade dos fatos, privilegiando os princípios do acesso à justiça, da efetividade, do livre convencimento motivado e da busca da verdade real”. De tal modo, confirmou-se a sentença proferida pelo juiz Guilherme Guimarães Ludwig, da 7ª Vara do Trabalho de Salvador, considerando procedentes todos os pedidos do MPT. Em primeira instância, a instituição financeira foi condenada a elaborar um diagnóstico do meio ambiente psicossocial do trabalho, identificando qualquer forma de assédio moral ou psíquico aos empregados. Foi também exigido que se adotasse na empresa, estratégias de intervenção precoce visando a um clima de respeito, com implementação de normas de saudáveis de conduta.

Campanhas de conscientização, palestras semestrais, além da criação de canais internos de denúncia e acompanhamento de conduta dos empregados envolvidos são outras das obrigações determinadas na sentença e confirmadas em segunda instância. Deve haver também a publicação de 12 notas nos três jornais de maior circulação do estado, três a cada final de semana, em edições de sexta-feira, sábado e domingo. Há ainda a necessidade de que seja criada uma campanha veiculada durante seis meses, nas três emissoras de televisão mais assistidas no Estado, com duração mínima de um minuto (seis por dia).

Nas notícias e campanhas, deve-se esclarecer que “a prática do assédio moral, que se caracteriza por humilhações, xingamentos e desrespeito contínuo a trabalhadores subordinados, ofende o Princípio Fundamental do Estado brasileiro inerente à dignidade da pessoa humana (art. 1º, III, da Constituição Federal), competindo a todas as empresas, de forma geral, e também ao Poder Público, a adoção de providências destinadas a banir a terrível prática do contexto das relações de trabalho no Brasil, razão por que, nesta oportunidade, apresenta desculpas a todos os seus trabalhadores que foram vítimas de assédio moral”. Informações do MPT.

ANP quer pequenas e médias empresas na produção de petróleo - Portal Vermelho

ANP quer pequenas e médias empresas na produção de petróleo - Portal Vermelho

Acordo sobre diesel menos poluente será cumprido no prazo, garante MPF

 
Óleo diesel conta com enxofre na sua composição. O acordo busca reduzir, consideravelmente, a quantidade desta substância poluente/Foto: Divulgação

A Petrobras, a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a indústria automobilística estão cumprindo os prazos para a comercialização de um diesel menos poluente, com menos enxofre, a partir de janeiro de 2012, conforme acordo assinado em 2008 junto ao Ministério Público Federal (MPF).

A previsão é que a partir de janeiro do ano que vem, os postos de combustíveis vendam um diesel com limite de 50 partes por milhão (ppm) de enxofre, o chamado S-50. Atualmente, a concentração do mineral no diesel brasileiro é de 500 ppm nas regiões metropolitanas e de 2.000 ppm nas áreas rurais, o que polui mais o meio ambiente e causa riscos à saúde humana.

A substituição do diesel mais poluente, definida em 2002 pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), deveria ter entrado em vigor em 2009, mas só começou a sair do papel depois da intervenção da Justiça. Nos documentos apresentados ao MPF, a ANP informou que o Plano de Abastecimento do Diesel S-50 está concluído. A Petrobras assumiu o compromisso de garantir a produção nacional do S-50 e complementar a oferta com diesel importado, se for necessário. O Ibama será responsável pelo licenciamento dos novos veículos, de acordo com as regras do Programa de Controle de Emissões Veiculares (Proconve), além de fiscalizar o cumprimento do acordo em todo o país.

Já a indústria automobilística, de acordo com o MPF, mantém a previsão de começar a vender veículos com motores adaptados ao novo diesel ainda este ano. As primeiras versões serão apresentadas ao mercado em outubro.

Para 2013, o acordo prevê a substituição do S-50 por uma versão de diesel com teor de enxofre ainda menor, o S-10, com limite de 10 ppm de enxofre.

Diesel de cana surge como opção

Ônibus movidos a diesel de cana apresentam redução de 40% na emissão de gases em teste feitos em São Paulo

ônibus movidos a diesel de cana
Mais
Fotos
Enviar por Email
Mesmo com a chegada da nova norma ambiental Proconve P7, equivalente a Euro 5, prevista para entrar em vigor no próximo ano, as preocupações ambientais ainda são muitas. Mas a boa noticia para o setor é que novas alternativas estão surgindo e demonstrando resultados positivos em prol dessa questão, como por exemplo, os testes com o diesel de cana.

Segundo informativo da Amyris Brasil S.A, a empresa concluiu um projeto de demonstração em campo com os primeiros ônibus movidos à mistura de combustível contendo diesel convencional e diesel de cana. A avaliação apontou até 40% de redução na emissão de gases sem alterações nos veículos. Resultados semelhantes já haviam sido constatados em teste com motores Mercedes-Benz em laboratório. Mas  em campo, os dados foram comprovados.

Durante seis meses, a Amyris observou o desempenho de seis ônibus da Viação Santa Brígida em operação. Nesse período, os veículos foram abastecidos com 10% de diesel de cana adicionados a 90% do diesel metropolitano da Petrobrás (S50), que já contém 5% de biodiesel em sua composição. Para chegar à conclusão sobre o desempenho da nova mistura de combustível, outros três ônibus foram alimentados somente com o diesel da Petrobras.

Segundo Itamar Lopes dos Santos, gerente de manutenção da Viação Santa Brígida, a autonomia dos veículos, os níveis de manutenção, os desgaste de peças não foram alterados com a utilização da adição do diesel de cana ao diesel S50.

Fusão de JBS e Bertin é condicionada pela Seae

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) irá fiscalizar, a pedido da Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae), irá condicionar a venda de unidades de abate da JBS-Friboi ou da Bertin em Minas Gerais e Goiás para que a fusão dos frigoríficos seja aprovada.

A compra da Bertin pela JBS-Friboi foi anunciada em setembro do ano passado e criou a maior companhia de processamento de carne do mundo. O negócio foi submetido ao órgão de defesa da concorrência devido ao elevado nível de concentração de mercado.

Em nota divulgada ontem, a Secretaria de Acompanhamento Econômico ressaltou que a concentração de mercado gerada em relação ao abate e á carne "in natura" pode ameaçar a concorrência nos dois Estados.

“A Seae identificou a possibilidade de exercício unilateral de poder de mercado em decorrência das sobreposições geradas. Nos dois Estados o exercício de poder de mercado foi considerado provável, uma vez que as eventuais entradas de novos concorrentes não parecem ser suficientes e que a operação prejudicou as condições de rivalidade preenxistentes”, afirmou.

A secretaria ainda recomenda que as unidades de abate que correspondam pelo menos ao tamanho do negócio da Bertin nos dois estado sejam vendidas.

O processo de realização das instruções é feito pela secretaria que envia uma recomendação ao Cade. O conselho por sua vez julga as operações e pode optar por seguir ou não as recomendações da secretaria.

Fusão

A JBS-Friboi anunciou, em setembro do ano passado, a fusão com a principal rival brasileira Bertin, e, com isso, criou a maior companhia do setor de carnes do mundo. Com a fusão, a Bertin terá 40% e a JBS 60% da nova empresa. No mesmo dia o grupo anunciou a compra da empresa norte-americana Pilgrim’s Pride, que atua no setor de aves.

Dessa forma, a JBS-Friboi, tornou-se a maior processadora de carne bovina do mundo. Juntos, eles passaram, logo após a fusão, a uma capacidade diária de abate de 90 mil cabeças de bovinos.
 
Fonte: A Tribuna News/Luciana Recio

Anuncios MD webmarketing - sua agência de publicidades digital:
Pesquisa recente do Mundo do Marketing em parceira com a TNS Research sentencia: o marketing digital chegou para ficar, e está presente no cotidiano de 90% das empresas que atuam no Brasil. O email marketing lidera (com folga) o ranking das ações realizadas, com 80% de citações, seguido por redes sociais (67%) e links patrocinados (53%). O sucesso do email marketing, entretanto, gera algumas distorções, como a simplificação excessiva do processo e a falta de foco nas campanhas. Não se pode disparar mensagens e esperar passivamente pelo retorno. É preciso planejar, e muito.

“Um bom planejamento minimizará erros, dispersão de esforço e consequentemente de verba, e aumentará significativamente a probabilidade de um bom retorno da campanha”, afirma Abílio Queiroz, sócio da Insight Media, responsável pela gestão das campanhas de email marketing de empresas como a Só Com Desconto. Cliente da VIRID com o uso da plataforma de email marketing Virtual Target, a Insight Media realiza campanhas com diferentes escopos. Há desde as que atingem somente nichos de mercado, até campanhas maiores, que impactam de 200 mil a 400 mil pessoas.

Complexo, o planejamento das campanhas de email marketing inicia-se bem antes da criação das peças a serem disparadas. Afinal, em primeiro lugar, é preciso estabelecer quem irá recebê-las. “Validar a base de contatos é imprescindível”, afirma Walter Sabini Jr., CEO da VIRID Interatividade Digital. “Com disparo em massa de mensagens não se constrói um mailing forte. Email marketing funciona melhor quando usado após um primeiro contato”.

Uma base sólida de cadastros provém de diferentes fontes, como links patrocinados e redes sociais, canais que podem servir de chamariz para um relacionamento futuro. No caso da Insight Media, que realiza cerca de 100 ações de email marketing por mês, as bases utilizadas têm origem em seus próprios sites. Atualmente, a empresa conta com mais de 150 sites e portais como clientes, dos mais diversos assuntos e, portanto, diversos perfis de público.

“Efetuamos também a locação de bases para sites pequenos e médios, que não dispõem de recurso para esse tipo de atividade do nosso mercado”, afirma Queiroz. “Apenas solicitamos ao cliente que em sua página de cadastro, ou nas condições de uso de seu site, expresse o opt-in para ações de e-mail marketing realizadas pela Insight Media”.

O que trafegar

Estabelecida a base de contatos, é necessário saber o que trafegar e, consequentemente, como segmentar. A empresa pode inicialmente enviar ações experimentais e analisar o que despertou mais interesse, conforme os pontos de cliques, que precisam estar muito bem estabelecidos.

Outra opção é aproveitar resultados já conhecidos. “Na maior parte dos casos, colocamos à disposição do cliente uma experiência muito grande em relação a estatísticas de disparos e resultados anteriores, que podem substituir testes prévios de disparo, otimizando e agilizando o resultado da campanha”, afirma Queiroz.

Informação estratégica

Após o planejamento e disparo das ações de email marketing, foco nos relatórios. Para Sabini, da VIRID, o ideal é que o operacional seja automatizado, liberando as pessoas para se concentrar nos resultados da ação.

“Toda campanha realizada com a Insight Media conta com um relatório final depois de uma semana da ação”, conta Abílio Queiroz. Neste relatório, constam informações sobre quantos e-mails foram enviados, quantos foram efetivamente entregues, quantidade de pessoas que visualizaram o e-mail e o volume de cliques gerados. Também são informados os percentuais de visualização e os de cliques alcançados. “Todos esses dados nos balizarão para auxiliar nossos anunciantes em decisões futuras, como: mudança de layout, alteração de target, mudanças de criação técnica da peça etc.”, diz.

Melhores práticas, melhores resultados

Em qualquer etapa do processo, a ferramenta de envio e gestão do email marketing faz toda a diferença. Além de oferecer detalhados relatórios de envio, a plataforma auxilia na segmentação do mailing, conforme sexo, idade, região, interesses etc. e na delimitação do público específico que o cliente deseja atingir com a ação, influindo na criação do layout e no desenvolvimento da peça.

“A plataforma Virtual Target tem uma grande importância nas ações de envio”, afirma Fernando Jorge, da BV Sistemas de Tecnologia SA. “Com ela, podemos segmentar toda a base de email e utilizar inteligência de comportamento com base no uso do nosso cliente”. A empresa envia em média oito campanhas por mês, informando sobre promoções ou notícias instrucionais, com bases distintas para cada caso.

A adoção de boas ferramentas de envio e gestão contribui também para a disseminação correta das ações de email marketing. Embora esteja no topo do ranking das ações de marketing online, o email marketing ainda tem bastante espaço a ocupar no Brasil. “Entre os big players, ele já se consolidou como estratégia de negócio e relacionamento, mas o mesmo ainda não aconteceu com o mercado SMB (Small Medium Business)”, conta Sabini, da VIRID. Há uma parcela desse segmento que precisa ser “evangelizada” sobre o real propósito da ferramenta, que não é o de facilitar disparos em massa, visão que persiste em determinados segmentos.

A adoção das corretas ferramentas de gestão, porém, minimiza esse dano. “Quando as empresas profissionais mostram que com envio em massa não se consegue entregar as mensagens a uma quantidade expressiva dos destinatários, o cliente se convence da importância de adotar as boas práticas”, diz Sabini. “Afinal, é apenas por meio delas que se consegue os melhores resultados”, finaliza.

Campanhas de incentivo auxiliam empresas a atingirem suas metas - Paranashop [Guia de Empresas do Paraná]

Campanhas de incentivo auxiliam empresas a atingirem suas metas - Paranashop [Guia de Empresas do Paraná]

Câmara aprova reajuste sem emendas - Charqueada - Notícias | A Tribuna - Exclusivo é o que você pensa

Câmara aprova reajuste sem emendas - Charqueada - Notícias | A Tribuna - Exclusivo é o que você pensa

Carrefour lança cartão pré-pago para compras com benefício inédito no varejo

Novo cartão oferece aos clientes bônus proporcionais de 5 a 15% aos valores de crédito. Lançamento acontece nas lojas do Rio de Janeiro neste Dia das Mães.

Facilitar as compras de seus clientes e ainda oferecer benefícios exclusivos. Foi pensando nisso que o Carrefour desenvolveu o Cartão Compra Pré-Paga. Disponível nos valores de R$ 30, R$ 60 e R$ 100, o cartão oferece um bônus de 5%, 10% e 15%, respectivamente, em cima do valor creditado. O novo produto chega esta semana a todas as unidades Carrefour do Rio de Janeiro* e, após sua fase piloto, será comercializado nos demais estados onde a bandeira Carrefour está presente. A primeira fase do lançamento acontece até o dia 08 de maio, com o objetivo de oferecer mais um diferencial para os cariocas neste Dia das Mães.

Os clientes que adquirem ou ganharem um Cartão Compra Pré-Paga poderão escolher entre os mais de 60 mil itens disponíveis nas lojas Carrefour. As unidades participantes estão localizadas nas regiões da Barra, Engenho de Dentro, Sulacap, Manilha, Alcântara, Duque de Caxias, Campo Grande e Belford Roxo. Com o bônus adicional, o cartão é uma excelente opção para os filhos que querem incrementar o presente deste ano e também não tem tempo para escolher algo para sua mãe.

Além do Cartão Compra Pré-Paga, a rede oferece facilidades no pagamento dos presentes para as mães. Na categoria Eletro, os clientes podem parcelar suas compras em até 15 vezes sem juros no Cartão Carrefour. Sortimentos dos setores Bazar e Têxtil estão com condições de parcelamento em até 10 vezes sem juros também no Cartão da Rede. Entre os destaques estão os eletroportáteis, utensílios domésticos, roupas, acessórios, DVDs, CDs, livros e as tradicionais flores.

Carrefour - Há 35 anos no Brasil, o Grupo Carrefour é reconhecido como empresa pioneira no mercado varejista. A rede está presente em 19 estados brasileiros, com os formatos Carrefour Hiper, Carrefour Bairro, Atacadão e Dia%, além de oferecer serviços diversos para a conveniência do consumidor, como postos de combustíveis, drogarias, serviços financeiros, entre outros. A rede também atua na Internet, com o canal de vendas [www.carrefour.com.br]. O Grupo conta com 70 mil funcionários no Brasil, sendo um dos maiores empregadores do País. No mundo, é o segundo maior varejista do mercado, presente em 32 países.

Are prepaid credit cards more suitable for men? | Compare and Save | Money Saving Tips & Finance Help

Are prepaid credit cards more suitable for men? | Compare and Save | Money Saving Tips & Finance Help

SÃO PAULO (Reuters) - O banco PanAmericano, que passou para o controle do BTG Pactual em fevereiro, lançou nesta sexta-feira um cartão de débito pré-pago 'multiuso', focando na parcela da população que ainda não possui conta bancária. O cartão pode ser usado para compras por meio da rede da Mastercard e também para saques e transferências. A empresa global de soluções de pagamentos Rêv participa do projeto. 'Parcela significativa da população ainda não tem acesso a serviços bancários. (...) o cartão pré-pago é alternativa para promovermos a inclusão financeira deste público', disse em comunicado à imprensa o diretor de cartões do PanAmericano, Eliel Teixeira de Almeida. O banco citou dados do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) ao afirmar que quase 40 por cento da população brasileira não utiliza serviços bancários e que 55 por cento dos salários são pagos em dinheiro. 'O índice de rejeição de pedidos de cartão de crédito no Brasil ainda é alto, cerca de 40 por cento. O cartão pré-pago é (...) uma alternativa para o pagamento de salários de indústrias como a construção civil', acrescenta o executivo. O banco pretende oferecer em até 60 dias recarga do cartão por meio da rede de cerca de 10 mil lotéricas da Caixa no país. No mesmo período, as 250 lojas do PanAmericano também começarão a distribuir o cartão. (Por Alberto Alerigi Jr.)

SÃO PAULO (Reuters) - O banco PanAmericano, que passou para o controle do BTG Pactual em fevereiro, lançou nesta sexta-feira um cartão de débito pré-pago 'multiuso', focando na parcela da população que ainda não possui conta bancária.

O cartão pode ser usado para compras por meio da rede da Mastercard e também para saques e transferências. A empresa global de soluções de pagamentos Rêv participa do projeto.

'Parcela significativa da população ainda não tem acesso a serviços bancários. (...) o cartão pré-pago é alternativa para promovermos a inclusão financeira deste público', disse em comunicado à imprensa o diretor de cartões do PanAmericano, Eliel Teixeira de Almeida.

O banco citou dados do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) ao afirmar que quase 40 por cento da população brasileira não utiliza serviços bancários e que 55 por cento dos salários são pagos em dinheiro.

'O índice de rejeição de pedidos de cartão de crédito no Brasil ainda é alto, cerca de 40 por cento. O cartão pré-pago é (...) uma alternativa para o pagamento de salários de indústrias como a construção civil', acrescenta o executivo.

O banco pretende oferecer em até 60 dias recarga do cartão por meio da rede de cerca de 10 mil lotéricas da Caixa no país. No mesmo período, as 250 lojas do PanAmericano também começarão a distribuir o cartão.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Participação francesa na Cards 2011

A Ubifrance Brasil traz 11 empresas francesas com novidades na área de cartão inteligente, uma inovação tecnológica francesa que ganha cada vez mais mercado no Brasil.

O mercado mundial de smart card foi particularmente dinâmico em 2010. De acordo com a associação comercial para o setor - Eurosmart, as vendas cresceram 18% em 2010, com 5,3 bilhões de unidades vendidas. Para 2011, a associação prevê um crescimento acima de 6 bilhões de cartões produzidos (+13%). O segmento de contactless teve alta de 40% em 2010.

Líderes do mercado mundial, os empresários franceses investem continuamente em pesquisa, desenvolvendo novos usos para o cartão, sobretudo, nos campos da tecnologia de identificação e da securitização dos meios de pagamentos eletrônicos. Com novas aplicações e os sistemas passando a exigir documentos eletrônicos, a identificação dos usuários na web será mais necessária e crescente na vida das pessoas e empresas.

O setor de identificação oferece atualmente a possibilidade de mostrar inovações na biometria e soluções de autenticação com um potencial de aplicações consideráveis na luta contra fraudes e crimes cibernéticos. Com inúmeros projetos realizados em diversos países, a França permanece um líder incontestável, com empresas participando, por exemplo, na implantação da carteira de identidade digital brasileira.

No campo das transações eletrônicas, com o emprego de tecnologias contactless, implantação de terminais NFC para pagamentos móveis, demanda crescente de transações eletrônicas securitizadas e serviços financeiros inovadores, a indústria de cartões e pagamentos estará na dianteira do desenvolvimento e do compartilhamento de novas soluções tecnológicas.

.[ Cards 2011 - Pavilhão França stand 30, de 02 a 04 de maio (segunda a quarta-feira) Centro de Convenções Frei Caneca,Centro de Convenções Frei Caneca,Rua Frei Caneca, 569 - Sao Paulo – SP. |www.convencoesfreicaneca.com.br ].

Filme sobre Anderson Silva ganha prêmio nos EUA

Diretor do documentário "Like Water" é eleito o melhor novato do Festival Tribeca
Do R7
Texto:   

UFC/Divulgação
Vitória de Anderson Silva sobre Chael Sonnen á o pano de fundo para o filme

Publicidade

Uma semana depois da estreia oficial de “Like Water”, filme sobre a vida do brasileiro campeão do UFC Anderson Silva, o diretor do documentário, Pablo Croce, foi premiado como o o melhor entre os novatos pelo festival de cinema promovido pela Tribeca Filmes em parceria com a ESPN americana. 

Acompanhe a página de MMA do R7

Croce recebeu, além do troféu, um prêmio no valor de R$ 34 mil dos patrocinadores como incentivo ao belo trabalho. Após a premiação, os organizadores do festival de cinema que exibiu o documentário emitiu uma nota elogiando a obra.

- O filme mostra um mundo violento de uma forma inesperada através de sua interpretação sensível e uniforme de seu herói, Anderson Silva.

O pano de fundo para a película são os bastidores do combate mais heroico do lutador; contra Chael Sonnen no UFC 117, em agosto de 2010. Na ocasião, Anderson foi punido durante cinco rounds, quando tirou da cartola uma finalização de última hora e venceu o duelo.

UFC 129 tem card com brasileiros e duas disputas de cinturão

UFC 129 tem card com brasileiros e duas disputas de cinturão

30/04/2011 08h09 • Marcel Alcântara
A A A COMUNICAR ERROS

Georges St. Pierre é o campeão dos meio-médios e enfrenta Jake Shields. sua última luta foi uma vitória contra Josh Koscheck, no UFC 124
10 fotos no álbumVER ÁLBUM
Os amantes de MMA não desgrudaram os olhos da TV neste fim de semana. Às 22h de sábado (30) começa, no Canadá, mais uma edição do UFC. Com um cartel recheado de lutas interessantes, que inclui a disputa de dois cinturões, o Ultimate de número 129 promete colocar mais de 55 mil pessoas em Rogers Centre, em Toronto.

No card principal serão cinco combates. A principal delas valerá o cinturão dos meio-médios, na luta entre o canadense Georges St. Pierre e norte-americano Jake Shields. Será a sexta vez que Pierre coloca o título de melhor lutador de sua categoria a prêmio. 

Para os brasileiros, a maior expectativa fica por conta de José Aldo, que fará sua estreia no UFC depois de dominar o extinto WEC na categoria pesos penas. Aldo enfrentará o canadense Mark Hominick, especialista em Muay Thai e Kickboxing.

Além das duas grandes lutas, o confronto entre o karateca paraense Lyoto Machida e o experiente norte-americano Randy Couture. Pode ser uma luta decisiva para ambos os lutadores. Vindo de duas derrotas (Rampage e Shogun), Lyoto luta para se manter no topo da categoria dos meio-pesados. Já Couture, que tem 46 anos, pode fazer uma de suas últimas lutas antes da aposentadoria.

A transmissão das lutas do card principal do UFC 129 será feita pelo Sportv a partir das 22h pelo horário de Brasília. Confira acima os lutadores que vão compor o card principal do evento.

Card UFC 129

Card Principal
Georges St. Pierre vs. Jake Shields
José Aldo vs. Mark Hominick
Randy Couture vs. Lyoto Machida
Ben Henderson vs. Mark Bocek
Vladimir Matyushenko vs. Jason Brilz

Card Preliminar
Rory MacDonald vs. Nate Diaz
Kyle Watson vs. John Makdessi
Brian Foster vs. Sean Pierson
Pablo Garza vs. Yves Jabouin
Ivan Menjivar vs. Charlie Valencia
Claude Patrick vs. Daniel Roberts
Jason MacDonald vs. Ryan Jensen

Compartilhar 'ECF X NFE X NVC'

http://nfebrasil.ning.com/forum/topic/show?id=3391709%3ATopic%3A15445

Projeto muda cobrança de ICMS do e-commerce

O deputado estadual Paulo Duarte (PT) apresentou nesta quarta-feira (27/4) um projeto de resolução para alterar a cobrança de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de produtos comprados pela internet.

A proposta é para emplacar uma Emenda à Constituição Federal, mudando a cobrança do imposto da origem para o destino. Para isso, a proposta precisa ser aprovada por, pelo menos, 14 assembleias legislativas do País, assim a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) passa a tramitar no Congresso Nacional como projeto da Mesa Diretora.

Economista e fiscal de rendas do Estado, com a experiência de ter sido Superintendente de Administração Tributária e secretário de Fazenda e de Governo, Paulo Duarte explicou que Mato Grosso do Sul deixa de receber de R$ 45 milhões a R$ 50 milhões por ano com as compras feitas pela internet.

Segundo o deputado do PT, a mudança na cobrança das compras virtuais (e-commerce) é de interesse de, no mínimo, 20 estados brasileiros. A regra atual consta na Constituição de 88, escrita em uma época em que não existia o e-commerce.

Na Assembleia Legislativa, o projeto de resolução precisará passar pela CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) e por uma votação única no plenário.



Fonte: Portal ALMS

Exposição da Ticket celebra a história da alimentação do trabalhador brasileiro

 
Garantir bem-estar e qualidade de vida aos trabalhadores sempre fez parte do DNA da Ticket, uma das empresas Edenred no Brasil. Diariamente, milhões de brasileiros se alimentam com o Ticket Restaurante em um dos mais de 320 mil estabelecimentos credenciados espalhados por todo o país, reforçando ainda mais o compromisso com a questão social do Brasil. E os 35 anos de sucesso da história entre a Ticket e o PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador) acaba de ganhar mais um capítulo: uma exposição em São Paulo, em plena Avenida Paulista, no Condomínio Conjunto Nacional.
 
A trajetória da Ticket tem total sincronia com a história de conquistas do trabalhador brasileiro e a evolução dos programas sociais voltados à alimentação. Sua operação teve início em 1976, mesmo ano da criação do PAT, que estimulou as empresas a fornecerem o benefício refeição-convênio aos seus colaboradores, permitindo assim a dedução das despesas do Imposto de Renda. Começava nesta época uma nova relação entre os trabalhadores e as empresas, com uma atenção especial à alimentação, o que resultou em produtividade e bem-estar do profissional.
 
E para evidenciar esta jornada, a exposição traz como tema a relação entre o trabalhador e a alimentação. "No ano em que completamos 35 anos de liderança e pioneirismo no Brasil, queremos contar por meio da arte um pouco da história da alimentação e as mudanças culturais que ocorreram no dia a dia das empresas, famílias e trabalhadores, contribuindo assim para a evolução do nosso país", explica Oswaldo Melantonio Filho, diretor-geral da Edenred Brasil.
 
Com imagens que retratam os ganhos para a sociedade brasileira após a aprovação do PAT, a exposição abordará temas como mudança nos hábitos sociais e de consumo, aumento de empregos, a melhora da qualidade da alimentação e estímulo à alimentação saudável. Combinado a isso, os visitantes poderão acompanhar a evolução do conceito social da alimentação, a relação da saúde com produtividade e a desnutrição como doença social, acompanhados de infográficos sobre a história e evolução ao longo desses 35 anos.
 
"A trajetória da nossa empresa ligada à história do trabalhador brasileiro pode oferecer ainda mais benefícios à sociedade. Essa será a mensagem final da exposição, em que trataremos também da importância da cultura como alimentação para a alma dos trabalhadores", acrescenta Rodrigo Cândido, gerente de Marketing e Comunicação Institucional da Ticket.
 
 
Inclusão social e riqueza cultural
 
A Ticket, que apoia projetos sociais para a democratização da cultura e do esporte há anos, como por exemplo a Semana Ticket Cultura & Esporte, que já atraiu, desde 2007, mais de 300 mil pessoas com atividades gratuitas para toda população, terá como parceiro nessa iniciativa o grupo Briza, que desenvolve a cidadania através do esporte e da arte. Os jovens, especializados em arte, design e comunicação, serão os responsáveis por desenvolver todo o conteúdo visual da exposição.
 
"Com a colaboração do Briza, a exposição oferece riqueza de arte urbana e um olhar diferenciado sobre a evolução dos conceitos da alimentação do trabalhador nestes 35 anos da Ticket e do PAT no Brasil", finaliza Cândido.
 
Serviço
 
Exposição: A história da alimentação do trabalhador brasileiro (Entrada franca)
Local: Condomínio Conjunto Nacional à Avenida Paulista, 2073 - São Paulo – SP (galeria da Rua Padre Joao Manuel)
Data: 30 de abril a 14 de maio de 2011
Horários: De segunda a sábados, das 7h às 22h. Domingo e feriados, das 10h às 22h.
 
 
 
Sobre o Grupo Briza
 
O Briza é um espaço no subúrbio de Irajá, uma quadra do CIEP Mário Tamborideguy localizado na zona norte do município do Rio de Janeiro, onde jovens desenvolvem a cidadania através do esporte há anos. O que começou apenas com alguns obstáculos de skate de rua nas dependências da escola, hoje em dia é um amplo projeto de inclusão social, e principalmente uma rede de troca e interação de experiências e conhecimentos ligados à Arte, Design e Comunicação.
 
Sobre o Conjunto Nacional
 
Instalado na Avenida Paulista na época dos grandes casarões, o Condomínio Conjunto Nacional é um marco na história de São Paulo, sendo considerado um dos pontos mais tradicionais da avenida Paulista. O projeto é de autoria do arquiteto David Libeskind e caracteriza-se por ser um dos primeiros grandes edifícios modernos multifuncionais implantados na cidade.
 
O Conjunto Nacional possui apartamentos residenciais, escritórios, lojas comerciais, academia, cinema, teatro, restaurantes, além da maior livraria da América Latina em área construída, a Livraria Cultura.
 
O edifício, onde trabalham 15 mil pessoas e onde circulam diariamente outras 30 mil, instalou um programa de coleta seletiva em 1992. E, desde 2001, elabora a decoração de Natal tipicamente nacional com materiais recicláveis e reutilizáveis, recolhidos no próprio prédio.
 
Sobre a Ticket
 
Presente no Brasil desde 1976, a Ticket conquistou a liderança histórica do setor de refeição-convênio, com o Ticket Restaurante. Nestes 35 anos no País, a empresa também ampliou seu leque de atuação, com o lançamento de produtos inovadores como o Ticket Alimentação, Ticket Car e Ticket Transporte.
Com abrangência nacional, a Ticket atende a 57 mil empresas-clientes e 5,3 milhões de usuários por meio de uma rede de 320 mil estabelecimentos.
A Ticket é uma empresa Edenred – que integra as empresas Ticket e Accentiv´ Mimética no Brasil. Líder mundial em cartões e vouchers de serviços pré-pagos, a Edenred oferece soluções que proporcionam maior bem-estar às pessoas e apoio ao melhor desempenho das empresas.

Campeão da Truck leva caminhão à pista na etapa brasileira [09:34:36 Sábado, 30 de Abril de 2011] A programação da Itaipava São Paulo Indy 300 by Nestlé, quarta etapa da temporada da Fórmula Indy, terá espaço para a Fórmula Truck neste domingo (1º) no circuito de rua do Anhembi. Momentos antes da corrida, que tem sua largada marcada para as 13h20, seis caminhões de competição percorrerão a pista, um de cada marca presente no grid. Será, também, uma forma de divulgação da etapa paulista da Truck, marcada para 3 de julho no autódromo de Interlagos. Entre os seis caminhões que vão à pista para voltas de exibição estará o Scania número 1 de Roberval Andrade. O piloto paulista da Ticket Car Corinthians Motorsport, atual campeão brasileiro e sul-americano da Truck, é o recordista de vitórias na etapa paulista – venceu em Interlagos em 2004, 2006, 2009 e 2010. Seu caminhão exibe as logomarcas de Ticket Car, Frum, Knorr-Bremse, Supricel, ZF, Guerra, Mann, Firad, Nino, Superpar, KS Pistões, Truckvan e Niju. » Redação F1Mania.net - redacao@f1mania.net Outras notícias da categoria Indy: - Power mantém domínio da Penske e faz melhor tempo dos treinos livres - Barrichello e Mano Menezes visitam o paddock do Circuito do Anhembi - Pilotos aniquilam tempo da pole do ano passado. Briscoe é o mais rápido - Em entrevista com os vencedores de 2011, Dario foge do troféu - Danica Patrick aprova reformas no traçado e aposta em boa corrida  

A programação da Itaipava São Paulo Indy 300 by Nestlé, quarta etapa da temporada da Fórmula Indy, terá espaço para a Fórmula Truck neste domingo (1º) no circuito de rua do Anhembi. Momentos antes da corrida, que tem sua largada marcada para as 13h20, seis caminhões de competição percorrerão a pista, um de cada marca presente no grid. Será, também, uma forma de divulgação da etapa paulista da Truck, marcada para 3 de julho no autódromo de Interlagos.

Entre os seis caminhões que vão à pista para voltas de exibição estará o Scania número 1 de Roberval Andrade. O piloto paulista da Ticket Car Corinthians Motorsport, atual campeão brasileiro e sul-americano da Truck, é o recordista de vitórias na etapa paulista – venceu em Interlagos em 2004, 2006, 2009 e 2010. Seu caminhão exibe as logomarcas de Ticket Car, Frum, Knorr-Bremse, Supricel, ZF, Guerra, Mann, Firad, Nino, Superpar, KS Pistões, Truckvan e Niju.

Calibragem incorreta aumenta gastos com veículo

A calibragem incorreta dos pneus podem acarretar prejuízos para os donos de veículos. Com a alta dos combustíveis, os motoristas buscam várias maneiras de economizar e uma delas é a calibragem correta dos pneus. Utilizar o carro com o pneu descalibrado, além de aumentar o consumo de combustível, ainda pode colocar em risco a vida das pessoas.

Levando em consideração os preços médios do álcool, de R$ 2,19, e da gasolina, de R$ 2,67, dá para estimar que o brasileiro perde, em média, um pneu por ano, ou cerca de R$ 250,00, que é o preço do item para um carro popular.

Se essa perda for projetada para Campinas, que tem uma frota de quase 700 mil veículos, chega-se a um número de quase R$ 230 milhões, o que equivale a quase um milhão de pneus adquiridos a mais, sem necessidade, simplesmente por que o motorista deixou de calibrar o seu pneu regularmente e de forma correta.

Além do desperdício de dinheiro e matéria-prima, essa enorme quantidade de pneus poder representar também perigo para a saúde das pessoas, já que muitos deles acabam jogados em áreas abertas, juntam água e servem de criadouro para o mosquito da dengue.

Para tirar dúvidas sobre a calibragem dos pneus a recomendação é ler o manual do veículo.

Em um carro que pede 30 libras, por exemplo, se você colocar somente 27 libras por muito tempo vai rodar seis mil quilômetros a menos. Se a calibragem for de 24 libras, a duração do pneu vai ser 15 mil quilômetros menor e, com 22 libras, a troca do pneu vai ocorrer aproximadamente 30 mil quilômetros antes do tempo previsto pelo fabricante.

Oracle Partitioning: solução para grandes volumes de dados

Solução promete maior administração e disponibilidade no processo de gestão da base de dados.

Segundo a Oracle, o Oracle Partitioning é a chave mestra para se conseguir desempenho e alta disponibilidade da base de dados ao dividir os índices e a tabelas de informação em componentes menores e mais administráveis.

É o fundamento da estratégia de ILM (Information Lifecycle Management), que alinha por categoria de valor a informação do negócio, criando níveis hierárquicos de importância de dados.

A solução oferece também promete uma ótima execução de tabelas paralelas e seriadas, o que resulta em uma composição de partes agrupadas por ordem, data, região e tipo de cliente.

Entre os benefícios-chave do Oracle Partitioning estão: a redução na busca de dados de minutos a segundos, acesso 24 horas por dia, sete dias por semana a informação crítica do negócio, administração de pequenas frações e grandes volumes de dados, bem como custo eficiente como solução de armazenamento.

Casos de sucesso

I+D México S.A. de C.V. - empresa que administra e opera o sistema de pagamento de pedágio eletrônico no México. Necessitava implementar um sistema de informação confiável, de alta disponibilidade e de fácil acesso, que possibilitasse também o processamento de transações em tempo real para acelerar os fechamentos contábeis e alcançar eficiência operacional. Com a implementação do Oracle Database Enterprise Edition, estabeleceu uma base de dados robusta, que facilitou o acesso de dados confiáveis e de alta disponibilidade, suportando uma demanda maior de transações no pagamento do pedágio. Com a ajuda do Oracle Partitioning melhorou efetivamente o tempo de processamento massivo da informação, reduzindo os fechamentos contábeis de 15 horas para quatro. Além disso, alcançou eficiência operacional no processamento de transações, o que acelerou o processo de faturamento dos clientes em 75%. Produtos e serviços: Oracle Database Enterprise Edition, Oracle Partitioning, Oracle Data Guard e Oracle Real Application Clusters.

“O Oracle Database, Oracle Real Application Clusters, Oracle Partitioning e Oracle Data Guard são a chave para nosso negócio. Fomos capazes de centralizar, manter e processar a informação de maneia rápida, segura e eficiente, o que se traduz em um melhor serviço a nossos clientes”, menciona Jaime Villagran Nevarez, diretor de tecnologia e novos projetos da I+D México S.A. de C.V.

Administración Nacional de Usinas y Transmisión Eléctrica (UTE) - empresa pública uruguaia, dedicada à geração, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica em todo o país. A empresa necessitava contar com uma plataforma robusta e escalável de aplicativo, bem como de uma boa base de dados para a administração e análise de grande volume de informações. E ainda, precisava melhorar o tempo de resposta dos sistemas de gestão para a distribuição de energia. Com o Oracle Database Enterprise Edition criou uma base de dados que permitiu a UTE estender a visibilidade da informação de análise, agilizando a tomada de decisões administrativas. Utilizou o Oracle Partitioning para obter sucesso na administração do grande volume de dados, o que incluiu 40 milhões de recibos e histórico de informação de 10 anos. Também, melhorou o tempo de resposta nos sistemas de gestão de exploração de energia em 30%. Produtos e serviços: Oracle Database Enterprise Edition, Oracle Partitioning, Oracle Configuration Management Pack e Oracle Weblogic Server Enterprise Edition.

“A Oracle oferece a solidez, flexibilidade e escalabilidade da plataforma que a UTE necessita, em termos de administração e disponibilidade da informação, tempo de resposta dos sistemas de gestão de exploração e distribuição de energia, resultando em um melhor atendimento ao cliente”, diz Julio Marote, gerente do setor de técnicas de sistemas da Administración Nacional de Usinas y Trasmisiones Eléctricas (UTE).

CBSS, Brasil – empresa brasileira de soluções e serviços que administra os cartões Visa Vale, vale alimentação, restaurante, cesta de natal, Flex combustível e vale transporte VT. A empresa conta com 70 mil clientes, 226 mil estabelecimentos conveniados e 5,4 milhões de cartões. Entre os desafios que enfrentou a CBSS estavam o reaproveitamento do hardware existente com o objetivo de otimizar os serviços que oferece e obter excelente time-to-market para novos produtos. A empresa necessitava ainda de um ambiente unificado, escalável, de alta disponibilidade e com serviços Web, que permitisse fazer pedidos e ingressar cartões independentemente do horário, com a facilidade de acessar rapidamente a qualquer produto ou dado atualizado. Em função dessas demandas implementou-se uma plataforma integrada de aplicativos da Oracle de alta disponibilidade, obtendo redução de custos de manutenção e melhora significativa do armazenamento de dados. Utilizou o Oracle RAC para obter alta disponibilidade do sistema, facilitando o rápido ingresso de cartões e acesso a dados atualizados. Criou uma base de dados com o Oracle Database Enterprise Edition e utilizou o Oracle Partitioning para alcançar ótimo desempenho do Data Warehousing. Produtos e serviços: Oracle Database Enterprise Edition, Oracle Partitioning, Oracle VM e Oracle Data Integrator.

“Com a ajuda da Oracle, a CBSS pode implementar um ambiente tecnológico de acordo com as necessidades do negócio, conseguindo reutilizar seus recursos, o que permitiu alta disponibilidade, redução de custos de armazenamento, excelente gestão da base de dados e ótimo desempenho do Data Warehousing com serviços Web que definem muito bem a essência do negócio”, afirmou Nilton Terra,  coordenador de infraestrutura CBSS.

Como são diferentes os mecanismos da SEC e os da CVM

Nos Estados Unidos, a Securities anda Exchange Comission não livra nem a cara dos médicos. Atualmente, através de liminares, busca a devolução dos ganhos ilícitos com juros pré-julgamento e sanções financeiras contra Dr. Joseph F. "Chip" Skowron e Dr. Yves Benhamou M.. Tudo porque esses doutores com informações privilegiadas impediram que seis fundos de hedge tivessem perdas de US$ 30 milhões. Agora, essas seis instituições estão propondo, sem negar ou admitir as acusações, o pagamento de US$ 29,02 milhões e mais US$ 4 milhões para que a SEC as dispense do processo. Essa oferta, no entanto, está sujeita a aprovação do tribunal.

No Brasil, aconteceria o seguinte: o colegiado da Comissão de Valores Mobiliários aceitaria a proposta dos fundos de hedge que, em seguida, para evitar o pagamento, correriam ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional. O interessante é que esse órgão auxiliar do Conselho Monetário Nacional, além de ser acusado de reduzir substancialmente as penalidades impostas, demora muito a se reunir. A primeira e a única deste ano foi realizada em fevereiro e tratou de punições estabelecidas pelo Banco Central no caso do Banco Marka.



Tudo por causa do Albuferon

A SEC processa judicialmente Joseph F. "Chip" Skowron, ex-administrador da carteira de saúde de seis fundos de cobertura de saúde da FrontPoint Partners LLC, que vendeu todas as participações deles na Human Genome Sciences Inc., num total de 6 milhões de ações que, depois disso, sofreram desvalorização de 44%. Skowron evitou que os fundos perdessem US$ 30 milhões, pois recebeu antecipadamente de Yves Benhamou M., supervisor da pesquisa médica da HGSI, a informação dos resultados negativos da pesquisa da albumina Interferon Alfa 2-a, o Albuferon, para o tratamento da hepatite C. Benhamou M. recebeu envelopes de dinheiro, um com 5 mil euros, por prestar consultoria a Skowron. Agora, alega que recusou uma mala de dinheiro para mentir sobre suas comunicações com os administradores dos fundos, mas depois recebeu outro envelope contendo US$ 10 mil.



Suzano compra equipamentos para fábrica

A Suzano assinou contratos com a Metso e Siemens para a aquisição dos principais equipamentos para construção da unidade industrial do Maranhão que terá capacidade total anual de 1,5 milhão de toneladas. A celebração destes contratos possibilitará a antecipação em seis meses do início das operações da planta, previsto agora para abril de 2013. A contratação dos principais equipamentos com a Metso abrangerá basicamente as áreas do pátio de madeira, do cozimento, da linha de fibras, da caldeira de Recuperação e Biomassa, dos sistemas de automação integrada (DCS - Distributed Control System), entre outras áreas. O valor do contrato não e divulgado, mas esta em linha com contratos desta natureza que variam entre US$ 1 bilhão e US$ 1,2 bilhão. O contrato celebrado com a Siemens compreende a aquisição de dois turbo geradores, que atenderão tanto a demanda de energia da fábrica como a geração excedente de 100 MW disponível para comercialização. O valor do contrato e de aproximadamente US$ 40 milhões a US$ 50 milhões.



Vulcabras quer ativos da Índia

A Vulcabras!azaleia assinou um Memorandum de Entendimentos visando à aquisição de ativos industriais (prédios, máquinas e equipamentos) na cidade de Chennai, na Índia. O acordo prevê a realização de due-dilligence dentro dos próximos 70 dias, após os quais deverão ser assinados os contratos definitivos. A unidade de produção em questão possui atualmente mil empregados e capacidade para acomodar cerca de 5 mil trabalhadores em 2 turnos de trabalho. Os investimentos previstos para os próximos dois anos são da ordem de US$ 50 milhões e deverão se destinar a produção de cabedais de calcados esportivos para complementar a produção das nossas atuais 28 unidades produtivas no Brasil e Argentina. Com este passo a Vulcabras da continuidade ao seu projeto de internacionalização, buscando maior diversificação de suas bases de produção e maior competitividade.



Finlandeses ameaçam vetar ajuda a Portugal

Em uma eleição realizada no domingo, o partido eurocético Verdadeiros Finlandeses obteve grandes vitórias e um disputado terceiro lugar, podendo agora se ver em condição de bloquear ou pelo menos complicar o resgate financeiro de Portugal, se fizer uma coalizão com o próximo governo em Helsinque. Pode levar semanas até que se saiba se o partido Verdadeiros Finlandeses pode concretizar sua ameaça, mas seu sucesso na eleição apresenta um risco potencial enorme para Lisboa, que declarou que em junho ficará sem fundos para manter o país funcionando. Qualquer atraso na aprovação do resgate financeiro para depois de meados de maio pode obrigar os líderes europeus a buscar às pressas outros meios para bancar Portugal.

Furlan e diretor da Sadia fazem acordo com CVM para encerrar processo

RIO - O ex-presidente do Conselho de Administração da Sadia, Luiz Fernando Furlan, vai pagar R$ 200 mil para extinguir o processo aberto na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Nesse processo, ele era acusado de não ter mantido sigilo sobre a negociação que levou à associação da Sadia com a Perdigão, que resultou na criação da BRF Foods, em 2009.
O então diretor de relações com investidores (RI) da Sadia, Welson Teixeira Junior, também vai pagar R$ 200 mil à autarquia. Mas o seu processo foi por falta de diligência em relação às informações prestadas por Furlan.
Os termos de compromissos foram aprovados pela CVM no dia 22 de março. Segundo o texto do documento em que a CVM aceita o acordo de pagamento, "a aceitação das propostas afigura-se conveniente e oportuna", por estarem de acordo com recentes precedentes abertos na autarquia, que levaram trataram de problemas com vazamento de informações.
As negociações entre Sadia e Perdigão foram iniciadas ainda em dezembro de 2008, interrompidas em março seguinte e retomadas somente no final de abril de 2009, quando representantes das duas companhias voltaram a se reunir.
De acordo com o relatório do Termo de Compromisso da CVM, embora não tenham sido encontradas irregularidades quanto à divulgação de fato relevante, foi possível perceber que, entre 5 de março e 20 de abril de 2009, apesar de as negociações estarem suspensas, Furlan deu diversas indicações à imprensa de que a negociação continuava de pé, inclusive com estimativas para a conclusão do negócio.
De acordo com relatório da CVM sobre o acordo, "Luiz Fernando Furlan não teria observado, conforme ele próprio admitiu, o sigilo sobre a negociação da qual fez parte diretamente enquanto administrador e acionista da Sadia que culminou na associação com a Perdigão".
O diretor Welton Teixeira Junior, por sua vez, "não teria sido diligente", uma vez que não foi comprovado cuidado de sua parte "em relação à verificação das informações prestadas na imprensa por Luiz Fernando Furlan", afirma a CVM.
A Sadia passou a ser alvo de investigações por parte da CVM a partir das significativas perdas financeiras sofridas com a variação cambial verificadas no terceiro trimestre de 2008, devido às operações com derivativos, que causaram perdas superiores a R$ 2,5 bilhões à Sadia.
No final do ano passado, a autarquia levou a julgamento os conselheiros e o então diretor financeiro da Sadia. A sentença da CVM apontou a falha nos controles de risco na análise do caso das operações com derivativos cambiais. O ex-diretor financeiro Adriano Ferreira foi, na ocasião, inabilitado por três anos.
O então presidente do conselho de administração Walter Fontana e outros três conselheiros - Francisco Céspede, Everaldo dos Santos e José Marcos Comparato - foram multados em R$ 400 mil, cada.
Pena menor foi aplicada a outros conselheiros que não faziam parte dos comitês de finanças ou auditoria: Luiza Helena Trajano Rodrigues, Norberto Fatio, Vicente Falconi Campos, Eduardo Fontana D'Avila e Diva Furlan receberam multa individual de R$ 200 mil. Um total de R$ 2,6 milhões, se somadas todas as penas individuais.

Relacionamento e promoção pela internet potencializam vendas

O relacionamento na internet tem sido uma importante ferramenta para as marcas que desejam engajar os consumidores e, consequentemente, aumentar suas vendas. É o caso de empresas como Pão Açúcar, Johnnie Walker, West Coast e Cravo & Canela, que investem em estratégias para fidelizar clientes e ampliar os pontos de contato.

As ações digitais, no entanto, devem dialogar com o mundo offline para expandir a experiência do consumidor com a marca. Prova disso são as iniciativas do Keep Walking Club, da Johnnie Walker. Criado em 2007, o clube de relacionamento oferece aos associados personalização das garrafas do blend Black Label, com mensagens de até três linhas, permitindo ao consumidor a criação de um produto exclusivo e único.

O processo é todo feito no ambiente virtual, desde o cadastro para se associar ao clube, até a criação da frase do rótulo. Mas o resultado é visto ao vivo, na embalagem do próprio produto. Os membros também contam com o Movimento Piloto da Vez, que dá direito a uma corrida gratuita de até 10 km de taxi, entre às 19h de sábado e às 5h de domingo. Os associados devem apenas ligar para uma Central de Taxi e dizer os dados de identificação do clube. O Keep Walking Club oferece ainda descontos em produtos da marca em delicatessens de São Paulo.

Relacionamento para alavancar vendas
A West Coast e a Cravo & Canela também promovem benefícios aos consumidores a partir da internet. As marcas do grupo gaúcho de calçados West Coast lançaram em 2010 a Lista de Desejos. Com a ferramenta, os consumidores podem selecionar três produtos que gostariam de ganhar no site e compartilhar suas escolhas nas redes sociais. A cada mês, o internauta que tiver a lista mais clicada recebe um dos modelos desejados.

“Com a Lista de Desejos, já estamos conquistando um crescimento semelhante ao primeiro trimestre de 2010, que foi de 30%. Este ano, mesmo sem o fechamento oficial de janeiro-março, já ultrapassamos a marca de 27%”, afirma Fábio Steffen (foto), Coordenador do Núcleo Digital da West Coast e da Cravo & Canela, em entrevista ao Mundo do Marketing.

Já o Grupo Pão de Açúcar investe em ações pontuais para as suas bandeiras. Para a 12ª Feira de Informática do Extra, por exemplo, a empresa desenvolveu um aplicativo no Facebook que permitia aos consumidores selecionarem os produtos que gostariam de encontrar em promoção. A oferta que recebesse o maior número de “curtir” seria ativada.

Durante a Páscoa, o Grupo também desenvolveu uma ação semelhante na rede social. Foi criado um aplicativo chamado Corrida de Coelhos, com o objetivo de proporcionar um envolvimento dos consumidores com a empresa. A cada semana do mês de abril, quatro marcas de ovos Páscoa estariam disponíveis e, durante o período, o mais votado na rede estaria em promoção nas lojas do Pão de Açúcar.

“A procura foi muito grande e chegamos a vender ovos de Páscoa com até 50% de desconto. Com a ação pretendemos descobrir quais produtos são os mais procurados e quanto de abatimento os consumidores desejavam encontrar”, diz Nathália Jordão, Coordenadora de Marketing Digital do Grupo Pão de Açúcar, em entrevista ao portal.
 
 
Comunicação eficaz proporciona mais engajamento dos consumidores
Para que as ações de Marketing nas mídias sociais influenciem no crescimento das vendas é preciso entender o perfil do consumidor para quem elas se destinam. O Grupo West Coast  mantém dois canais de comunicação, um para o público feminino e outro para o masculino.  A página da marca feminina Cravo & Canela, criada em 2005, conta com um blog atualizado cerca de três vezes por semana com informações sobre moda, beleza e celebridades.

Já no site da West Coast, especializada em produtos para homens, o ritmo de postagens é diferente. As ações para estes consumidores devem ser mais pontuais e espaçadas para serem mais relevantes. A ideia em 2011 é focar no tema futebol, possibilitando o engajamento de mais internautas. “Este ano pretendemos manter os canais de comunicação que abrimos em 2006, trazendo sempre novidades para atrair novos consumidores”, explica o executivo do Grupo West Coast.

Esta também é a estratégia do Pão de Açúcar, que teve o seu Núcleo de Marketing Digital criado em 2009. O principal objetivo do Grupo é intesficar as iniciativas na web, utilizandos as redes sociais como principais plataformas de comunicação com os consumidores. A prioridade é o engajamento dos internautas, depois, as vendas. “Antes de qualquer coisa, a ações de relacionamento online são uma forma de disseminar a marca”, afirma a Coordenadora de Marketing Digital do Grupo ao Mundo do Marketing.

Mais tempo de envolvimento com as marcas
Outro benefício proporcionado pelas iniciativas online é a possibilidade de um tempo maior de envolvimento do consumidor com as marcas. Estas plataformas permitem que o internauta esteja em contato com a empresa em momentos diferentes de relacionamento, o que é intensificado com a mobilidade.

Reformulando os seus portais em 2009, o Grupo West Coast conseguiu ampliar o tempo médio de permanência dos consumidores de dois minutos para sete minutos. Em 2010, os portais foram integrados com as redes sociais. A criação da Lista de Desejos possibilitou que a empresa, que investe 1/6 de sua verba de Marketing  no ambiente online, potencializasse  a divulgação de novas coleções a partir de sites como Facebook e Twitter.

Apesar de ações bem-sucedidas na internet terem o poder de aumentar as vendas. As empresas devem saber que o mais importante é investir no relacionamento e estar próximo dos consumidores. “Atualmente estamos nos principais canais que os internautas frequentam. Amanhã, pode surgir uma nova rede mais relevante, em que devemos estar presentes de qualquer maneira. O nosso foco é construir uma base sólida de seguidores que podem se tornar futuros consumidores”, explica a executiva do Grupo Pão de Açúcar ao portal.

Consumidor pode pagar R$ 20 bi por cartão "antigato"

Sob a alegação de favorecer a modernização do setor, o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou medidas que devem transferir para o bolso dos contribuintes medidas de interesse das empresas do setor elétrico.

O CNPE aprovou a adoção de um medidor eletrônico de energia elétrica inteligente, batizado de Smart Grid, a ser implantado em residências e estabelecimentos comerciais e industriais atendidos em baixa tensão no país.

Segundo o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o sistema poderá custar entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões. No entanto, em vez de serem pagos pelas empresas, os recursos para sua implantação podem vir de fundos setoriais como o Reserva Global de Reversão, cobrado na conta de luz dos consumidores.

Embora não tenha sido explicitado pelo CNPE, o sistema vai ser um forte aliado das empresas para combater o "gato". O ministro, no entanto, alegou que o Smart Grid vai permitir aos consumidores um melhor controle de seu consumo de energia elétrica, evitando desperdícios.

O sistema também permite a adoção de tarifas diferenciadas de acordo com o horário em que o consumidor utiliza a energia e a venda de energia excedente por fontes alternativas como eólica e solar. O CNPE vai fazer estudos e produzir um relatório final sobre o assunto. Caso seja aprovada, a medida pode resultar em cobrança de valores mais elevados nos horários de pico, onerando ainda mais o consumidor brasileiro.

Já o Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou os bancos a criar um único serviço de informações sobre a situação cadastral dos emitentes de cheques. Até agora, cada banco tinha seu próprio serviço sobre o assunto. Além de centralizar as informações, a medida cria dificuldades adicionais para o registro de roubo ou furto de cheques, com a exigência de boletim de ocorrência na polícia.

Movimentos internacionais apontam irregularidades da Sodexo

São Paulo – Membros de sindicatos e movimentos sociais ao redor do mundo se reuniram nesta quarta-feira (27), na sede do Sindicato dos Bancários de São Paulo, para expor casos de ilegalidades envolvendo a multinacional francesa Sodexo, do ramo alimentício. Os ativistas pretendem mobilizar-se mundialmente, em diversas frentes, contra o que consideram abusos e irregularidades por parte da empresa, presente em 80 países.

Edgar Paez M., responsável pelas relações internacionais do Sindicato Nacional de Trabajadores del Sistema Agroalimentario (Sinaltrainal), da Colômbia, levantou ocorrências com demissões de grávidas em linhas de trabalho e o não pagamento de seus direitos. Há ainda relatos de mulheres que precisaram provar, por meio de atestado médico, que não estavam grávidas.

"Fizemos uma jornada de 17 a 24 de janeiro nos preparando para uma assembleia em Paris, tentamos convencer as pessoas da sociedade a entender e se organizar perante à Sodexo", explicou Paez. Ele lembrou que, na Colômbia, a empresa atua há 18 anos e emprega 14 mil trabalhadores, dos quais menos de 1% são sindicalizados.

As ações contra a multinacional na Colômbia começaram há menos de um ano, e já movem uma ação contra o Estado local, por fechar contratos e não investigar denúncias com a Sodexo. Ele acusa a empresa de se recusar a negociar com trabalhadores – sindicalizados ou não. Ele sustenta que está na Justiça do país o julgamento, em última instância, de uma ação para obrigar a Sodexo a entrar em negociações com seus empregados.

Na França, metalúrgicos que recebiam da empresa refeições de má qualidade, além da falta de condições de trabalho, mobilizaram-se para conseguir a solidariedade da comunidade internacional, segundo Jean-Michel Dupire, da Confederação Geral do Trabalho (CGT) francesa. "Nós movemos queixas contra a entidade, que foram acatadas, mas após seis meses com os processos encaminhados", disse.

Associações de juristas franceses acusam a Sodexo por "publicidade enganosa" em casos em que há discrepância entre valores nutricionais efetivos e os registrados em tabelas de serviços prestados pela empresa. Dupire defende uma ação internacional conjunta para que se obtenham melhores resultados contra a empresa.

Autumn Weintraub, diretora de campanha do Sindicato Internacional de Empregados de Serviços (Seiu, na sigla em inglês), dos Estados Unidos, também destacou casos de fraudes em tabelas nutricionais em escolas americanas. "Há pesquisas que mostram que o valor nutricional não bate com as dados recebidos nas escolas (em Nova Jérsei). Inseririmos todas as pessoas exploradas por esse grande grupo; professores se mobilizaram e pais e alunos deram suporte."

Ela relatou ainda um episódio, em Atlanta, no estado da Geórgia, onde estudantes universitários invadiram a reitoria de sua universidade, como forma de protesto contra a associação com a Sodexo, sete deles foram presos.

Weintraub também citou casos em que o governo americano tomou medidas contra a multinacional. De acordo com ela, a Sodexo tinha um contrato de 1 bilhão dólares com os fuzileiros navais do exército americano, os números passados para o governo eram de 1,2 bilhão, um falor superfaturado, já que a empresa tinha custos de 800 milhões de dólares nesse serviços. "Os outros setores do Estado estão investigando depois disso (quando o governo cancelou o contrato com a empresa). Em Nova Uorque, o procurador geral condenou a Sodexo a devolver 20 milhões de dólares ao estado. Para ela, o Brasil deve indicar os meios para que se façam pesquisas semelhantes às que foram feitas em outras nações. "Acho que juntos, com liderança e indo com outros países, aumentamos a mobilização. Os trabalhadores têm se unido, apesar das ameças, o apoio intersindical faz petições que não podem ser ignoradas".

O encontro aconteceu sob a coordenação da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Realizado no Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, no centro de São Paulo, o encontro teve, além de representantes da Colômbia, França e dos EUA, lideranças do Marrocos e República Dominicana.

Ética
Em nota encaminhada à Rede Brasil Atual, a Sodexo nega abusos, afirmando que atua com seriedade e transparência na relação com os funcionários. A empresa alega respeitar direito dos trabalhadores de se filiarem ao sindicato que os representa.

"(A Sodexo) esclarece, também, que permanece firme com o propósito de assegurar aos seus colaboradores o direito de afiliação sindical. Infelizmente isto parece contrariar interesses de organizações como um dos Sindicatos Trabalhistas dos Estados Unidos (SEIU - Service Employees International Union), tentando indispor a Sodexo com a opinião pública, por meio de práticas condenáveis", acusa.

Movimentos internacionais apontam irregularidades na Sodexo

CUT NACIONAL > LISTAR NOTÍCIAS > ACONTECE > MOVIMENTOS INTERNACIONAIS APONTAM IRREGULARIDADES NA SODEXO

Movimentos internacionais apontam irregularidades na Sodexo
28/04/2011
Entre abusos e irregularidades, multinacional francesa mantém trabalhadores em condições precárias e demite grávidas em linhas de trabalho
Escrito por: Guilherme Amorim - Rede Brasil Atual

Todos juntos por melhores condições de trabalho
Membros de sindicatos e movimentos sociais ao redor do mundo se reuniram nesta quarta-feira (27), na sede do Sindicato dos Bancários de São Paulo, para expor casos de ilegalidades envolvendo a multinacional francesa Sodexo, do ramo alimentício. Os ativistas pretendem mobilizar-se mundialmente, em diversas frentes, contra o que consideram abusos e irregularidades por parte da empresa, presente em 80 países.
 
Edgar Paez M., responsável pelas relações internacionais do Sindicato Nacional de Trabajadores del Sistema Agroalimentario (Sinaltrainal), da Colômbia, levantou ocorrências com demissões de grávidas em linhas de trabalho e o não pagamento de seus direitos. Há ainda relatos de mulheres que precisaram provar, por meio de atestado médico, que não estavam grávidas.
 
"Fizemos uma jornada de 17 a 24 de janeiro nos preparando para uma assembleia em Paris, tentamos convencer as pessoas da sociedade a entender e se organizar perante à Sodexo", explicou Paez. Ele lembrou que, na Colômbia, a empresa atua há 18 anos e emprega 14 mil trabalhadores, dos quais menos de 1% são sindicalizados.
 
As ações contra a multinacional na Colômbia começaram há menos de um ano, e já movem uma ação contra o Estado local, por fechar contratos e não investigar denúncias com a Sodexo. Ele acusa a empresa de se recusar a negociar com trabalhadores – sindicalizados ou não. Ele sustenta que está na Justiça do país o julgamento, em última instância, de uma ação para obrigar a Sodexo a entrar em negociações com seus empregados.
 
Na França, metalúrgicos que recebiam da empresa refeições de má qualidade, além da falta de condições de trabalho, mobilizaram-se para conseguir a solidariedade da comunidade internacional, segundo Jean-Michel Dupire, da Confederação Geral do Trabalho (CGT) francesa. "Nós movemos queixas contra a entidade, que foram acatadas, mas após seis meses com os processos encaminhados", disse.
 
Associações de juristas franceses acusam a Sodexo por "publicidade enganosa" em casos em que há discrepância entre valores nutricionais efetivos e os registrados em tabelas de serviços prestados pela empresa. Dupire defende uma ação internacional conjunta para que se obtenham melhores resultados contra a empresa.
 
Autumn Weintraub, diretora de campanha do Sindicato Internacional de Empregados de Serviços (Seiu, na sigla em inglês), dos Estados Unidos, também destacou casos de fraudes em tabelas nutricionais em escolas americanas. "Há pesquisas que mostram que o valor nutricional não bate com as dados recebidos nas escolas (em Nova Jérsei). Inseririmos todas as pessoas exploradas por esse grande grupo; professores se mobilizaram e pais e alunos deram suporte."
 
Ela relatou ainda um episódio, em Atlanta, no estado da Geórgia, onde estudantes universitários invadiram a reitoria de sua universidade, como forma de protesto contra a associação com a Sodexo, sete deles foram presos.
 
Weintraub também citou casos em que o governo americano tomou medidas contra a multinacional. De acordo com ela, a Sodexo tinha um contrato de 1 bilhão dólares com os fuzileiros navais do exército americano, os números passados para o governo eram de 1,2 bilhão, um falor superfaturado, já que a empresa tinha custos de 800 milhões de dólares nesse serviços. "Os outros setores do Estado estão investigando depois disso (quando o governo cancelou o contrato com a empresa). Em Nova Iorque, o procurador geral condenou a Sodexo a devolver 20 milhões de dólares ao estado. Para ela, o Brasil deve indicar os meios para que se façam pesquisas semelhantes às que foram feitas em outras nações. "Acho que juntos, com liderança e indo com outros países, aumentamos a mobilização. Os trabalhadores têm se unido, apesar das ameças, o apoio intersindical faz petições que não podem ser ignoradas".
 
O encontro aconteceu sob a coordenação da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Realizado no Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, no centro de São Paulo, o encontro teve, além de representantes da Colômbia, França e dos EUA, lideranças do Marrocos e República Dominicana.
 
Ética
Diante das denúncias, a empresa alega em nota encaminhada à Rede Brasil Atual, que atua com seriedade e transparência na relação com os funcionários. A empresa afirma respeitar direito dos trabalhadores de se filiarem ao sindicato que os representa.
 
"(A Sodexo) esclarece, também, que permanece firme com o propósito de assegurar aos seus colaboradores o direito de afiliação sindical. Infelizmente isto parece contrariar interesses de organizações como um dos Sindicatos Trabalhistas dos Estados Unidos (SEIU - Service Employees International Union), tentando indispor a Sodexo com a opinião pública, por meio de práticas condenáveis", acusa.

ANTT proíbe definitivamente a Carta-Frete para caminhoneiros autônomos

A ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres publicou no Diário Oficial da União a resolução nº 3.658/2011 que regulamenta o pagamento dos caminhoneiros autônomos. Com isso, fica proibido o uso de carta-frete ou de qualquer outro meio não homologado pela ANTT. José Araújo “China” da Silva, presidente da Unicam – União Nacional dos Caminhoneiros, conta que essa é uma das maiores conquistas para a classe. “Antes o sistema não tinha nenhum controle e cada um trabalhava na maneira que julgasse mais vantajosa. Agora existe uma regra e as companhias terão que cumprir”, comemora.

As empresas têm até 180 dias para se adequar a nova norma sem serem penalizadas. Transportadoras e embarcadoras podem escolher entre duas formas de pagamento: depósito direto na conta do caminhoneiro ou contratação de uma empresa homologada pela ANTT.

A Agência irá habilitar empresas como administradoras de meios de pagamento eletrônico de frete que cumprirem os requisitos previstos na resolução. Basicamente, as empresas candidatas à homologação devem ter sistemas de pagamento com recursos tecnológicos que permitam efetuar créditos para liquidação dos fretes, operações de saque e débito e utilização de senha para impedir o uso não autorizado. Nesses cartões deverá constar o valor do frete, do vale-pedágio, do combustível e de eventuais despesas. No site da ANTT ficarão disponíveis informações sobre as empresas habilitadas.

A nova resolução põe fim a uma prática com mais de 50 anos: a carta-frete. Forma comum de pagamento pelo transporte de carga, o documento não tem valor fiscal e é emitido sem permissão legal pelas próprias empresas, que liberam os caminhoneiros para abastecer somente nos postos acordados para realizar a troca da carta-frete por dinheiro ou cheque. O caminhoneiro também é submetido a um consumo mínimo e ainda ao pagamento de um valor superior no litro do combustível, infringindo o Código de Defesa do Consumidor, que proíbe condicionar o fornecimento de um produto ao consumo de outro.

Além de prejudicar cerca de 1,19 milhão de transportadores autônomos, a carta-frete também dificulta a fiscalização e facilita a sonegação de impostos. Estima-se que o setor movimente R$ 60 bilhões anualmente, mas 73% estariam na informalidade. Segundo dado do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o governo brasileiro registra como movimentação de frete em relação a caminhoneiros apenas R$ 16 bilhões por ano.

Para os transportadores autônomos os principais benefícios serão a liberdade de escolha e a inclusão social. “Os caminhoneiros poderão optar pelas melhores condições oferecidas pelos postos. Além disso, com a regulamentação do pagamento eles terão como comprovar a renda e participar de programas de financiamento para renovar a frota”, explica China.

Novos ebooks sobre mídias sociais

Ontem e hoje dois novos ebooks colaborativos brasileiros foram lançados. Ontem a jornalista Ana Brambilla publicou o “Para Entender as Mídias Sociais“, publicação que traz textos sobre conceitos relacionados ao Mercado, Jornalismo, Educação e Sociabilidade. Hoje os RPs Marcello Chamusca e Márcia Carvalhal, lançaram o ebook “Comunicação e Marketing Digitais“. Leia e faça o download:

Para Entender as Mídias Sociais

View more documents from Ana Brambilla
Ebook Comunicação e Marketing Digitais: conceitos, práticas, métricas e inovações

Lucro líquido do Santander Brasil cresce 17,5%

São Paulo - Para o grupo Santander, a economia brasileira continua como principal fonte de retorno financeiro e de investimentos. No primeiro trimestre de 2011, o lucro líquido do Santander Brasil alcançou R$ 2,1 bilhões segundo o critério dos International Financial Reporting Standards (IFRS), o que representa crescimento de 17,5% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Com este valor, o Brasil lidera a participação mundial com 25% no lucro total do grupo e com 58% da distribuição na América Latina. O Reino Unido aparece em seguida, com 18%.

O bom resultado da instituição também reflete a tendência dos grandes bancos no Brasil que, segundo a agência classificadora de risco Austin Rating, deve apresentar crescimento de aproximadamente 15%.

Para o presidente do Santander Brasil, Marcial Portela, o resultado é muito positivo, principalmente em uma situação de recessão em que se encontram os bancos da Europa, principalmente da Península Ibérica (Portugal e Espanha). "O Brasil é uma presença cada vez mais forte e a tendência é de participação melhor no grupo." Em relação ao lucro mundial, o Grupo Santander teve queda de 4,8%, para 2,1 bilhões de euros, valor inferior aos 2,2 bilhões de euros do início de 2010.

O patrimônio líquido final nos primeiros meses de 2011 chegou a R$ 74,7 bilhões, com elevação de 5,6% em relação aos R$ 70,7 bilhões do primeiro trimestre de 2010. Os ativos totais somaram R$ 383,9 bilhões, com avanço de 21,5% ante o mesmo período do último ano. O índice de Basileia apresentou queda de 1,7 ponto percentual em 12 meses, mas continua com valor superior aos 11% exigido pelo Banco Central, ao atingir 22,7%. "Meu objetivo é ter o máximo de capital possível, com o razoável entre capital e rentabilidade, em torno de 20%. O banco tem situação muito forte entre depósito e crédito de clientes, o que é importante para evitar problemas de liquidez", pontuou o vice-presidente.

Assim como o Bradesco, que divulgou balanço na última quarta-feira, o crescimento da carteira de crédito também impulsionou o resultado do Santander Brasil, com empréstimos totalizados em R$ 164,5 bilhões, alta de 2,5% no trimestre e de 17,6% no acumulado de 12 meses. O destaque ficou com crescimento de pequenas e médias empresas, que desde 2010 apresentava positivos resultados e agora teve elevação de 27,7% em um ano e 2,6% nos últimos três meses.

Em seguida aparece pessoa física, que totalizou aumento de 4,9% nos primeiros meses de 2011, para R$ 53,4 bilhões. O financiamento ao consumo apresentou leve queda, de 0,1%, para R$ 26,9 bilhões. No entanto, Marcial Portela não enxerga reflexos imediatos das medidas do Governo Federal para conter o consumo. "As medidas macroprudenciais precisam de um tempo para contemplar os efeitos".

No segmento pessoa física, os produtos que obtiveram maior elevação em comparação com março de 2010 foram o crédito consignado (34,6%), imobiliário (32,2%) e cartão de crédito (28,7%). O vice-presidente observou o bom crescimento do consignado como conseqüência da compra de carteira de crédito, modelo de negócio mais conhecido como cessão de carteiras de bancos de menor porte para maiores. "O Brasil está mais focado em crédito. Mas o sistema bancário tem possibilidade de crescimento em outros produtos e nosso objetivo é buscar também por outros produtos."

Ao ser questionado sobre a preocupação com o aumento da inadimplência, Portela afirmou que o Santander não tem preocupação com o fato. "Se compararmos com o período pré-crise (2008 e 2009), teria que descer um pouco mais a inadimplência. Com as medidas, o crédito fica um pouco mais caro e tem impacto na inadimplência, mas não temos preocupação por enquanto." Pelo critério BR Gaap (Generally Accepted Accounting principles) , o vencimento acima de 90 dias atingiu 4%, com elevação de 0,1 p.p. sobre o trimestre anterior.

Em relação ao setor de seguros, Portela disse que o Santander não tem vocação de seguradora, mas de distribuidora de produtos. A declaração pode justificar a parceria feita com a Zurich Seguros em fevereiro deste ano para seguros de vida, previdência e crédito. Segundo o balanço de resultados, a operação visa a fortalecer a atuação do Santander Brasil no mercado de seguros e lhe gerou um ganho de capital de 21%.

IFRS - Lucro em detalhe

Contabilidade - Análise de Balanço
Escrito por Alexandre Alcantara   
Ter, 26 de Abril de 2011 10:05
Novo padrão de contabilidade obriga as empresas abertas a divulgar alguma medida de lucro por segmento de negócios, o que facilita análise dos resultados
O peso da siderurgia no resultado operacional da CSN caiu de 66% para 56% entre 2009 e 2010. A atividade financeira representou 20% e 25%, respectivamente, do ganho das varejistas de vestuário Riachuelo e Lojas Renner em 2010, e chegou a ser mais representativa que a venda de roupas para a Marisa.

Detalhes como esses sobre a origem do lucro das companhias são uma novidade desta safra de balanços, já sob a égide das normas internacionais de contabilidade, conhecidas como IFRS.
Acionistas e analistas têm agora uma valiosa informação, que até então a maioria delas mantinha guardada a sete chaves: o lucro obtido em cada segmento operacional.

Embora muitas empresas já tivessem o hábito de informar a receita registrada em cada área de negócio, era bem mais raro encontrar essa segregação de dados em medidas como lucro operacional ou até mesmo lucro líquido.

Já era conhecido, por exemplo, que o mercado externo é relevante nas vendas da BRF Brasil Foods (antigas Perdidão e Sadia). Agora, além da informação de que as exportações representaram 40% em 2010, sabe-se também que, em termos de lucro operacional, a contribuição foi menor, de 23% do total, o que revela uma situação mais difícil no mercado externo.
 
Além de mudar as contas do balanço patrimonial e do demonstrativo de resultados, a exigência de publicação de alguma medida de lucro por segmento operacional provoca também um aumento na quantidade de informações que devem ser divulgadas pelas empresas nas notas explicativas.
 
"Quanto maior o nível de abertura melhor", afirma Pedro Galdi, chefe da área de pesquisa e análise da corretora SLW. "A gente não tinha como fazer a análise por segmento antes. São dados internos da empresa", afirma.
 
Reginaldo Alexandre, presidente da regional São Paulo da Associação Nacional dos Analistas e Profissionais de Investimento de Mercado de Capitais (Apimec), lembra que algumas empresas já vinham divulgando dados como esses voluntariamente nos últimos anos, mas que em outros casos os analistas tinham que fazer "malabarismos" para tentar separar os resultados das empresas por área de negócio.

"Isso é bom para ver onde está a melhor economicidade e onde a empresa precisa atuar para aumentar a margem e o retorno para os acionistas", diz.

Mas os investidores não encontrarão essa informação em todos os balanços. Muitas empresas dizem que possuem apenas um segmento e por isso não têm informação para abrir. Entre as 25 maiores por valor de mercado, esse é o caso de Vivo, Telesp, Cielo e Tractebel. Entre aquelas que abriram as informações, o nível de detalhe dos dados também varia.

Nenhuma empresa é obrigada a ter diferentes áreas de negócio. O que o IFRS exige é que as companhias divulguem o lucro por segmento da mesma maneira que ele é apresentado ao principal tomador de decisões da empresa, normalmente seu presidente, para definir medidas estratégicas. Ao dizer que possui um único segmento, a companhia atesta que esse executivo não usa resultados segregados para tomar suas decisões.
 
Fonte: Valor Econômico
 
Definição de segmento será verificada pela CVM
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) vai verificar os critérios usados pelas empresas para definir seus segmentos ou para dizer que possuem apenas uma área de negócio, impedindo a divulgação de lucro de forma quebrada, conforme exigido.
 
A Telesp, que divulga receita de telefonia fixa, transmissão de dados e TV por assinatura, diz que "é preciso não confundir unidades geradoras de receita (ou produtos) com segmentos". A Oi considerou voz e dados um único segmento, mas separou as áreas de internet e TV paga.
Fonte: Valor Econômico
 
 
< Anterior   Próximo >

Accenture identifica novas tendências para Tecnologia da Informacao

Accenture identifica novas tendências no futuro das TIs
Terça, 26 Abril 2011 14:15
O desenvolvimento das redes sociais como fonte de conhecimento para as empresas, o cloud computing como motor do crescimento do negócio e a crescente importância da informação são três das principais tendências de um novo mundo das Tecnologias de Informação que agora começa a emergir. Estas são algumas das conclusões do relatório «Accenture Technology Vision 2011», que identifica oito tendências emergentes que vão desafiar os pressupostos sobre a forma como as TIs estão a definir o ambiente empresarial.«A pesquisa efectuada demonstrou que o mundo das tecnologias da informação não se revê na actualidade» afirma Gavin Michael, responsável mundial pelas áreas de I&D e Alianças da Accenture, que coordenou o projecto. «O papel da tecnologia enquanto mero suporte está a mudar, assumindo agora um lugar de destaque no desempenho do negócio e no enriquecimento da vida das pessoas, como nunca antes aconteceu». Uma das tendências mais significativas que o relatório identifica é o fim da era das aplicações tradicionais. Em alternativa, as plataformas vão ser escolhidas pela sua capacidade de gerir crescentes volumes de informação e pela complexidade da gestão de dados e não pela sua capacidade de suporte a aplicações. As bases de dados relacionais já testadas não irão desaparecer, mas cedo vão começar a dar lugar a outros tipos de bases de dados – como as de streaming, que permitem a transmissão contínua de informação através de redes – um marco que assinala uma mudança significativa daquela que tem sido a prática dos departamentos de TIs e dos utilizadores empresariais durante décadas. «Os executivos vão começar a encarar as aplicações como utilities que estarão sempre disponíveis e ao seu alcance» afirma Pedro Lopes, Partner da Accenture responsável pela área de Tecnologia em Portugal. «Os papéis desempenhados pelas aplicações e dados vão ser invertidos, com a informação a tornar-se a plataforma de suporte às aplicações de serviços. Os executivos vão ser encorajados a reorientar a sua visão das TIs para a ideia de plataformas de dados». O relatório prevê ainda a evolução das redes sociais para as chamadas “plataformas sociais”. Isto significa que os sites institucionais de muitas empresas podem vir a deixar de ser o primeiro ponto de contacto com clientes. Este facto tem o potencial disruptivo de alterar a forma como as empresas conduzem o seu negócio, impondo novos desafios e oportunidades para as TIs. Por exemplo, as “identidades sociais”, fruto do historial de informação que os indivíduos partilham nas redes sociais, vão ser muito mais valiosas para as empresas do que a informação tradicional e isolada que é disponibilizada aquando do registo em sites corporativos. A Accenture identificou ainda uma crescente discussão em torno do cloud computing, que se vai tornar tão difundida que o próprio termo vai ser redundante. De acordo com o relatório da Accenture, as “nuvens híbridas” – software como um serviço (SaaS) e plataforma como um serviço (PaaS) em combinação com aplicações internas – vão reforçar o papel central das TIs no crescimento dos negócios.O desenvolvimento das redes sociais como fonte de conhecimento para as empresas, o cloud computing como motor do crescimento do negócio e a crescente importância da informação são três das principais tendências de um novo mundo das Tecnologias de Informação que agora começa a emergir. Estas são algumas das conclusões do relatório «Accenture Technology Vision 2011», que identifica oito tendências emergentes que vão desafiar os pressupostos sobre a forma como as TIs estão a definir o ambiente empresarial. «A pesquisa efectuada demonstrou que o mundo das tecnologias da informação não se revê na actualidade» afirma Gavin Michael, responsável mundial pelas áreas de I&D e Alianças da Accenture, que coordenou o projecto. «O papel da tecnologia enquanto mero suporte está a mudar, assumindo agora um lugar de destaque no desempenho do negócio e no enriquecimento da vida das pessoas, como nunca antes aconteceu». Uma das tendências mais significativas que o relatório identifica é o fim da era das aplicações tradicionais. Em alternativa, as plataformas vão ser escolhidas pela sua capacidade de gerir crescentes volumes de informação e pela complexidade da gestão de dados e não pela sua capacidade de suporte a aplicações. As bases de dados relacionais já testadas não irão desaparecer, mas cedo vão começar a dar lugar a outros tipos de bases de dados – como as de streaming, que permitem a transmissão contínua de informação através de redes – um marco que assinala uma mudança significativa daquela que tem sido a prática dos departamentos de TIs e dos utilizadores empresariais durante décadas. «Os executivos vão começar a encarar as aplicações como utilities que estarão sempre disponíveis e ao seu alcance» afirma Pedro Lopes, Partner da Accenture responsável pela área de Tecnologia em Portugal. «Os papéis desempenhados pelas aplicações e dados vão ser invertidos, com a informação a tornar-se a plataforma de suporte às aplicações de serviços. Os executivos vão ser encorajados a reorientar a sua visão das TIs para a ideia de plataformas de dados». O relatório prevê ainda a evolução das redes sociais para as chamadas “plataformas sociais”. Isto significa que os sites institucionais de muitas empresas podem vir a deixar de ser o primeiro ponto de contacto com clientes. Este facto tem o potencial disruptivo de alterar a forma como as empresas conduzem o seu negócio, impondo novos desafios e oportunidades para as TIs. Por exemplo, as “identidades sociais”, fruto do historial de informação que os indivíduos partilham nas redes sociais, vão ser muito mais valiosas para as empresas do que a informação tradicional e isolada que é disponibilizada aquando do registo em sites corporativos. A Accenture identificou ainda uma crescente discussão em torno do cloud computing, que se vai tornar tão difundida que o próprio termo vai ser redundante. De acordo com o relatório da Accenture, as “nuvens híbridas” – software como um serviço (SaaS) e plataforma como um serviço (PaaS) em combinação com aplicações internas – vão reforçar o papel central das TIs no crescimento dos negócios.
 

Notícias: Últimas notícias sobre empreendedorismo, varejo, comércio, inadimplência, economia, inovação, mercado, franquias, legislação, eventos, crédito - Pequenas Empresas & Grandes Negócios - NOTÍCIAS - Ex-morador de rua do Alemão hoje é dono de jornal

Notícias: Últimas notícias sobre empreendedorismo, varejo, comércio, inadimplência, economia, inovação, mercado, franquias, legislação, eventos, crédito - Pequenas Empresas & Grandes Negócios - NOTÍCIAS - Ex-morador de rua do Alemão hoje é dono de jornal