Total de visualizações de página

domingo, 8 de maio de 2011

The red ball in sweden

accor eventmovie Germany

The Red Ball in Prague

Ticket Compliments Plus - www.compliments.it

Regala un ticket compliments. L'incentivazione secondo Gian Marco Nuvolo...

Graziella Gavezotti, AD di Edenred Italia

TicketBlog Start!

Metterci la faccia. Un video-post di Michele Riccardi (Dir. Risorse Uman...

TICKET RESTAURANT CARD

Ticket Compliments Universel - www.Compliments.it - 1'20"

Palavra do Itau sobre parceria com o TICKET CAR

O Banco Itáu e a empresa de gestão de despesas de veículos Ticket Car anunciaram parceria para criarem uma nova linha de crédito e de benefícios voltada para o mercado de frotas.

O serviço se chama Compror Ticket Car e funciona por meio de um cartão que pode ser utilizado em mais de 10 mil postos e pontos de venda conveniados à Ticket. Desta forma, os frotistas terão mais facilidade ao financiar bens e serviços como combustível, frete e manutenção.

O cliente também pode contar com a flexibilidade de pagamento a prazo associada ao limite de crédito no Itaú. O produto pode proporcionar uma economia de até 20% na gestão de frotas empresariais e o atendimento personalizado de gerentes do Itaú e da Ticket Car.

De acordo com ambas as empresas, esta parceria deve beneficiar 500 mil transportadores de carga em 2011, o que significa mais de 1,3 milhão de veículos de carga em todo o País. Esses números constituem mais de 400 mil transportadores autônomos e 700 mil empresas de transporte de cargas.

“O setor de transporte de carga vem apresentando crescimento significativo. Por isso, uma das prioridades da área empresas do banco é oferecer serviços específicos para esse mercado, fomentando ainda mais o seu crescimento”, afirma Carlos Eduardo Maccariello, diretor de Produtos Pessoa Jurídica do Itaú Unibanco.

Palavra do especialista

Roberto Pires says:
Oportuno e um grande negocio para o Itaú desenvolver e para a Ticket ampliar carteira de clientes .Imagine só o tamanhodo mercado quando a logistica reversa estiver toda implementada.

Ticket Car e Itaú juntos feito para frotistas

O Itaú e a Ticket Car, líder nacional em gestão de despesas de veículos, anunciam parceria para a criação do Compror Ticket Car, linha de crédito e de benefícios especialmente desenvolvida para o mercado de frotas.  

Por meio do cartão Ticket Car, que pode ser utilizado em mais de 10 mil postos e pontos de venda conveniados a Ticket, os frotistas terão mais facilidade e benefícios ao financiar a aquisição de bens e de serviços - como combustível, frete, manutenção, entre outros -, contando com a flexibilidade de pagamento a prazo associada ao limite de crédito no Itaú, o que melhora o fluxo de caixa das empresas.
Além de usufruir uma ampla rede de postos conveniados, é possível credenciar novos postos de acordo com a logística de transporte de cada empresa. Os frotistas podem acompanhar online o desempenho da frota por meio dos relatórios e painéis de controle, e definir os parâmetros desejados para o melhor controle dos gastos com abastecimento e manutenção.
ainda uma economia de até 20% na gestão de frotas empresariais e o atendimento person
O produto possibilita ainda uma economia de até 20% na gestão de frotas empresariais e o atendimento personalizado de gerentes do Itaú e da Ticket Car.
O uso do Compror Ticket Car elimina o adiantamento de recursos para o motorista e possibilita o gerenciamento financeiro por meio do site Itaú 30 Horas Empresa Plus, ambiente online onde é possível consultar notas faturadas, pagas, financiadas e não financiadas. Tudo isso com segurança, pois as informações dos veículos e das operações são capturadas pelo Ticket Car e enviadas para o Itaú de forma 100% eletrônica.
A parceria beneficiará 500 mil transportadores de carga em 2011, o que significa mais de 1,3 milhão de veículos de carga em todo o País, segundo dados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Esses números constituem mais de 400 mil transportadores autônomos e 700 mil empresas de transporte de cargas.
“O setor de transporte de carga vem apresentando crescimento significativo. Por isso, uma das prioridades da área empresas do banco é oferecer serviços específicos para esse mercado, fomentando ainda mais o seu crescimento”, afirma Carlos Eduardo Maccariello, diretor de Produtos Pessoa Jurídica do Itaú Unibanco. 
A parceria, lançada oficialmente na segunda etapa da temporada 2011 da Fórmula Truck, que aconteceu no início de abril, no Rio de Janeiro, reforça o importante papel do Ticket Car no mercado de frotas. Ao oferecer o serviço, a empresa espera dobrar a sua carteira de clientes do setor até o final de 2011.  Atualmente, o segmento de transporte de cargas corresponde a 30% da carteira de clientes do produto.
“Com esse novo produto, esperamos chegar a 50% do volume de negócios total do Ticket Car. Como o Brasil possui um amplo mercado de transporte de cargas é muito importante estar atento a todas as necessidades do setor. A carência de financiamento é um dos principais fatores que impedem o crescimento desse mercado no Brasil, por isso estamos investindo nessa parceria”, afirma Marco Mamari, diretor de Marketing e Produto do Ticket Car.

Latest Fuel Industry News from Advance Fuel Cards

05.04.11
Managing your fuel requirements is our business
Does your current fuel card provider help you manage your fuel requirements? Advance Fuel Cards aim to provide our customers with the support they need to ensure their businesses' refuelling requirements are simple and cost effective. Our objective is to provide you with superior standards of excellent customer service and satisfaction.

Using our wealth of experience in the fuel card industry, we endeavour to consistently deliver cost effective and flexible solutions that satisfy our customers' requirements.

How can Advance Fuel Cards help manage your fuel requirements?
With Advance Fuel Cards there are no contracts, no charge on cards, minimum purchase or deposits required: you use the card as and when it is convenient for you.

We provide you with the facility to draw diesel at over 1400+ multi-branded sites throughout the UK.

Receive our prices via email or text free of charge each Friday (prior to coming into effect at midnight on the Sunday night): enabling you to monitor and control your fuel costs more effectively.

Diesel is priced at a fixed rate and reviewed weekly: This week our price is 113.49 (exc VAT)some other fuel cards leave you exposed to pump prices and you will not know what you are paying for your fuel until the invoice arrives.

We will supply you with a detailed weekly VAT compliant invoice to reduce your administration burden, showing each transaction by card number, date, time, site location, vehicle registration and the quantity & type of fuel that has been drawn.

Card purchases are restricted to fuels and lubricants only, eliminating unauthorized spending.

We issue you a four-digit PIN,unique to each card, as an added security measure

We have a growing number of satisfied customers and would be delighted to talk to you about how Advance Fuels could assist you in managing the cost and administration of your fuel requirements. If you require any further information please don't hesitate to contact me and I assure you of my prompt and personal attention at all times.

Fuel Cards

Competitive fuel prices from a range of suppliers

We offer superior fuel card management systems, which give our clients access to all the leading oil companies, rather than just one supplier. Accepted all over Australia, our fuel cards will make sure you are always on the road.


Fuel is a key component of any fleet. With Fleetcare’s fuel card your fleet will be managed to perform at the most economical rate.  Fleetcare’s fuel card management is a seamless and efficient solution that reduces direct cost with discounts and indirect costs through efficient reporting. Fleetcare’s fuel cards allow you to keep track of your running costs, while saving administration time with one single itemised tax invoice detailing all fuel purchases at the end of every month.

Benefits you'll enjoy...
Discounted fuel from Australia's largest oil companies all on just one easy Fleetcare invoice.
Driver support 24/7 from one phone number.
Access to our online service station locator and route planner. Find out more about Fleetcare Finder, click here.
Access to resources that monitor and help to reduce fuel-wasteful driving habits.
Minimise the opportunities for fraud through more accurate and clearer reporting.
Report monthly on such measures as shop purchases, high cost vehicles and actual fuel usage compared to the vehicle manufacturer's expectations.
Access to more than 4,500 fuel suppliers Australia-wide using Caltex, BP & Shell cards.
Take control of your vehicle expenses today and introduce better fuel management principals into your business using fuel cards by Fleetcare.

Want to find out more about Fleetcare Fuel Cards?
Simply click here or call 1300 655 170 and speak to one of our friendly customer service consultants.

Getting the most out of Fuel Cards

The humble fuel card has, for many Australian businesses, replaced company credit cards and cash in an effort to allow accounts departments generate a clearer picture of how much fuel is costing their respective businesses. Fuel cards simply add up all the fuel purchases made by a business and charge monthly through a standard invoice. 

While most businesses are content with the standard benefits (discounts, reduced administrative cost, reduction in fraud along with increased transparency and efficiency) there are some who are getting more out of the cards. There has been a rise in businesses that are using fuel card report figures, in conjunction with other business figures, to peer even deeper into cost management and cost efficiency.

At Fleetcare we took a close look at five of the most popular ways to get even more from fuel cards and fuel card reports;

1. Changing driver habits; by reporting what days users fill up businesses can establish if bad habits need to be broken. Significant savings can be made by encouraging staff to fuel up on less expensive days during the week (with the exception of Friday). Good fuel card reports should allow you to pull this data and isolate those drivers who are not considering the savings that can be made.

2. Forecast fuel costs; by analysing fuel card report trends businesses can start to understand consumption and cost patterns. Smart companies will include this in account forecasting in order to create more accurate budgets and cash flows. Without understanding these trends companies can be caught in a cycle of under or over forecasting for specific times of year where fuel use may be significantly higher or lower than average.

3. Encourage fuel efficiency; with the help of odometer readings and manufacturers guidelines, fuel card reports can assist in understanding which drivers are wasting fuel with bad driving habits. Businesses can use the reports to scoreboard, compare and incentivise drivers to get more from their litres of fuel. To put this in perspective its worth remembering that a driver can save more than 20% of fuel by engaging in some very simple fuel efficiency tips.

4. Navigation testing; Fuel card reports can also help businesses understand the most fuel efficient ways to navigate between locations; this will however require other tools such as GPS and odometer readings. This knowledge is especially important when it comes to frequently travelled routes (like from your store to your warehouse for example).

5. Finding underperforming vehicles; by using odometer readings, driver feedback and fuel card reports companies can isolate vehicles which are unfit or inefficient for use in specific circumstances. This is especially important where specific cars are consistently consuming excessive fuel. Identifying these gas guzzlers can save business significant amounts into the future.

To find out more about Fleetcare’s fuel cards please check out our fuel card page.

Do you use fuel cards for accounting purposes?

If you have any other novel or insightful ways of getting more from your fuel card please tell us below.


 

DOAS and OPB Publish Statewide Fuel Card Standards and Guidelines

The Department of Administrative Services’ (DOAS) State Purchasing Division (SPD) and Office of Fleet Management (OFM), in cooperation with the Office of Planning and Budget (OPB), have published new, comprehensive Statewide Fuel Card Standards and Guidelines effective this month. The Standards provide guidance on the proper use and oversight of the Wright Express fuel card administered by DOAS. The fuel card is a charge card “designed to enable authorized State of Georgia employees to make fuel purchases for vehicles and equipment used for official state business.”

The new standards represent a significant rewrite of the previous fuel card policy that was part of the Georgia Fleet Management Manual. The Standards provide detail on the allowable uses of the “Gold Card” used for passenger carrying vehicles and other “vehicles and equipment capable of tracking meter readings” such as usage hours or mileage as well as the “Red Card” which will now be used in a much more limited and controlled capacity. With budget cuts and increased attention to spending, it is more important than ever to set clear standards on the allowable and prohibited uses of the cards. The ultimate goal is to define how, when and by whom the cards may be used and limit the possibilities of fraud and misuse of the cards.

In addition to the creation of specific guidelines and requirements for use, the Intergovernmental Services Agreement between DOAS and OPB will bring the strategic management and oversight of the fuel card program under a partnership between the office of the State Cards Program Manager and the Director of Fleet Management. Additionally, this agreement will call for the DOAS Process Improvement and Audits team to conduct “periodic reviews of the programs at entities under SPD purchasing authority.” According to the new standards, these reviews will “focus on the level of compliance with State Standards and Guidelines, adequacy of and compliance with internal policies and procedures, and evaluation of internal controls.”

As with the state’s purchasing card program, this approach to the proper management and oversight of the program will focus on identifying potential misuse of the cards and will result in more in-depth audits, which in turn will lead to investigations as needed. The project has already led to the discovery of two cases of misuse of the fuel cards that are under criminal investigation. The fuel cards are subject to the same standards as the purchasing cards under state law, which says “It shall be unlawful for any person to obtain for his or her own personal benefit, or for the benefit of any other person, any goods, services or other things of value, through any resource or method established pursuant to this article, including, but not limited to, purchase orders, government contracts, credit cards, charge cards or debit cards” (O.C.G.A. § 50-5-80 (b)).

Highlights of the new Standards include:

Definitions of the two card types and their specific uses
Detailed requirements for the issuance, use and management of Personal Identification Numbers (PINs) assigned to card users
Specific prohibition of the use of the cards for personal purchases
Descriptions of the roles of the various program participants including the card users, approving officials and program administrators
Explanation of the allowable and prohibited uses of the cards
Detailed information on Fuel Card program compliance as well as program specific safeguards
With proper use and management, the State of Georgia Fuel Cards remain a valuable procurement tool for the state. The cards are accepted at over 7,000 locations throughout the state and provide users with a reliable method of payment for fuel and minor services while conducting state business. The program facilitates the gathering of vital information and reporting used in the management of the state’s fleet of vehicles and equipment, enables the systematic removal of applicable taxes, and provides for the prevention of fraud and misuse through the use of system settings and monitoring software capable of preventing inappropriate use and identifying policy violations. Entities using the program will be required to adhere to the Statewide Fuel Card Standards and Guidelines and utilize the system features under the guidance of SPD and OFM.

Nova tecnologia de chips da intel pode estimular setor móvel

(Fonte da imagem: Intel/Reprodução)

Reuters. Por Noel Randewich e Paul Sandle - A Intel mostrou na quarta-feira uma tecnologia de nova geração que permite aumentar o número de transistores em um microchip, e aposta em que ela permitirá que recupere seu atraso no aquecido mercado de tablets e smartphones.

A Intel acredita que a nova tecnologia, desenvolvida sob o codinome Ivy Bridge, deva entrar em uso para a produção de chips para computadores pessoais e servidores no final de 2011, e posteriormente a empregará para produzir processadores melhores para aparelhos móveis.

A tecnologia de ponta --que a Intel diz constituir avanço revolucionário ao trocar os circuitos planos por um modelo tridimensional-- pode no futuro representar rival para a ARM Holdings, cuja tecnologia é a preferida para os chips usados em aparelhos como o iPad, da Apple.

Os processadores da Intel servem como cérebro para mais de 80 por cento dos computadores pessoais mundiais, mas não encontraram espaço no mercado de smartphones e tablets, e a maior fabricante mundial de chips está na corrida para recuperar o atraso.

"Isso é necessário mas não suficiente. Há muitas outras coisas que precisamos fazer", disse Dadi Perlmutter, vice-presidente executivo da Intel, a jornalistas.

Alguns analistas acreditam que a arquitetura de chips característica da Intel, conhecida como "x86" e criada inicialmente para propiciar desempenho de alta qualidade em computadores pessoais, seja inerentemente inadequada para aparelhos móveis, nos quais o uso eficiente de energia é um fator decisivo.

Outros dizem que a assim que a Intel, provida de amplos recursos para bancar pesquisa e desenvolvimento, se ajustar à busca de processadores com maior eficiência energética, sua tecnologia de produção permitirá que salte à frente e se torne concorrente séria nos segmentos de smartphones e outros aparelhos móveis.

"Com a convergência entre computadores, smartphones e tablets, a Intel claramente quer se expandir além de sua base nos computadores. A questão é determinar se são capazes de desenvolver um processador com eficiência energética suficiente para ser competitivo no mercado móvel," disse Adrian Bommelaer, analista da Matrix.

ÔNIBUS: parecer técnico da USP contesta edital de licitação do transporte em Rio Claro

de licitação do transporte em Rio Claro
USO DE ÔNIBUS LONGOS COM MOTOR TRASEIRO COMO PREVÊ O EDITAL DA CONCORRÊNCIA ABERTA PELA PREFEITURA É INVIÁVEL PARA RIO CLARO

JORNAL CIDADE

Prefeitura tem semana decisiva para a licitação do transporte coletivo em Rio Claro. Recurso da Rápido SP será julgado

Marcelo Lapola

Um estudo feito pela Escola de Engenharia de São Carlos da USP aponta para a impossibilidade da empresa que vencer a licitação do transporte coletivo em Rio Claro utilizar ônibus longos (13,5 metros) com motor traseiro. O uso desse tipo de veículo consta no edital da concorrência do transporte coletivo no município.

O estudo foi feito pela Fipai (Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial), órgão filiado à USP, a pedido da empresa Rápido São Paulo.

Atual operadora das linhas de ônibus em Rio Claro, a Rápido SP participa da disputa com a empresa Expresso Infinity da licitação aberta pela prefeitura.

Nesse estudo, assinado pelo professor Antônio Clóvis Pinto Ferraz, doutor em engenharia de transportes e livre-docente da USP, foi feito um levantamento detalhado, com material fotográfico inclusive, das condições de trânsito de ruas em diversos pontos do município.

"A operação com ônibus longo somente é indicada em vias com pavimento regular e em bom estado de conservação, pois a existência de irregularidades e/ou diferenças de níveis faz com que a parte inferior da carroceria se choque com a superfície de rolamento, provocando danos ao veículo e ao pavimento", explica o texto do levantamento.

Com base nessas argumentações, e na avaliação das ruas de Rio Claro, a cidade foi considerada inapta a ter em operação os ônibus longos com motor traseiro.

"No caso da cidade de Rio Claro, as seguintes características negativas, relativas à infraestrutura viária, estão presentes nas vias por onde passam os ônibus: inúmeros trechos não pavimentados em diversas linhas, existência de valetas pronunciadas em muitos cruzamentos, presença de muitas lombadas pronunciadas e diversos locais onde o pavimento tem buracos e irregularidades", aponta o parecer técnico.


TARIFA

O levantamento feito pelo professor da USP mostra ainda que, em caso de utilização de ônibus longos no município, haverá a necessidade de se aumentar a tarifa cobrada dos passageiros, também levando em conta o tempo de uso de cada ônibus exigido no edital da licitação.

"A substituição dos ônibus convencionais atuais da frota por veículos longos com plataforma baixa, motor traseiro e idade entre um e dois anos (como especificado no edital da licitação) leva a um aumento de 39,2% no custo por quilômetro e na tarifa", constata a pesquisa.


OUTRO LADO

Em resposta ao assunto, a assessoria da prefeitura afirmou à reportagem do JC que tem conhecimento desse parecer técnico da USP. Segundo a assessoria da prefeitura, antes da elaboração do edital da licitação do transporte coletivo houve um estudo, um parecer técnico para verificar a viabilidade do uso de ônibus longos.

"Coube à empresa IPK Engenharia realizar esse estudo. Frise-se, ainda, que o edital foi elaborado de acordo com as normas mais atualizadas que orientam a confecção desses procedimentos. O uso de ônibus longo com motor traseiro foi mantido no edital.

Venda de caminhões cresce 88% comparado ao ano passado

Clientes esperam até dois meses para comprar veículo

07/05/2011 - 20:11
EPTV
Alterar o tamanho da letra A+A-

A venda de caminhões em Ribeirão Preto cresceu 88% em abril, comparado ao mesmo mês do ano passado, segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores.

No período, a cidade comercializou 83 veículos, contra 44 vendidos em abril de 2010.

Durante os quatro primeiros meses do ano, também houve um aumento, desta vez de 23% e com o aquecimento no mercado, muitas vezes os clientes esperam até dois meses por alguns modelos.

Segundo o gerente de uma empresa do ramo, Leandro Cruz, o aumento das vendas está diretamente ligado as novas normas de emissão de poluentes, válida a partir de 1º de janeiro de 2012.

“As normas do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), deixa os caminhões 15% mais caros, porém melhora muito o desempenho do veículo”, diz.
 
 

Marco Mamari: Fotos do Ticket Car na etapa da Formula Truck do R...

Marco Mamari: Fotos do Ticket Car na etapa da Formula Truck do R...

Marco Mamari: Fórmula Truck 2011 2ª Etapa Rio de Janeiro-RJ - Eq...

Marco Mamari: Fórmula Truck 2011 2ª Etapa Rio de Janeiro-RJ - Eq...: "Nova versão!!!"

TICKET CAR TRUCK NA INDY 300

Nunca diga “Eu não tenho concorrentes"

Semana passada fizemos a escolha dos 10 projetos finalistas do Tire do Papel 2010 (confira a lista). Dentro desse processo, um dos critérios mais importantes era analisar a capacidade do empreendedor em avaliar sua concorrência.
Ao ouvir “Não temos concorrentes”, existem 3 possíveis reações:
  1. “Se não existe oferta de concorrentes, também não existe demanda. Esse produto não tem mercado”
  2. “Esse cara não fez uma boa análise de mercado
  3. “Caramba! Tenho um verdadeiro revolucionário na minha frente! Preciso pedir um autógrafo!”
Mesmo na 3a reação, algo revolucionário significa que o mundo ainda não está preparado para essa inovação e será necessária uma grande quantidade de tempo e dinheiro para esse produto entrar no mercado.
Ou seja, não ter concorrência é sempre o caminho mais difícil.
Concorrência é natural
Sempre haverá alguém que já está onde você quer ficar
Considere produtos alternativos ao seu
Imagine que você vendeu sua empresa e agora está nadando em dinheiro. Ao avaliar opções de impressionar as pessoas, você pode tanto comprar uma Ferrari quanto uma lancha.
Apesar de serem produtos diferentes, eles satisfazem uma demanda parecida (diversão e status social). Isso é o que o guru Michael Porter chama de a ameaça dos substitutos (veja mais sobre as forças de Porter).
Um exemplo muito comum sobre produto revolucionário é o Twitter. Porém, muito antes dele as pessoas já publicavam mensagens sobre o que estavam fazendo em seu status do MSN. Indo mais longe, os homens das cavernas já pintavam nas paredes “Comi um búfalo hj e tava bom d+! Tenho pena de quem ñ sabe fazer ferramentas de pedra #prontofalei”.
Concorrentes servem para te dar uma referência
Ser único não quer dizer que não existe concorrência. Analisar seus concorrentes serve para chegar a conclusões do tipo “Hoje o cliente compra desse cara. Amanhã ele vai comprar de mim porque sou melhor nos aspectos X, Y e Z”.
Não ter absolutamente nenhuma referência é pedir para seu cliente pensar “Hoje eu vivo muito bem sem isso, por que eu compraria esse produto?”.
Entrar em um mercado já é difícil, criar um mercado novo é quase impossível
Ao ler livros sobre estratégia e inovação (confira uma resenha sobre A Estratégia do Oceano Azul) é comum pensar “Mercados existentes são difíceis de entrar. Vou criar o meu e ser feliz!“. Porém, esse pensamento dificilmente fará sua empresa gerar caixa suficiente para sobreviver ao tempo necessário para criar um novo mercado.
Ao invés disso, existem 2 formas muito mais fáceis de se afastar da concorrência:
  1. Reposicionamento de mercado através do preço – Se você tiver um produto que “dá pro gasto” e é muito mais barato (só um pouco não adianta, tem que ser muito mais barato), você consegue trazer novos clientes para o mercado ao invés de ter que roubá-los dos concorrentes.
  2. Reposicionamento de mercado através do nicho – Produtos de massa tem um problema: são produtos de massa. Algumas pessoas estão dispostas a pagar mais caro por um produto/serviço desde que ele seja personalizado para sua demanda. Esse tipo de cliente está disposto a pagar mais caro por algo que satisfaça sua demanda de forma muito melhor do que o concorrente (só um pouco não adianta, tem que ser muito melhor).
Conclusão: Conheça a concorrência, mas seu foco é o cliente
Falei tudo isso para chegar à conclusão de que você precisa ignorar a concorrência.
Conhecer os concorrentes é essencial para sua estratégia, mas ser obcecado por eles só serve para te deixar um passo atrás. Se você quer liderar, ouça o cliente e ignore a concorrência (veja mais sobre como ouvir o cliente).
Abraços,
Millor Machado (conhecendo meus concorrentes para depois ignorá-los)

Análise de mercado, fundamental no desenvolvimento de produtos

Apesar de ser praticamente um super-herói, existe um poder que o empreendedor não tem: prever o futuro. Pra compensar isso, existe uma ferramenta muito interessante para diminuir os riscos do desenvolvimento de um produto ou serviço, a análise de mercado.
Análise de mercado é fundamental no desenvolvimento de produtos
Encaixar oferta com demanda é essencial
A análise de mercado te ajuda a minimizar riscos
Como seu nome não é Bond nem seu segundo nome é “perigo”, tenho certeza que você não gosta de correr riscos. Ninguém gosta!
A ideia de que o empreender é um fanático por riscos é equivocada. O empreender não ama riscos, apenas o tolera, já que ele é inevitável para construir uma megaultrapowerplus empresa.
A análise de mercado e o contato direto com seu cliente em potencial são as melhores formas de diminuir esse risco, simples assim.
Uma boa análise de mercado te força a pensar nos principais aspectos do seu negócio
Além de colher informações do cliente em potencial, o processo de planejar uma análise de mercado te força a pensar em questões como “O que as pessoas mais gostam no produto que quero oferecer?”, “Quanto elas pagariam por isso?” e “O que é realmente essencial no meu negócio?”.
Essa reflexão te dá base para tomar decisões mais sábias, já que você precisou parar pra pensar, coisa que nem sempre acontece no mundo dos negócios.
A análise de mercado te aproxima de seus entusiastas
Em 27 de cada 10 artigos, falamos que é importante ter um contato próximo com seus entusiastas, aqueles que amam sua empresa e fazem a propaganda boca-a-boca (leia mais).
Ao sentir que sua opinião é relevante para a empresa que tanto amam, a felicidade dos entusiastas só aumenta, o que traz um ciclo positivo de fortalecimento da sua marca.
Conclusão
Apesar de ser assunto batido em qualquer conteúdo sobre empreendedorismo, é impressionante como as empresas simplesmente não fazem uma análise de mercado. Vai por mim, uma boa análise de mercado te dará informações que te deixarão anos-luz na frente da concorrência.
Para se aprofundar no tema, confira nossa sessão análise de mercado.

Desenvolvimento de produtos: Como se inserir no mercado

Digamos que você tenha desenvolvido um megaultramaster produto, a pergunta que fica é: Como fazer com que esse produto seja conhecido e comprado por um trilhão de pessoas?
No caso da Empreendemia, começamos a empresa sem conhecer absolutamente ninguém do mercado de redes sociais e em pouco menos de um ano conseguimos criar uma marca forte, o que facilitou muito a entrada do nosso produto no mercado.
Pra aproveitar o momento nostalgia, confira uma foto do primeiro dia de trabalho da Empreendemia.
Como se inserir no mercado
Muitos tentam, poucos conseguem
Sua reputação é tudo que você tem
Apesar das diversas teorias sobre o que é uma marca, para nós marca = reputação. Ou seja, a marca representa a percepção que as pessoas (mercado) têm sobre sua empresa.
Como bom empreendedor alça-de-botas, você precisa ter em mente a seguinte frase:
“Minha reputação irá me seguir onde eu for, investirei nela todos os dias e a protegerei ferozmente.” Seth Godin
Acima de qualquer campanha publicitária, sua marca é construída a partir do seu trabalho no dia-a-dia.
Pegue uma carona com quem já tem reputação
Além de colher feedbacks sobre o conceito do nosso produto, sabíamos que os experts do mercado poderiam nos apresentar a outros experts e ajudar muito na construção da marca.
Para conseguir o contato desses seres de outro mundo chamados de experts, usamos a boa e velha cara de pau. “Oi Sr. Norris! Tudo bem? Temos um projeto e queremos ouvir seus feedbacks. Podemos marcar uma conversa para te apresentar a ideia?“.
Depois de conquistar a simpatia de um expert, pedíamos indicações de outras pessoas que poderíamos conversar. Essas indicações facilitaram muito todo o processo. Veja mais no artigoA importância do contato com os experts.
Comece a vender o mais rápido o possível
Olhando pra trás, uma das poucas coisas que posso dizer que poderíamos ter feito diferente foi a escolha do momento em que começamos a vender. Podíamos ter começado muito antes.
Mesmo que a empresa tenha capital suficiente para sobreviver sem vendas, ter clientes pagantes é o maior indicador de que seu produto está indo no caminho certo. Anda digo mais, você não precisa esperar seu produto estar pronto para começar a vendê-lo.
Nossa primeira venda foi feita na época em que tudo que tínhamos era um desenho de como seria o Empreendemia Premium. Nosso trabalho anterior de construção de marca foi essencial para que Rafael Zatti, nosso primeiro cliente, confiasse em nosso produto mesmo antes dele estar pronto. Além disso, ainda fez questão de registrar que foi nosso primeiro cliente (confira). Valeu Rafael!
Conclusão: Construa sua marca muito antes do lançamento do produto
Uma coisa é fato: seu produto vai demorar mais do que você esperava para ficar pronto. Sabendo disso, comece a conversar com o maior número possível de pessoas e construa sua marca o mais rápido o possível. Isso facilitará muito seu lançamento.
Além disso, se você quiser se aprofundar no tema e contar com nossa ajuda para desenvolver seu produto, faremos agora em dezembro o curso online Mockup – Desenvolvimento de Produtos sem enrolação em que contaremos como foi o processo de desenvolvimento do Empreendemia e compartilharemos as lições aprendidas.
Se você ainda não se convenceu, confira os depoimentos sobre a primeira turma do Mockup.
Para dar uma atenção especial a todos, as vagas são limitadas. Por isso, inscreva-se já! Confira mais informações sobre o curso.

A importância da supervisão adulta para o empreendedor

Hoje revelarei 2 coisas que provavelmente você não sabe:
  1. A Empreendemia tem 2 conselheiros, Alexandre Neves (CEO da Kaizen) e Pablo Cavalcanti (CEO da Inmetrics)
  2. O Rei Leão é um dos meus filmes preferidos
Ontem tivemos uma reunião de conselho e resumindo, o que eles nos disseram foi “Simba, seu reino vai até onde o sol toca. Porém, um cemitério de elefantes não é lugar para crianças”.
Se você ainda não tem conselheiros e mentores, confira as principais vantagens de ter supervisão de um adulto na selva empreendedora.
“Quero ser que nem ele quando eu crescer!”
Adultos te ajudam a focar no que é importanteO mais divertido das nossas reuniões de conselho é a empolgação que temos ao apresentar diversos resultados, depoimentos de clientes felizes, impacto na sociedade, etc. e a resposta deles ser “Tá bom. Tá bom. E as vendas?”.
Lógico que eles valorizam nossos avanços e nos dão apoio, mas a questão é que como uma organização com fins lucrativos, o fim é o lucro. Todo o resto é um meio para alcançar o lucro.
Fica então a reflexão, todas suas iniciativas são muito bacanas, mas elas têm trazido os resultados que você esperava?
Hakuna Matata não existe na vida realNa medida do possível, somos extremamente realistas com nosso planejamento. Porém, uma visão externa ajuda a mostrar que é possível morrer na praia e isso nos força a pensar em formas de evitar isso.
Assim como o vinho, uma dose periódica de realidade faz muito bem ao coração do empreendedor.
A maioria das limitações não existe na vida realPor outro lado, muitas coisas que pensamos ser impossíveis ou dificílimas, eles simplesmente falam “Monta o projeto que a gente dá um jeito”.
Essa ideia é bem representada por uma excelente frase de Henry Ford:
Se você pensa que pode, ou que não pode, de qualquer maneira você está certo
Conclusão: Ouça quem já esteve por “lá”Digamos que você esteja planejando uma viagem. Sua primeira ação é conversar com conhecidos que já estiveram lá, certo? O mesmo vale para uma viagem pela selva empreendedora.
Se eu pudesse dar apenas uma dica sobre como desenvolver as características do empreendedor, ela seria: Aprenda o máximo possível com empreendedores mais experientes.

12 dicas para falir a sua empresa

Este texto faz parte da coluna da Plataforma Brasil feito especialmente para os leitores do Saia do Lugar.
Você deseja falir? Evidentemente que não. Quem desejaria isso em sã consciência?
Certamente ninguém.
As consequências seriam evidentemente desastrosas, envolvendo complicações jurídicas de toda ordem e danos ao patrimônio pessoal, sem contar com a sensação de um trator passando por cima da sua auto-estima empresarial.
Para abordar o assunto, escolhemos uma forma pouco usual. Vamos correr na direção oposta da solução, mostrando justamente quais são as atitudes, métodos e práticas que podem transformar o seu sonho empreendedor em um pesadelo.
Observe:
1-  Ao fechar o primeiro grande contrato, inunde a sua percepção de que de agora em diante tudo vai dar certo e passe a gastar por conta, tendo a certeza de que muitos outros virão.
2- Se você está começando e antes trabalhava em uma grande empresa como executivo, de forma alguma deixe de lado as comodidades de antigamente. Jamais comece a sua pequena empresa sem uma boa secretária bilíngue, nunca se estabeleça em um endereço modesto com um pequeno espaço, e invista pesado na decoração.
3- Logo no início, independentemente do porte do seu negócio ou mesmo da necessidade, trabalhe duro para adequar a sua cultura empresarial aos modismos de gestão da ocasião. Persiga-os nas publicações especializadas, investindo tempo e dinheiro nisso.
4- Não se preocupe em ter um bom contador, e não perca tempo com a questão administrativa e documental.
5- Mantenha sempre um cego e exuberante otimismo, pois ser pragmático e cuidadoso representam comportamentos retrógados e conservadores que em nada representam os novos tempos de crescimento ininterrupto e progresso sem fim. Não peca o seu tempo avaliando os riscos, e deixe de uma vez por todas os pensamentos negativos para trás.
6- Reaja com irritação, sempre que escutar um relato ou análise sobre determinado problema, que não coincida com a sua opinião.
7- Peça sugestões para os problemas e questões da empresa, mas ao escutá-las apoie apenas e exclusivamente aquelas ou aquela pessoa que expressou ideias que coincidam com as suas.
8- Fortaleça e promova única e exclusivamente, os colaboradores que lhe dirijam elogios, reconhecimento, aceitação e apoio como chefe.
9- No trato com seus colaboradores e ao transmitir instruções ou orientações, não seja prático ou direto. Adote uma comunicação oblíqua, difusa, holística e rarefeita. Abandone para sempre o hábito da objetividade.
10- Combata as atitudes e posicionamentos dotados de personalidade e senso crítico, promovendo sempre o “senso comum” e as “frases de efeito”.
11- Não admita em nenhuma hipótese os erros que você mesmo cometeu. Isso pode enfraquecer a sua liderança.
12- Desaprove com vigor aqueles que assumem os seus próprios erros, por mais honestos que sejam, afinal de contas o sua empresa nasceu para ser grande e por isso mesmo é um lugar para profissionais perfeitos.
A lista poderia ser mais longa e de um humor ainda mais ácido, mas se conseguir evitar as situações que descrevemos, estará dando um decisivo passo para a prosperidade e  solidez do seu negócio.
Boa sorte.
Gustavo Chierighini, da Plataforma Brasil

Caso: Como desenvolver seu produto ouvindo o cliente

O caso de empreendedorismo foi contado por Helton Marinho, diretor da Ninsas
Há uns quatro meses atrás, tivemos a brilhante idéia de desenvolver um produto que substituísse/complementasse o serviço de Delivery oferecido por muitas empresas do Brasil. Já tínhamos identificado que o telefone era um vilão dessas empresas, pois ocupava muito tempo dos atendentes e consumia muitos créditos dos consumidores com telefone pré-pago (mais de 80% do mercado).
Resolvemos então desenvolver um produto que funcionasse na Web semelhante a um catálogo de produtos, aonde o consumidor pudesse escolhe os produtos e solicitar a entrega com toda comodidade que a Internet proporciona.
Tudo simples e fácil. Sem instalar Software, sem burocracia, sem alto investimento para os estabelecimentos, ou qualquer barreira. Porém até então ninguém entendia nada do mercado de Delivery.
Estabelecimento divulgando o Netentregas
A solução encontrada foi falar com quem entende do negócio e tem visão. Neste momento resolvi conversar com o meu amigo Guilherme Assis, proprietário da Pizzaria & Lancheria Helpde Araranguá/SC, que mais tarde se tornou o meu primeiro cliente Netentregas.com. A postura adotada na conversa foi “Eu quero feedback, não quero vender nada”, assim como recomendado no episódio do Empreendecast: Como criar sua empresa sem investir quase nada.
Como ninguém entendia nada de Delivery, o Guilherme Assis teve o papel de Guru neste projeto. Foi a pessoa responsável por apresentar as reais necessidades deste mercado, além de aprovar/reprovar cada detalhe dos protótipos desenvolvido.
Nestes quatro meses de trabalho aprendemos que as pessoas gostam de participar, de opinar, de mostrar seu ponto de vista e de conversar. Talvez não consigam passar a informação corretamente, mas estão dispostas. Aproveite isso! E sendo um bom ouvinte, você dá oportunidades para você mesmo. Nós, por exemplo, conseguimos a consultoria grátis com o Guilherme que se interessou tanto pelo produto que comprou.
Espero que eu tenha conseguido passar um pouco sobre “o que é ser empreendedor” e os desafios de fazer algo bem diferente.
Quem estiver interessado em conhecer o nosso trabalho, confira www.netentregas.com.

17 dicas para montar seu negócio com o mínimo de investimentos

Este texto faz parte da coluna da Plataforma Brasil feito especialmente para os leitores do Saia do Lugar.
A vida de livre empreendedor pode atrair muito. A lista de motivos é extensa: Liberdade profissional, controle da própria agenda, o controle e a condução dos rumos do próprio trabalho, a garantia de não ser descartado do mercado quando atingir mais de cinquenta primaveras, a possibilidade de ganhos substanciais, etc, etc, etc.
De fato tudo isso é verdade, mas o contexto do empreendedorismo é significativamente mais complexo, e nessa hora é necessário observar o outro lado da história, repleto de ameaças e variáveis incontroláveis. É isso, nada é perfeito.
Portando, não precisamos de bolas de cristal, nem de videntes e muito menos de gurus do blá, blá blá para sabermos que uma das melhores formas para se fazer frente ao incontrolável é um boa liquidez financeira. Sei que não é coisa fácil, mas se não a temos, ao menos podemos ser econômicos na hora de empreender.
empreendedor iniciante
Seguem então algumas dicas para quem está começando, e sente calafrios ao pensar nas despesas iniciais:
  1. Tente iniciar sua vida de empresário com negócios que demandem o mínimo de investimentos em equipamentos, estoques e estruturas comerciais ou de processamento onerosas;
  2. Olhe com carinho para as atividades que podem nascer da sua própria qualificação profissional;
  3. Ao montar seu modelo de negócios pense nas estruturas de soluções que sua capacitação pode desenvolver e oferecer;
  4. Não se importe em começar com estrutura mínima. Admita a possibilidade de trabalhar em um “home office”, desde de que tenha disciplina para tanto e não seja seduzido pela proximidade da geladeira ou da cama do seu quarto;
  5. Analise os serviços de escritórios virtuais disponíveis. Em alguns deles, você poderá contratar a recepção personalizada de uma telefonista que lhe encaminhará os recados, e locar sempre que necessário uma sala para reuniões;
  6. Desenvolva parcerias estratégicas com empresas mais consolidadas e bem instaladas, a partir de uma relação de complementariedade. Isso permitirá o compartilhamento de ambientes corporativos estruturados, além de possibilitar o intercâmbio técnico entre equipes;
  7. Estude as várias opções de serviços de telefonia e internet. Elas estão disponíveis para todos os bolsos, mas sem uma boa pesquisa é impossível contratar corretamente;
  8. Tome cuidado com os custos mensais constantes, ou custeio para os mais clássicos. São eles que podem fragilizar a sua sustentação financeira caso não conte com entradas mensais também recorrentes;
  9. Desenvolva soluções que uma vez comercializadas tragam remuneração constante.;
  10. Trabalhe para que essa solução possibilite uma atuação replicável e em escala;
  11. Contrate um bom contador;
  12. Tenha sempre em mente (se possível bem documentado e formatado) o seu planejamento de negócios. Encare o momento inicial como a fase preliminar de uma história que está nascendo;
  13. Esteja pronto para uma jornada de longo prazo;
  14. Mas desenvolva fontes de receita para o curtíssimo, o curto, e o médio ou longo prazo;
  15. Reúna parceiros de confiança, e que compartilhem ideias parecidas. Juntos serão mais fortes e institucionalmente mais respeitados;
  16. Faça contato com ambientes que reúnam pessoas como você, e se aproxime de instituições que apoiem o empreendedorismo. Desse conjunto podem nascer boas parcerias, os primeiros contratos e soluções interessantes;
  17. Seja disciplinado e cuidadoso com a sua disponibilidade de tempo, uma vez que terá que se multiplicar por muitos, a não ser que deseje bancar o custo fixo de dois ou três colaboradores. Nunca a máxima “tempo é dinheiro” fará tanto sentido.
Boa sorte e até o próximo.
Gustavo Chierighini, da Plataforma Brasil

Liderança: dicas para contratar pessoas

Este texto faz parte da coluna da Plataforma Brasil feito especialmente para os leitores do Saia do Lugar.
Já tratamos aqui sobre vários temas que navegam pelo cotidiano corporativo. Antiempreendedores e lideranças infantis não tiveram sossego nos nossos textos. Atacamos as modinhas inúteis de gestão e a enrolação corporativa de uma forma geral. Tudo bem, a intenção foi e continuará sendo abordar a vida empresarial sobe uma ótica crítica e dissociada do chamado “lugar comum”, do óbvio gritante de todo dia.
Mas o fato é que esse enfoque objetiva, antes de tudo, abastecer você (um empreendedor ou um aspirante a ser dono do próprio nariz) com inspiração e conteúdos, que colaborem nessa jornada caótica mas imensamente realizadora, que é transformar projetos e ideias em pura e tangível realidade.
No entanto, nada disso é possível se você não puder contar com uma equipe dotada dos mesmos conceitos e valores. Ou seja, considerando que os sócios e parceiros já foram localizados, chegou a hora de contratar as pessoas certas. Foi pensando nisso, que elaboramos um conjunto de dicas para auxiliá-lo nessa perigosa e arriscada missão.
Vamos lá:
1 – Tenha total clareza do perfil e das habilidades que deseja encontrar no seu futuro colaborador.Esse é o passo fundamental para a pré-seleção produzir uma boa lista de opções, e evitar trazer para uma startup, alguém cujo sonho desde os dez anos de idade era o de entrar em uma grande empresa depois de formado e, após trinta e cinco anos de serviços prestados, receber um relógio de ouro como reconhecimento.
2 – Evite os bajuladores. Essas pessoas tendem a dizer sempre aquilo que você quer escutar. Pode ser até confortável de vez em quando, mas geralmente não funciona e acaba por infantilizar os outros colaboradores, transformando o seu ambiente de trabalho num ninho de enroladores, loucos para agradar o chefe, mas sem produzir nada de realmente importante.
3 – Durante o processo de entrevistas busque a sinceridade, e não aceite frases feitas, tais como “vou vestir a camisa da empresa”. Não acredite nisso, ninguém veste a camisa de ninguém, as pessoas trabalham pelas suas próprias realizações (vestem as próprias camisas). Sendo isso uma realidade, o segredo é convergir os propósitos da empresa com as aspirações das pessoas que deseja contratar. Essa abordagem honesta e realista acaba por atrair profissionais mais verdadeiros, resultando num ambiente de trabalho mais honesto e sólido.
4 – Não prometa nada que não possa realmente cumprir. Isso é fundamental para estabelecer uma liderança respeitada.
5 – Questione com objetividade, tentando compreender o peso dos conceitos de responsabilidade e comprometimento.
6 – Tenha sempre em mente o fato de que formação é sim muito importante, mas não é tudo. Portanto, tente entender como foi a atuação desses candidatos em projetos e trabalhos anteriores. Se foram inconstantes, pulando de um barco para o outro a toda hora, ou se tiveram início, meio e fim; ou pelo menos, início e meio.
7 – Fuja dos performáticos, loucos para impressionar. Como antídoto, direcione a conversa para uma abordagem exaustivamente objetiva e direta.
Por fim, saiba identificar e correr daqueles que observam em você, a grande solução para os seus próprios problemas, mas busque pessoas que tem sede de realizar, de solucionar e transformar.
Depois de encontra-los, por favor, trabalhe para não perdê-los.
Boa sorte!
Gustavo Chierighini, da Plataforma Brasil