Total de visualizações de página

domingo, 15 de janeiro de 2012

Marketing direto ganha autorregulamentação

Marketing direto ganha autorregulamentação
Após aprovar as novas regras, Abemd espera adesão de outras entidades para que o código comece a valer já em 2012
ALEXANDRE ZAGHI LEMOS| » 10 de Janeiro de 2012 •

+ Kapulski: proteção ao consumidor sem inviabilizar a atividade de marketing direto
A Associação Brasileira de Marketing Direto (Abemd) acaba de elaborar o Código Brasileiro de Autorregulamentação para o Tratamento de Dados Pessoais. O texto com as regras que devem reger a atuação das empresas do setor, assim como uma Carta de Princípios da atividade, foram envidados em dezembro a todos os filiados da entidade, após aprovação de seu Conselho de Administração.
O movimento da Abemd é uma resposta ao ganho de importância do tema da privacidade e tratamento de dados pessoais, que passou a chamar mais atenção do público com o avanço da tecnologia. Em alguns países, para atender apelos da sociedade, os governos locais passaram a elaborar leis específicas para disciplinar o uso das informações pessoais em ações de comunicação e marketing direto. O Brasil não ficou de fora desta tendência, com o Ministério da Justiça colocando em discussão um anteprojeto de lei que cria regras para a proteção de dados pessoais no Pais. A Abemd, assim como outras entidades do mercado – como a ABA (Associação Brasileira de Anunciantes) e a Aner (Associação Nacional dos Editores de Revistas) –, preocupada com a possibilidade de uma nova Lei inviabilizar a atividade de marketing direto no País, apresentou críticas e sugestões ao projeto do Governo Federal, ao mesmo tempo em que abriu um canal de diálogo com o Ministério da Justiça (mais especificamente com o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor) e com o Congresso Nacional – onde o projeto terá de ser analisado antes de virar lei.
“Nosso objetivo é que a futura regulamentação estabeleça parâmetros para a proteção dos dados pessoais mas esteja em harmonia com os princípios constitucionais da livre iniciativa e da liberdade de expressão comercial”, frisa o presidente da Abemd, Efraim Kapulski.
Neste contexto, a direção da entidade de marketing direto considerou importante que o segmento adotasse suas próprias regras de autorregulamentação. Assim foi criado um comitê específico para tratar do tema, coordenado por Edson Barbieri (presidente da ExactTarget na América Latina) e integrado por outros 10 membros, tendo como consultor o advogado Vitor Morais de Andrade, sócio da Franco Montoro e Peixoto Advogados Associados. A entidade também aproveita a sua expertise em outras duas iniciativas anteriores de autorregulamentação já vigentes: Capem (e-mail marketing) e Probare (telemarketing).
A Carta de Princípios para o Tratamento de Dados Pessoais inclui dez pontos, como a não utilização de “dados obtidos em decorrência de fraude, erro, dolo ou coação” e a garantia às pessoas da “opção de cancelamento, alteração ou correção de informações”.
Para fiscalizar e aplicar possíveis sanções a empresas que desobedecerem as regras, o Código Brasileiro de Autorregulamentação para o Tratamento de Dados Pessoais contará com um Conselho Superior, que será instituído pelas empresas e entidades signatárias do documento – embora encabece a iniciativa, a Abemd espera contar com amplo apoio de todo o mercado envolvido nas atividades de marketing direto, como ABA e Aner, que já se manifestaram favoravelmente à iniciativa. Este Conselho Superior será composto de três a onze membros com mandatos de dois anos, tendo obrigatoriamente um representante titular e um suplente de cada entidade signatária. Já as empresa que aderirem individualmente também poderão indicar representantes, mas a decisão de inclusão dependerá da aceitação da maioria dos membros do Conselho indicados pelas entidades.
Aos que infringirem a autorregulamentação, o Código prevê quatro níveis de penalidades: advertência; exclusão do quadro de signatários; comunicação à mídia; e comunicação das infrações cometidas aos órgãos integrantes do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor e demais Autoridades. A expectativa da Abemd é que o Conselho seja implementado ainda em 2012. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário