Total de visualizações de página

domingo, 5 de junho de 2011

From Idea to Operating the Company



Marco Mamari - Learn how Lars Buttler, Founder and CEO of Trion World Network, created a groundbreaking idea for the broadband entertainment and online gaming market, raised over $100M from world-class investors, recruited his team and secured key partnerships

3 Stories Your Business Strategy Depends On

Marco Mamari - Stories are not just stories; they’re experience repackaged. They can tell a lot more than just a story. If you own a business, or ever want to, you should be able to tell each of these stories well. If you can, you’ve already nailed the essence of long-term strategy. If you can’t, then here’s a good way to rethink your business.
You want to be able to tell these stories because they’ll help you understand, focus, and manage your business better.
1.  The Story of The Buying Event
Tell the story of an imagined best-possible customer wanting or needing something, finding your business, and buying from you. Try to describe that person (or company) in detail. Be able to describe the process in glorious detail. What did she want? What did he need? What led her to your business? What was he looking for? What problem did she have? How did he find your business, and what made him decide to buy? What were the important decision factors?
2.  The Story of Why We Exist
Be able to tell a simple story about how your business makes some people better off. Guy Kawasaki talks about making meaning, making the world better. And that’s not just the social enterprises or non-profits, that’s the shoe repair business on the corner, the marketing consultant, graphic artist, and the hot dog stand that appears before noon. Every successful business does something for somebody, or it doesn’t last. And that’s a story you should tell yourself. What difference does your business make to the world?
3.  The Story of Our Future
We used to call this the vision statement in the old-fashioned formal business plan. I don’t care whether it’s part of a document or not, but it’s a good concept to keep. Imagine your business three to five years from now. What does it look like then? What is it doing differently, then,  that it doesn’t do now? How has it changed? Is it in a different location? What new things is it selling, and to whom? How has its meaning changed?


Read more: http://timberry.bplans.com/#ixzz1OSYXi81o

How to Explain Lies, Damn Lies, and Statistics

Marco Mamari - Don’t get me wrong: I like research. Survey information is grand. I just say don’t bet the store on it. 
Use it to educate your guesses, but only as long as you stay skeptical. Read it, consider it, but don’t believe it.
Mark Twain said:
There are lies, damn lies, and statistics
Blogger and business researcher Steve King, a sometimes-Twain-like research analyst (well, a smart person who lives in California, at least) gives a great example in his recent post Why Surveys Show Wide Differences in Small Business Social Media Use on Small Business Labs. Steve is a researcher, one of the founders of Emergent Research, which does a lot of work for Intuit.
Steve pulls up two surveys with starkly different results. The Wall Street Journal recently reported that 70% of small business owners think social media is important.  But a Citibank survey said only 36% of small businesses use social media and a mere 24% have found social media useful for finding leads or generating revenue.
What’s up with that? Methodology and sampling techniques, Steve explains. The survey that was big on social media was taken from people it found online using Twitter, Facebook, and other social media. The other one was a telephone survey.
So, as they say, “no duh.” Most of the business people who use social media think it’s important. Most of the ones caught on the phone don’t.
The point is that both surveys are valid in their specific context, both were done professionally, and both can help you understand what a defined group of people thought – or told survey takers they thought. But they contradict each other. So if you’re using research, use it well, explore the assumptions, look for the built-in slants, and take all of that into account.
Humans make decisions. Statistics don’t.


Read more: http://timberry.bplans.com/#ixzz1OSYDsHwD

Top Ten Mistakes Entrepreneurs Make



Marco Mamari - Hear a panel of seasoned entrepreneurs, venture capitalists, board members and other professionals discuss the common pitfalls most new entrepreneurs encounter when building their business

The Business Plan



Marco Mamari - Jim Ellis talks about the elements of a successful business plan as well as common mistakes related to its development and use

Business Planning Tips - Simplifying Assumptions



Marco Mamari - http://www.bplans.com - Tim Berry getting very tired of business writers confusing business planning with the single-document business plan used to sell an idea to investors. There is so much more to business planning, and it is so much more useful to so many more businesses, than just this narrow subset.

5 Things Avatar Can Teach You About Development

Marco Mamari - Avatar is a world-wide phenomenon and is currently the top grossing movie of all time*. How can you learn from its success and apply it to your own projects (even if they aren’t billion dollar movies).
  1. avatarTechnology Matters. James Cameron first wrote Avatar in 1994, but he ended up tabling it until 2005 because he felt the technology wasn’t there yet. Figure out what your idea needs and how you can make it happen. If your current idea won’t work well, put it on hold and work on something else.
  2. Love Your Idea. This movie finally came to fruition 15 years after Cameron’s initial idea. He didn’t just forget about it, he waited for his moment and made it happen. And now he’s very rich (er, richer).
  3. Get Fans, Not Just Viewers(/Users). Avatar was so successful because you didn’t just go and think “good movie” and go to sleep. You wanted to tell everyone you knew about it. After watching this movie I immediately started telling my family and friends they had to see it. Now.
  4. A Little Controversy is Good. Avatar’s a commentary on the war in Iraq. And our treatment of the environment. And a critique of the military. And advocates polytheism. And deals with racial issues. Or maybe none of the above, but it made you talk about it, didn’t it?
  5. Make it Beautiful. Avatar is a cinematic masterpiece. It’s gorgeous. Don’t settle for less with your iPhone app. If your iPhone app is the best looking thing I’ve ever seen I’ll not only use it but share it with everyone I know.
*Okay, so this actually depends on whether or not you count inflation. In any case, it did very, very well.


Read more: http://timberry.bplans.com/2010/02/5-things-avatar-can-teach-you-about-development.html#ixzz1OSWKi56A

5 coisas que Avatar pode te ensinar sobre desenvolvimento de produtos

Marco Mamari - A dica de hoje foi dada por Megan Berry no blog Planning Startup Stories
Avatar é um fenônomo mundial e é atualmente o filme com maior bilheteria da história. Seguem dicas de como aprender com seu sucesso e aplicar nos seus projetos (mesmo que não sejam filmes de bilhões de dolares).
1. Tecnologia faz diferença
James Camerson escreveu Avatar em 1994, mas ele esperou até 2005 para voltar a tocar o projeto porque a tecnologia necessária ainda não existia. Saiba do que sua ideia precisa para sair do papel. Se ela ainda não funcionar bem, coloque-a de lado por um tempo e trabalhe em outra coisa.
2. Ame seu produto
O filme finalmente saiu depois de 15 anos da ideia inicial. Cameron não simplesmente esqueceu do projeto, ele esperou pelo momento e fez acontecer. E agora é rico (quer dizer, mais rico).
3. Tenha entusiastas, não apenas uma platéia (usuários)
Avatar foi tão bem sucedido por você não simplesmente pensa “bom filme” e vai dormir. Você fica com vontade de contar para todo mundo sobre o filme. Após assistir esse filme eu imediatamente comecei a contar sobre ele para minha família e amigos. Na hora.
4. Um pouco de polêmica é algo bom
Avatar é uma crítica sobre a guerra do Iraque e sobre como destruimos o meio-ambiente. É uma crítica aos militares, uma apologia ao politeísmo e trata sobre racismo. Ou então não tem nenhuma dessas coisas, mas te fez falar sobre isso, não fez?
5. Faça seu produto ser fantástico
Avatar é uma obra de arte do cinema. É fantástico! Não se satisfaça com menos que isso no seu produto. Se o seu produto for a coisa mais linda que eu já vi, eu não apenas irei usá-lo como também o indicarei para todo mundo que conheço.

As 4 coisas que você precisa saber sobre desenvolvimento de produtos

Marco Mamari - Quando pensamos em empreender, o processo que vem na cabeça é: ter uma ideia, desenvolver um produto, vender esse produto para 1 trilhão de pessoas e alcançar o sucesso. Porém, existem mais coisas entre a ideia inicial e o sucesso do que imagina nossa vã filosofia.
Nos dias 28/05/2011 e 04/06/2011 de dezembro faremos online o curso Mockup – Desenvolvimento de produtos sem enrolação. Nele, passaremos os 4 fundamentos para tirar uma ideia do papel e colocá-la no mercado.
Em homenagem ao curso, faremos na semana que vem uma série de 4 artigos abordando o que você precisa saber para tirar uma ideia do papel e inserí-la no mercado. Você pode acompanhar essa série através da tag Mockup, ou então receba nossas atualizações peloRSS.
Cliente interessado em nosso curso
"Sério que vai ter outra turma do Mockup? Vou correr!"
Introdução a inovação (leia o artigo completo)De nada adianta estudar técnicas e ferramentas se você não tem uma base sólida nos princípios básicos de mercado que guiam a adoção de produtos inovadores.
Assim como toda grande jornada tem seu primeiro passo e toda grande casa começa no primeiro tijolo, o desenvolvimento do seu produto precisa começar com conhecimento básicos sobre como funciona o processo de inovação.
  • As vantagens e desvantagens de ser uma empresa inovadora
  • Como gerar ideias inovadoras
  • Como fazer uma análise de mercado para empresas inovadoras
Metodologia de projeto (leia o artigo completo)
Desde a análise sobre qual tecnologia escolher até garantir uma boa comunicação da equipe de projeto, a metodologia Lean Startups é extremamente recomendada para produtos inovadores.
O conceito principal dessa metodologia é ser uma forma estruturada de organizar o desenvolvimento de produtos, a partir do contato próximo com o cliente.
Comunicação do produto (leia o artigo completo)
Além do processo de desenvolvimento do produto, é fundamental que a empresa tenha uma boa estrutura de comunicação e vendas.
Ao contrário do que se imagina, não existe “Vou construir um produto e ele será tão bom que os clientes simplesmente aparecerão”. Conhecer os fundamentos de vendas e ter uma equipe comercial preparada é essencial para qualquer tipo de produto, mesmo os que são vendidos pela internet.
Como preparar o lançamento (o artigo desse tema será lançado dia 03/12)
Para uma boa inserção no mercado, a empresa já precisa começar a construir sua marca e conquistar a simpatia dos formadores de opinião que validarão a tecnologia muito antes da finalização do produto.
Nessa parte contaremos como foi nosso contato com os experts do mercado, a importância de uma boa assessoria de imprensa e principalmente, dicas para construir uma marca forte.
Conclusão: Desenvolver um produto inovador não é fácil, mas também não é um caos completo
Ainda não podemos como ter um produto que é um verdadeiro sucesso e te torna zilionário, porém compartilharemos todas as lições que aprendemos até chegar na etapa em que estamos (primeiras vendas).
Logicamente o processo não é fácil, mas esses 4 fundamentos com certeza te ajudarão a avançar mais rápido.  Acompanhe a série sobre desenvolvimento de produtos através do RSS.

Desenvolvimento de Produtos: Introdução a inovação

Marco Mamari - Nunca na história desse país se falou tanto sobre inovação. Se fala tanto, que já não é mais nem um pouco inovador dizer que uma empresa é inovadora. Porém, o que isso significa na prática?
Algumas pessoas definem inovação como uma forma nova de resolver problemas, mas a definição que mais gosto é a de Silvio Meira que diz que inovação é igual a emitir nota fiscal. Aprofundando nesse ponto, penso em inovação como:
“Fazer algo novo, que me leve a emitir mais notas fiscais do que o cara do lado.”
A importância de ideias inovadoras
A felicidade de quem inovou com sucesso
Por um lado, inovar é fácil
A principal vantagem de inovar é fazer algo que ninguém faz e ter um oceano azul todo pra você, sem concorrentes.
Por exemplo, tenho muito orgulho de afirmar que o Empreendemia é a melhor rede social brasileira cujo mascote é um ovo de gravata. Mas o que isso quer dizer?
Por outro, inovar é MUITO difícil
Por mais que seja tentador dizer “Ninguém faz o que nós fazemos“, esse fato normalmente vem acompanhado por “Só temos meia-dúzia (ou menos) de clientes“.
Para superar esse problema, entenda como o cliente reagirá ao seu produto:
  1. O que seu produto faz?” – Podemos descrever o Empreendemia como “Uma plataforma web para acelerar o relacionamento business-to-business” ou dizer “É um Orkut de empresas“. Apesar de botar menos pressão, o 2o discurso é essencial pra que as pessoas consigam nos entender.
  2. Pra que serve isso?” – Você espera que a reação ao seu produto seja “Uau! Que ideia genial!“. Porém, a reação normalmente é “E daí?“. Para vencer isso, mostre de forma clara qual demanda você atende (no nosso caso, aproximar clientes e fornecedores).
  3. “Como isso é diferente do que já existe?” – Se o cliente acha que seu produto é útil (poucos inovadores chegam à essa etapa), ele pensará imediatamente no que já existe. Isso é bom sinal, já que agora sim você pode destacar seu diferencial.
  4. Funciona mesmo?” – Já ouviu falar que quando a esmola é demais o santo desconfia? Seu cliente também. Mesmo que ele se impressione com sua ideia inovadora, é fundamental ter dados e casos de sucesso para mostrar que você consegue entregar o que promete.
  5. Uh-hú! Quero comprar!” – Venda fechada, dinheiro na conta e sorrisos para todos os lados.
Ou seja, superar todas essas barreiras é difícil pacas!
Conheça muito bem o mercado que você quer entrar
Todo empreendedor acha que sua ideia é tão genial que magicamente os clientes baterão na porta e os concorrentes farão de tudo para copiar essa ideia. Na realidade, não é bem assim.
Quanto mais inovadora é a ideia, mais barreiras ela terá que superar. Por isso, conhecer as referências do mercado e entender muito bem qual a necessidade do cliente é mais do que importante, é obrigatório.
Se você tem uma ideia genial para um mercado em que tem pouca experiência, boa sorte!
Conclusão: Inovação é um meio, não o fim
Do mesmo jeito que com um grande poder vem uma grande responsabilidade, com uma grande inovação vem uma grande barreira de entrada. Por isso, tenha consciência de que da ideia inovadora até a riqueza o caminho é longo e cheio de obstáculos.

Desenvolvimento de produtos: Metodologia de projeto, Lean Startups

Marco Mamari - Quando pensamos em empreender, é normal pensar nesse processo:
  1. Ter uma ideia genial
  2. Manter a ideia em segredo durante o desenvolvimento do produto
  3. Lançar o produto no mercado
  4. Magicamente os clientes vão aparecer procurando pelo produto genial
  5. Dinheiro e fama infinitos
Talvez isso funcione em 0.000000143% dos casos. Porém, convenhamos que você não quer depender da sorte pra ter sucesso no seu produto.
Para diminuir o fator sorte, existe uma metodologia chamada Lean Startups, focada em organizar as etapas do desenvolvimento de produtos inovadores. Apesar de ser consideravelmente conhecida na área de internet, ela se aplica a qualquer tipo de produto em que não existe certeza absoluta se os clientes realmente querem o que você vai desenvolver (quase todos).
Desenvolvimento de Produtos
Velocidade é fundamental no desenvolvimento de produtos
Objetivo da metodologia: Reduzir o achismo
Meus pais me acham lindo e me amam independentemente do que eu faça, mas será que o “mercado” também acha o mesmo? Será que posso depender só dessas opiniões para tomar minhas decisões? Provavelmente não.
Basear o desenvolvimento do seu produto apenas no que você (papai/mamãe) acha é pedir para criar um produto que o mercado não queira. Por isso o objetivo da metodologia é te ajudar a conseguir o máximo possível de informações para guiar suas decisões.
Ir rápido não adianta nada se você está no caminho errado
O pensamento de muitos empreendedores é “Sei tudo sobre meu produto e vou desenvolvê-lo o mais rápido o possível. Planejamento é perda de tempo, eu quero mesmo é colocar a mão na massa“.
O único problema desse pensamento é que se você está indo na direção errada, ir mais rápido só serve pra te deixar ainda mais longe do seu caminho ideal.
Pra ir mais rápido, a melhor opção é ir pelo caminho certo. É nesse ponto que um processo bem organizado e sem “achismos” vai te ajudar. Como diria o sábio Ricky Martin “Para dos pasitos adelante, un pasito para atras! Maria!“.
“Tá bom, mas como eu aplico esse negócio no dia-a-dia?”
A primeira recomendação é ler o blog Manual da Startup.  Lá tem muito conteúdo bacana sobre essa metodologia.
A segunda coisa é saber que sua empresa precisa se basear em 3 grandes pilares:
  1. Ouvir o cliente – Para criar algo que o cliente queira, a melhor forma é perguntar pra ele suas demandas e criar o produto a partir disso (leia mais).
  2. Desenvolvimento ágil – Técnicas como SCRUM ajudarão muito a gestão de projetos no dia-a-dia.
  3. Baixo custo na plataforma tecnológica – Existem diversas ferramentas gratuitas (Google Docs, Google Sites, WordPress, Basecamp, etc.) que podem te ajudar a criar uma estrutura muito boa de tecnologia da informação gastando pouco.
Além disso, se você quiser se aprofundar no tema e contar com nossa ajuda para desenvolver seu produto, faremos agora em dezembro o curso online Mockup – Desenvolvimento de Produtos sem enrolação em que contaremos como foi o processo de desenvolvimento do Empreendemia e compartilharemos as lições aprendidas.

Desenvolvimento de produtos: Como se inserir no mercado

Marco Mamari - Digamos que você tenha desenvolvido um megaultramaster produto, a pergunta que fica é: Como fazer com que esse produto seja conhecido e comprado por um trilhão de pessoas?
No caso da Empreendemia, começamos a empresa sem conhecer absolutamente ninguém do mercado de redes sociais e em pouco menos de um ano conseguimos criar uma marca forte, o que facilitou muito a entrada do nosso produto no mercado.
Pra aproveitar o momento nostalgia, confira uma foto do primeiro dia de trabalho da Empreendemia.
Como se inserir no mercado
Muitos tentam, poucos conseguem
Sua reputação é tudo que você tem
Apesar das diversas teorias sobre o que é uma marca, para nós marca = reputação. Ou seja, a marca representa a percepção que as pessoas (mercado) têm sobre sua empresa.
Como bom empreendedor alça-de-botas, você precisa ter em mente a seguinte frase:
“Minha reputação irá me seguir onde eu for, investirei nela todos os dias e a protegerei ferozmente.” Seth Godin
Acima de qualquer campanha publicitária, sua marca é construída a partir do seu trabalho no dia-a-dia.
Pegue uma carona com quem já tem reputação
Além de colher feedbacks sobre o conceito do nosso produto, sabíamos que os experts do mercado poderiam nos apresentar a outros experts e ajudar muito na construção da marca.
Para conseguir o contato desses seres de outro mundo chamados de experts, usamos a boa e velha cara de pau. “Oi Sr. Norris! Tudo bem? Temos um projeto e queremos ouvir seus feedbacks. Podemos marcar uma conversa para te apresentar a ideia?“.
Depois de conquistar a simpatia de um expert, pedíamos indicações de outras pessoas que poderíamos conversar. Essas indicações facilitaram muito todo o processo. Veja mais no artigoA importância do contato com os experts.
Comece a vender o mais rápido o possível
Olhando pra trás, uma das poucas coisas que posso dizer que poderíamos ter feito diferente foi a escolha do momento em que começamos a vender. Podíamos ter começado muito antes.
Mesmo que a empresa tenha capital suficiente para sobreviver sem vendas, ter clientes pagantes é o maior indicador de que seu produto está indo no caminho certo. Anda digo mais, você não precisa esperar seu produto estar pronto para começar a vendê-lo.
Nossa primeira venda foi feita na época em que tudo que tínhamos era um desenho de como seria o Empreendemia Premium. Nosso trabalho anterior de construção de marca foi essencial para que Rafael Zatti, nosso primeiro cliente, confiasse em nosso produto mesmo antes dele estar pronto. Além disso, ainda fez questão de registrar que foi nosso primeiro cliente (confira). Valeu Rafael!
Conclusão: Construa sua marca muito antes do lançamento do produto
Uma coisa é fato: seu produto vai demorar mais do que você esperava para ficar pronto. Sabendo disso, comece a conversar com o maior número possível de pessoas e construa sua marca o mais rápido o possível. Isso facilitará muito seu lançamento.
Se quiser se aprofundar no assunto, dia 28/05/2011 começa o Mockup, nosso curso online sobre como começar sua empresa.
O curso será dado por nós e contaremos como foi nosso aprendizado desde a concepção da ideia da Empreendemia até dicas de sobrevivência pro dia-a-dia.
Se você quer começar sua empresa de base tecnológica ou quer reavaliar estratégias de crescimento, aproveite a chance de aprender com nossa experiência. Confira a grade do curso aqui.

Desenvolvimento de produtos: Como comunicar seu produto

Marco Mamari - Exceto Tempestade dos X-Men e o Super-homem fazendo a Terra girar ao contrário, ninguém tem o poder de sozinho alterar a natureza. Isso quer dizer que por mais genial que seja seu produto, seus clientes não largarão seus hábitos e o usarão seu produto do dia pra noite.
Se um produto é realmente inovador, ele exige uma mudança de hábito no cliente, tanto para aprender a usá-lo como no seu uso no dia-a-dia. Se tem uma coisa que as pessoas valorizam são os seus hábitos. Por isso comunicar o produto de forma eficiente é obrigatório para que ele seja adotado pelo mercado.
Ideias inovadoras mudam o mundo
Não é qualquer um que tem o poder de alterar a natureza
Aprenda a comunicar os benefícios do seu produto
Como vimos ontem, a primeira pergunta que seu cliente fará ao ouvir falar da ideia inovadora é: “E como isso me beneficia?“.
Por isso, a primeira coisa que você precisa aprender na hora de vender o produto é como comunicar seus benefícios. Muito mais importante do que suas características técnicas, mostrar como o produto tem impacto no dia-a-dia do cliente é o que diferencia as ideais inovadoras “bacanas” daquelas que realmente dominam o mercado.
Domine o seu funil de vendas
Do ponto em que a pessoa não te conhece até a compra em si, existe um processo chamado funil de vendas. O nome vem do fato de que sempre uma parte das pessoas não passará para a próxima etapa. Veja mais em As 5 etapas que o cliente passa antes de comprar seu produto.
Entender esse processo é fundamental para fazer seu planejamento de marketing e avaliar se suas vendas estão acontecendo de acordo com o esperado. Quanto mais domínio você tiver, mais conscientes serão suas decisões.
Por exemplo, no Empreendemia temos muito claro que a maioria dos nossos novos usuários aparecem a partir das buscas do Google. Desses, 2% fazem o test-drive do Empreendemia Premium. Desses, cerca de 20% finaliza a compra.
Conhecer esses números faz muita diferença no nosso planejamento.
Conheça seus canais de distribuição
Conhecer os canais de distribuição significa definir muito bem como você fará para que o cliente te conheça, passe por todas as etapas do funil, faça a compra e torne-se seu freguês (cliente que compra sempre).
No nosso caso, vimos que era necessário ligar para as pessoas que estavam fazendo o test-drive. Em alguns casos é possível que o cliente compre sem necessidade de interação com a equipe de vendas. Entender como você venderá o seu produto é essencial para analisar se sua empresa é viável ou não.
Conclusão: Sempre melhore seu processo de vendas
Desde os canais de divulgação até como sua equipe dará suporte ao produto, essa relação com o cliente é o que vai fazer seu produto vender, não a tecnologia em si. Por isso, além de um ótimo produto, você precisa de um excelente planejamento de marketing e um processo de vendas muito bem definido.
Além disso, se você quiser se aprofundar no tema e contar com nossa ajuda para desenvolver seu produto, faremos agora em dezembro o curso online Mockup – Desenvolvimento de Produtos sem enrolação em que contaremos como foi o processo de desenvolvimento do Empreendemia e compartilharemos as lições aprendidas.
Se você ainda não se convenceu, confira os depoimentos sobre a primeira turma do Mockup.
Para dar uma atenção especial a todos, as vagas são limitadas. Por isso, inscreva-se já! Confira mais informações sobre o curso.

Como criar um produto segmentado por nicho

Marco Mamari - Como já disse Bill Cosby, “Não sei o segredo para o sucesso, mas o segredo para o fracasso é tentar agradar a todos”.
Fazer um produto pra ‘massa’ é algo bem complicado, não só para atender uma grande demanda, mas também pela concorrência e pela grande possibilidade de acabar não agradando ninguém.
Por isso, já é uma tendência a criação de produtos que agradem públicos específicos. Mas e aí, comofas?
Aqui vão algumas dicas que coletamos:
1- Mostre a essência logo de cara
Essa é a parte essencial de um produto focado num nicho específico. Uma pessoa que se enxerga como parte de determinado nicho gosta de ser reconhecida e diferenciada por isso. Dando alguns exemplos:
  • Camisetas de rock têm bandas estampadas (e são quase sempre pretas)
  • Motociclistas de Harley Davidson têm jaquetas com a mesma marca (às vezes tatuagens também)
  • Roupas da Lacoste têm um jacaré enorme grudado nelas
  • Ferraris têm motores que fazem um som fantástico
2-Atenção ao nome
Por mais que um nome não precise indicar diretamente o que o negócio faz, no caso de um produto personalizado para um nicho, é recomendável que o nome deixe isso explícito. Por exemplo, a ótima hamburgueria “The Fifties” em São Paulo traz todo uma ambientação com decoração e música dos anos 50 – o próprio nome já indica o ar vintage do restaurante.
3- Traga um mecanismo do nicho para a experiência do produto
Com objetivo de imitar a trajetória de uma banda iniciante que vai ficando famosa, o jogo Rock Band vai mostrando o número de fãs, cachê e outros avanços naturais. Ou seja, um produto que consegue simular mecanismos específicos do nicho em questão acaba chamando bem mais a atenção.
-
Um exemplo que mistura todos esses elementos é a “I Love Trade“, a primeira loja de camisetas para traders do Brasil.
Um dos pontos altos é o sistema de precificação já que o valor das peças varia dia a dia, conforme suas vendas. Resumindo, a loja funciona como a bolsa: camisetas mais vendidas aumentam de preço, camisetas menos vendidas ficam em baixa. Vai do trader comprar a camiseta no melhor momento possível.
Além disso, a iniciativa pretende estimular o sentimento de urgência dos traders já que a loja já tem data de término: 30 de junho (seguindo o conceito de Pop-up Store). Essa tática, pelo jeito, tem dado certo, já que algumas estampas já acabaram.
Se quiser garantir sua camiseta e conhecer mais sobre o conceito, basta visitar a I Love Trade.
Abraços,
Luiz Piovesana
Obs.: Esse artigo foi patrocinado pela I Love Trade. Isso significa que recomendamos seu sistema de orientação financeira a empreendedores como um exemplo, mas não há interferência na nossa linha editorial, muito menos na nossa opinião. Confira nossa forma de trabalhar com posts patrocinados no artigo Conteúdo útil para empreendedores em primeiro lugar.